sábado, 29 de dezembro de 2012

“Bahia até morrer...”

“Bahia até morrer...”

José Alexandre da Silva, apelidado Zé Bahia, considerava-se o primeiro entre todos os torcedores do Esporte Clube Bahia, daí a razão desta alcunha.
É preciso esclarecer, no entanto, que sua intensa paixão por este time não despontou de um instante para o outro; também não fora consequência de uma escolha minuciosa e caprichosamente ponderada, nem muito menos foi o resultado de uma feliz aposta que lhe rendeu alguns trocados. Este gosto vivo pelo tricolor baiano já se manifestava desde seus oito anos de idade, quando passou a receber forte influência do pai, que o levava religiosamente aos estádios, e com muito mais entusiasmo à Fonte Nova, para assistir ao que ele designava como “o melhor e mais verdadeiro futebol do Brasil”.
Aos dez anos de idade, quando ainda era tratado pelo apelido de Zezinho, que lhe dera a mãe, fora convencido pelo pai a ingressar num grêmio recreativo dedicado ao célebre clube baiano, no qual alçou, seis anos depois, ao cargo de presidente, quando só então foi cognominado Zé Bahia.
– Bahia até morrer! bradou no seu discurso de posse, tomando de empréstimo um trecho do conhecido hino do Flamengo. Este passou a ser o seu lema, o grito de guerra quando se dirigia aos estádios, ou quando via seu estimado Bahia granjear mais um título.
Porém, conquanto estivesse bastante satisfeito com o desempenho de seu time no âmbito regional, uma vez que este tinha a hegemonia no Estado, Zé Bahia ainda nutria dentro de si um profundo resquício de insatisfação, algo que geralmente o levava a uma mesa de bar, onde buscava extravasar seu descontentamento ao som de Amado Batista e de uma garrafa de Pitu. Atormentava-lhe o fato de o tricolor de aço nunca ter conquistado um título nacional, algo que lhe arrancaria esta imensa angústia, além de fazer calar a boa dos "leões sem garras", que era o modo como chamava os rivais torcedores rubro-negros.
Anos depois, para seu pleno delírio, este tão almejado dia chegou. Finalmente, o Bahia, pela primeira vez na sua história, erguia a tão cobiçada taça do Campeonato Brasileiro.
– Bahia até morrer!... Bahia até morrer!... Bahia até morrer!... gritava alucinadamente ao mesmo tempo em que era conduzido pela ambulância ao pronto-socorro, após sentir uma forte dor aguda no peito, em consequência do intenso extravasamento emocional que lhe dominou.
– O próximo será a Libertadores! ainda conseguia gritar ao som da sirene que gemia pelas ruas da cidade. – Depois o mundial em Tóquio! prosseguia em voz já muito turbada, enquanto um forte sedativo o fez adormecer até o dia seguinte.
– Seu José, recomendava o médico, fixando nele um olhar pessimista: - o senhor precisa controlar melhor seus nervos. Seu coração, embora não apresente nenhuma anomalia grave, não pode suportar emoção assim em excesso. Repouso e silêncio é o melhor remédio, concluiu o especialista.
– Pelo meu Bahia, respondeu com uma rima e uma interrogação, - pelo meu Bahia, doutor, que importa morrer de alegria?
O tempo passava, e Zé Bahia mostrava-se de fato muito feliz. Nunca fora visto assim tão visivelmente deslumbrante e tão provocativo aos rivais torcedores do Vitória. O problema no coração, embora agravado pelos excessivos maus hábitos, não lhe trazia nenhuma preocupação, não obstante as constantes advertências da mulher e dos filhos.
Todavia não veio a Libertadores, e Tóquio parecia um sonho inatingível. O Bahia, embora continuasse mantendo a supremacia regional, já não brilhava como dantes. E o Vitória, o seu temido rival, parecia disposto a tomar-lhe esta posição no cenário baiano.
Com o decorrer do tempo fora acometido mais uma vez daquele antigo descontentamento, ao qual se seguiu certa melancolia futebolística, tão própria daqueles que se apegam com mais intensidade aos seus times. Junto com a melancolia veio o medo da felicidade, que era um pressentimento de que, mais cedo ou mais tarde, alguma de ruim iria acontecer ao seu estimado tricolor. Zé Bahia, além de melancólico, tornou-se também pessimista, algo que se intensificava dia após dia, tendo em vista a péssima posição em que seguia agora seu clube no Campeonato Brasileiro, no qual, pouco tempo depois, assumiu a incômoda posição de "lanterninha".
Este estado sorumbático em que se imergiu Zé Bahia atingiu o seu clímax quando o seu time ficou a uma partida da Segunda Divisão.
– Vamos dar à volta por cima... Bahia até morrer!... resignava-se desesperadamente, enquanto se dirigia ao estádio com um grupo de amigos.
Durante toda a partida, Zé Bahia permanecia em visível agonia. Seu semblante fazia transparecer as dores de um parto feito com fórceps. Quando o adversário enfiou o primeiro gol, sentiu novamente uma fisgada no coração, sendo de imediato conduzido ao hospital, antes mesmo que terminasse a partida.
Mais uma vez ele resistiu. Após sete dias de internação e sob fortes cuidados médicos, recuperou suas forças, e sua paixão pelo tricolor de aço parecia renovar-se como a mitológica Hidra de Lerna.
– Olha, seu José Alexandre, falava com ar de severidade o médico. - O seu coração está por demasia enfraquecido. Além desses medicamentos, o senhor precisa moderar suas emoções, do contrário não sobreviverá a outro baque deste. Evite ir aos jogos e procure outro entretenimento que não seja futebol, advertiu-o com rigor  o medicinal.
Com o andar do tempo Zé Bahia recuperou com ainda mais tenacidade as esperanças em seu time, ignorando completamente as prescrições médicas.
– Voltaremos!... voltaremos!... Vocês verão, cambadas de bestas! berrava e gesticulava para um grupo de torcedores do Vitória. – Bahia até morrer!... Bahia até morrer!... prosseguia em tom provocativo.
Este otimismo, no entanto, não se prolongou por muito tempo, pois um novo golpe veio disposto a revolver-lhe toda esperança. O Bahia, o grande tricolor de aço, estava desta vez a um passo de cair para a Terceira Divisão.
– Voltaremos!... voltaremos!...  tentava consolar a si mesmo, enchendo os olhos de lágrimas. – Meu Bahia, meu querido Bahia...
Era dia do jogo decisivo. Não obstante a situação de seu time ser ainda mais dramática do que em outras ocasiões, Zé Bahia esforçava-se por ofuscar esta realidade.
– Venceremos. Sim, venceremos!... Bahia até morrer!... Bahia até morrer!... gritava a pleno pulmões na arquibancada, enquanto via o tricolor adentrar o gramado.
Os resultados dos demais jogos estavam propensos ao Bahia, que só dependia dele mesmo para sair de tão desastrosa posição. No primeiro tempo, o time jogou bem melhor, quase marcando um gol bem logo no início da partida, o que fez avivar ainda mais os ânimos de Zé Bahia.
– Bahia até morrer!... – Bahia até morrer!...  tentava desesperadamente animar o seu time.
Todavia, quando tudo parecia culminar em contentamento, eis que o seu querido tricolor leva um gol. Então ele sente uma nova pontada no coração. Mais um gol, outra uma pontada; outro gol, mais outra, e mais outra... e outra...

- Bahia até morrer!... Bahia até morrer!... Bahia até morrer!..., sussurrava, cada vez mais brandamente, enquanto seu coração pouco a pouco parava de bater...

---
Por:
Iba Mendes (primeiro conto, em 2002)

Nenhum comentário:

Postar um comentário