terça-feira, 17 de março de 2015

Sensação estranha

Sensação estranha

Acordou com a estranha sensação de que algo diferente estava na iminência de acontecer. Não atinava, porém, se seria algo bom ou ruim.
Posto que não fosse dado a superstições, ainda assim mantinha-se precavido e atento a tudo que fazia, quando pisava o chão, quando descia e subia às escadas, quando atendia a campainha, quando ingeria algum alimento, entre outras tarefas habituais, procurando vigiar-se o tempo todo para fazer cada coisa com a devida serenidade e precaução.
É bem verdade que achava tudo aquilo uma enorme insensatez, mas a singularidade do evento servia-lhe como escusa para atenuar em sua mente os efeitos do ridículo, principalmente para alguém que se vangloriava de seu ateísmo e que até já lera toda a obra de Richard Dawkins, um pouco de Nietzsche e também Diderot!
No decorrer do dia evitou comentar o assunto com a esposa, limitando-se apenas a dizer que estava indisposto e que por isso não iria trabalhar. A atitude do marido surpreendeu a mulher, uma vez que não era comum vê-lo faltar ao serviço, ainda mais agora que tinha sido transferido para o Departamento de Compras, passando a ganhar três vezes mais e onde pretendia galgar novos ares.
Nesse ínterim, viu-se em meio a um emaranhado de incertezas filosóficas e titubeou em seu inabalável ceticismo. Um pressentimento assim tão inusitado deveria ter algum sentido que se dobrava acima da lógica humana e racional, refletia assim invocando a máxima de Hamlet: “Há mais coisas no céu e na terra, Horácio, do que sonha a tua filosofia”.
No entanto, o dia findava-se sem qualquer sobressalto que pudesse apontar para os mistérios do príncipe da Dinamarca. Deixou-se abater com isso. Ora, onde já se viu acreditar em tamanha parvoíce! ponderava, temendo ainda ter colocado em risco o seu próprio emprego.
Ao fim da noite mais do que nunca, sentia-se profundamente cético, a respeito de tudo, o que incluía a crença ingênua em acontecimentos sem uma causa natural, os quais não estivessem devidamente embasados na Ciência e que não pudessem ser testados em retortas e em tubos de ensaio.
Dormiu tranquilamente como quem acabou de se libertar de incômodos grilhões.
No dia seguinte amanheceu introspectivo. Beijou a mulher e saiu apressadamente com a estranha sensação de que perderia o emprego.

---
Por: Iba Mendes (Fevereiro, 2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário