quinta-feira, 16 de novembro de 2017

A Senhora Ratazzi (Conto), de Camilo Castelo Branco


A Senhora Ratazzi

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Depois de estudar os portugueses e as portuguesas com frequentes visitas celebradas por menus econômicos e risos de ironia larga, a Sra. Rattazzi concebeu das suas impressões viris e másculas um livro que deu à luz em Janeiro, e denominou Portugal à vol d'oiseau. Portugais et portugaises.

Eu, criado no velho noticiário, tendo de anunciar o produto de uma dama dado à luz, antes quisera, em vez dum livro bom, anunciar um menino robusto. Acho muito mais simpática a feminilidade das mães pálidas, com olheiras, emaciadas, que aconchegam dos seios exuberantes a criancinha rosada, recém-nascida. Não me comove nem alvoroça o espetáculo de uma autora que se remira e envaidece na brochura que deu à luz, obra entre cinco e sete tostões — 740 reis com estampilha. Por isso, antes quero noticiar um menino robusto que um oitavo compacto.

Começa a Sra. Rattazzi por declarar com raro entono que conta e pinta o que viu sem deferências pessoais nem preocupações do que ao seu respeito se possa dizer ou pensar. Bom é isso. O menosprezo que a escritora liberalista à opinião pública portuguesa permite à crítica o dispensar-se de grandes melindres. À vontade.

Se alguém me arguir de bastante descosido no exame do livro, queira lê-lo com paciente pachorra, e verá que eu bispoteei sobre os alinhavos atrapalhados da senhora princesa. Se me acharem um pouco em mangas de camisa, façam-me o favor de ver que a shocking irlandesa nos visita de penteador de rendas transparentes e chinelinha de chinchila.

Calúnia, apenas começa, afirmando, contra o caráter desta boa gente portuguesa, que D. Pedro V, e os infantes D. Luiz, D. João e D. Augusto foram atacados do “tifo-arsenical” — envenenados. Uns morreram. D. Augusto ficou atarantado, mas com graça — uma timidez non dépourvue de charme; e D. Luiz, esse, teve de la chance: — que duas vezes fora preservado da sorte de Britanicus. Excetuados os grêmios palúrdios de algumas boticas de província, ninguém hoje repete semelhantes atoardas. Quando quiseram por ódio político enlamear a reputação imaculada de um duque, desembestaram-lhe o venábulo ao rosto sereno. A calúnia caiu então, e levantou-se agora na indiscreta obra mexeriqueira da Sra. Rattazzi.

Quando a morte fulminou, a curtos intervalos, na Itália, duas rainhas da Sardenha e o duque de Gênova, madame Marie de Solms, em versos por sinal muito ordinários, insinuou que o fanatismo torvo dos padres tinha brandido nas trevas a cruz à feição de gládio. Na Itália era o clero, aqui foi o veneno dos Médicis. Acha que os príncipes não podem morrer de morte natural; e bem pode ser que a sua alteza venha a acabar de doença reles, com pedra na bexiga, hidrópica, com lombrigas, com grandes perturbações flatulentas no seu aparelho digestivo — uma desgraça para as letras.

Avaliando o clero português, manda ler o Crime do padre Amaro. Um romancista hábil engenhou um padre mau que afoga um filho, uma perversidade estúpida e quase inverossímil em Portugal, onde os padres criam os afilhados paternalmente. Eis, segundo ela, o tipo da clerezia portuguesa, o “padre Amaro”. A Sra. Rattazzi geme escandalizada sobre a corrupção do sacerdócio, e cita o romance.

Do clero naturalmente deriva para o culto. A respeito do São Jorge da procissão de Corpus— Christi, a princesa espirra fagulhas de espírito forte, dum solteirismo cediço, com um desplante extraordinário em mulher. Não se coíbe de gracejar com o simbolismo sempre respeitável quando inculca, seja como for, uma religião e uma moral – coisas consubstanciais. Não a retém a senhoril e prudente moderação de Staël e Sand, e sobretudo o feminil decoro de viúva duplicada, de mãe e de velha, embora os atavios façam pirraça à cronologia. Moteja das pompas religiosas no tom das turlupinades da petrolista André Léo, e arma à risada com facécias dum aluno da escola-militar que leu o Testamento de Jean Meslier e o Citador de Lebrun.

Moteja dos Cyrios. Segundo ela, os portugueses, tomando a parte pelo todo, chamam às “procissões” Cyrios, porque levam velas acesas. Muita chalaça a este respeito. Mulher irreligiosa é uma razão perdida no vácuo da consciência; mas a que faz praça da sua incredulidade é coisa repugnante, tanto monta ouvi-la na sala como na taberna.

Se a Sra. Rattazzi fosse uma escritora seriamente crítica, ridiculizando o maior santo de Inglaterra, devia contar aos portugueses que Jorge foi um fornecedor de toucinho (bacon) do exército romano, e que em vez de fornecer, cosia-se com os lardos suínos como qualquer fornecedor do exército brasileiro do Paraguai. A justiça perseguiu-o como concussionário; Jorge safou-se, fez-se ariano, e levou de assalto a cadeira arquiepiscopal de Atanásio. Depois, na capital do Egito, a execração pública encarcerou-o a fim do processar; mas o povo, impacientado com as delongas do processo, atirou-o ao mar.”Como é que este malandrim (pergunta Campbel na biografia de Shakespeare) chegou a ser transformado em São Jorge, patrono dos exércitos, da arma de cavalaria e da ordem da Jarreteira?” Campbel diria à senhora princesa: “Patrícia, antes de escarnecer as crenças portuguesas, zombe das inglesas. O santo é nosso, e Deus sabe que bestialidade grande praticaram os lusos admitindo um santo da Grã-Bretanha na vanguarda de uma jolda de velhacos que lhes fizeram à indústria da metrópole e às colônias da África o que o tal Jorge fez ao toucinho dos soldados romanos”.

Ora, se é fato que o sujeito sisava a carne de porco das legiões romanas, esse devia ser coerentemente o santo tutelar da Inglaterra. Eu, porém, segundo a minha história eclesiástica, muito mais ortodoxa e correta que a de Campbel, pendo a crer que São Jorge era um príncipe da Capadócia que sofreu martírio, imperando Diocleciano, depois de ter matado um certo crocodilo que queria comer a filha do rei Aja. Jorge levou talvez em vista, neste crocodilicídio, plagiar Perseu que matou outra fera que queria comer Andrômeda, filha do rei Cefeu. O que é certo é que os saxônios, estes selvagens, incapazes de produzir um santo, adotaram o da Capadócia. Nós é que não tínhamos necessidade do santo, dando-se o caso para além do mais de sermos ridiculizados por causa dele no livro da Sra. Rattazzi, princesa que decerto não vai ao florilégio como o seu colega príncipe Jorge.

Sobre matéria intrincada de cultos, presume que o enigma poderia ser resolvido pelo bispo de Visens, Alves Martius. Este nome está bastante corrompido para se pensar que o prelado de Visens Martius é um bispo mozárabe, coevo do duque de Lafões, com ditongo.

Deturpar nomes de bispos e duques pouco importa; é muito pior divulgar, acerca das realengas aspirações de uma duquesa benemérita de respeito, umas chocalhices cochichadas nas salas, mas nunca escoadas pelo esgoto da imprensa séria. Alude em termos esbandalhados de atriz patusca ao duque, marido dessa duquesa, e atribui às barrigas das senhoras portuguesas um esquisito predomínio abdominal sobre os esposos. Esta senhora, que tem apenas a carne indispensável para se não confundir com um fluido, abomina metaforicamente os ventres grandes, as barrigas das damas portuguesas fidalgas que nobilitam nas suas membranas os maridos e os filhos. Pilherias de farceuse de goguette. Umas bufoneries de petit souper, — can-can de sobreloja entre costureiras que bebem do fino e têm namoros nas cavalhariças do paço.

A Sra. Rattazzi ri muito das superfetações cosméticas e oleosas do conde de M. Valha-nos Deus! A Sra. princesa, como objeto colorido, é há muitos anos uma cromolitografia das obras do bibliófilo Jacob. Que Alphonse Karr me não deixe mentir.

Do duque de Saldanha repete anedotas chinfrins que põem gargalhadas sobre a campa do bravo caudilho a quem D. Pedro IV agradeceu a coroa da sua filha. Conta um diálogo forte que ele teve em 1851, às quatro horas da manhã, com a rainha D. Maria Pia, e que ela mostrara desejos do mandar espingardear. Ora, em 1851, a senhora D. Maria Pia, o Anjo, tinha quatro anos, e desde que veio para o trono de Santa Isabel e de Santa Carlota Joaquina apenas tem espingardeado alguns borrachos, 4 em 5. E o duque de Saldanha — conta a princesa — apresentou-lhe a esposa no seu palácio dela em Antin. Assim zomba a Sra. Rattazzi dos seus amigos mortos e matraque a Saldanha que a visitava, quando o Figaro a escarnecia e Peletan lhe desenhava o perfil na Nouvele Babylone.

Está a caráter quando, anotando um artigo espirituoso do Pimpão, explica à Europa o que é o “Perna de pau” e a “Horta das tripas” (Jardin des tripes). Fala muito de faguetes que a incomodam, e diz que “vossa mercê” é o diminutivo de “Vossa excelência”. Investigando a linguística, observa que não dizemos o rei, mas”el-rei; e que o el é recordação mourisca e vestígio da ocupação dos árabes. Confunde o artigo espanhol el (do latim ile) com o artigo arábico al, prefixo a muitas palavras portuguesas. As Teresas filósofas são muito mais vulgares que as Teresas filólogas. Diz que o nosso ai Jesus! também é muçulmano, e o “se Deus quiser” também é vestígio arábico. É uma mulher das arábias, ela!

Faz rir à custa dos arqueiros que tocam o tambor à chamada. A Sra. Rattazzi nasceu em Inglaterra onde hoje em dia se conservam usanças ridículas, ratices que se avantajam muito à do arqueiro que rufa a caixa. Exemplo: os dois manequins monstruosos chamados Gog e Magog que assistem à recepção do lorde-maior no salão Guil-Hal. Depois, mais irrisórias que os arqueiros, as sentinelas da Torre de Londres, chapéus de veludo emplumados, adaga à ilharga, farda escarlate acolchetando nas costas, e as armas de Inglaterra com a tenção de Henrique VIII matizadas no peito. E que nos diz a Sra. Rattazzi às cabeleiras Luiz XV, de cachos empoados, com que se toucam os juízes antes de se amesendrarem com ofenbachiana parlapatice majestosa nas cadeiras da magistratura em Westminster-Hal? E aquele suntuoso coche tirado por cavalos baios em que se estende ao carniceiro opulento, com os braços nus e a camisa arremangada até às clavículas? Se a Grã-Bretanha nos não exibisse estas gargalhadas, teríamos de nos remediarmos com o produto da Ex-Princesa Studolmire Wyse que só de per si tem a vis insita, a força ridícula latente das dinamizações altas.

Penetra na vida íntima dos portugueses, no segredo dos seus amores castos, amor que só os olhos exprimem. Não gosta. Acha isto sensaboria, e chama-lhe paixão e olhadas, para exprimir bem portuguesmente a coisa. À Casa Havaneza, onde se refastelam muitos dos tais “apaixonados das olhadas”, chama clubo des bavards. Diz que em Portugal as meninas de doze anos têm olhadas e carteiam-se. Acrescenta que é rara uma mulher galante portuguesa; mas que os homens são, na generalidade, bonitos e bem feitos — beaux et bien faits. Isto cativa a gente. Contou alguém à princesa a história fresca de um velho par do reino “que se lambia” dizendo a paixão que inspirara a uma jovem que só à beira dele sentia o lirismo e as delícias do amor. A Sra. Rattazzi espantou-se, e do velho idiota inferiu que em Portugal todos os velhos se lambiam do amor.

Foi aos touros; viu os capelhas portugueses, e os torreros e os forçados (forcados) que ela diz assim chamarem-se, forçados, porque forçam os aplausos. Está em primeira mão esta sandice. (Se o leitor quiser corrigir a minha indelicadeza, onde está “sandice” leia sandwiche). Como sucessor do conde de Castelo Melhor no garbo e destreza cavaleirosa de toureiro, menciona Rebelo da Silva el Castro. Provavelmente do historiador da última corrida de touros em Salvaterra fez um toureiro equestre no campo de Sant'Ana. Diz que, a pedido da comissão, oferecera uma “mona” — reminiscência poética da idade média. Achou na idade média as monas. A sua alteza acha um tanto canibal o prazer das touradas, mas nem por isso é moins imense (este imenso menor que o imenso maior, é bom). Nos teatros da Trindade e do Principo, desagradou-lhe o péssimo costume de pateader. Diz que as obras do teatro de São Carlos foram dirigidas por Santo Antônio da Cruz Sobral. Lá fora há de pensar-se que temos um Santo Antônio de Lisboa para os milagres e outro Santo Antônio da Cruz para os teatros.

Sobre política decifra alguns artigos bons do Pimpão e guisa varias beldroegas da sua lavra. Entra bem na questão financeira, na fiduciária, dos Bancos, no escândalo das loterias e do jogo. Faz um moral opúsculo em assunto de roleta.

Tratando de jornais, traslada e traduz anúncios afrodisíacos do Diário de Notícias, e diz que o Sr. Thomaz Antunes é moco fidalgo. O Sr. Antunes não é fidalgo moco; tem a cedilha: saiba-o a França. Do Jornal da Noite, escreve que A. A. Texero de Vasconcelos noticiava principalmente aniversários e nascimentos, dava a lista dos números mais premiados na loteria, e disso ia vivendo. Assim atassalha a Sra. Rattazzi a reputação jornalística do mais rijo pulso atleta que teve a arena dos gladiadores políticos — o rival de A. Rodrigues Sampaio. Nem A. Augusto era outra coisa. Logo veremos como ela conceitua socialmente o seu conviva e panegirista.

Menciona como colaborador da Correspondência de Portugal o Sr. Rodrigues de Treitas. Se lhe chama Tretas ao ilustrado e honesto republicano, merecia uma descompostura.

Também versa a questão cornígera dos gados, des bestiaux. Louva, ao intento, um Relatório do senhor conselheiro Morres Soares. Morres? Longe vá o agouro. Desejo que o Sr. Moraes Soares viva muitos anos, para nos dar muitos relatórios sobre bestiaux, e mais ocasiões a que esta princesa se ocupe das nossas vacas — objeto em que é ela a única senhora concorrente com as leiteiras saloias.

Em uma página útil e talvez a única proveitosa aos viajantes, informa acerca dos hotéis. Diz que no “Hotel de Lisbone” há muitos ratos; no “Aliança” percevejos; e no “Gibraltar” baratos (não confundir preços baratos com baratas, ou carochas). Depois desta asseveração impugnável, esteia a sua afirmativa num a passagem do Cousin Bazilio onde se lê que em Lisboa há percevejos. Luxo escusado de erudição. Os percevejos em Lisboa são de uma tamanha evidência fétida e matemática que se dispensava o testemunho do Sr. Eça de Queroz, de Querioz, ou de Querioze, que vem citado como Plínio para os lacraus, e Livingstone para a Tsetse-fly, mosca mortífera da África.

Espanta-se dos muitos Burnay que em Lisboa exercitam vários ramos de indústria. Acha que a Lusitânia, neste medrar de Burnay, virá a chamar-se Burnaisie. Depois escreve: Il faut mentioner, ne fût ce que pour faire contraste, les Galegos à cotê des Burnay. Les uns exploitent, les autres sont exploités. Esta princesa, com quem o Sr. Ramalho trocou o seu francês parisiense, de certo ouviu dizer ao festejado escritor que a família Burnay é um grupo de homens honrados e laboriosos que não se pejam de ser defrontados com outros homens honestos e trabalhadores embora procedam da Galiza; mas não exploram: trabalham e colhem, quando lho não desfalcam, o estipêndio honesto das suas fadigas.

Tem bons chascos quando zomba dos nossos viscondes das Ervilhas e do Esparregado. Destes viscondes saberá sua alteza que se fazem as princesas do Esparregado e das Ervilhas. Se a Sra. Rattazzi se lembra de arranjar um visconde dos Tabacos, saído de um estanco, esse visconde ferido na sua honrada indústria, poderia lembrar à neta de Luciano Bonaparte que a princesa Rattazzi é bisneta de um vendedor de tabacos, pai da sua avó, a Sra. Blescamb, viúva de um empregado bancário. Mas os tabacos traíram-na, quando, enxovalhando os enormes serviços do falecido conde de Farrobo à causa da liberdade, diz desdenhosamente que o pai do conde tinha o monopólio dos tabacos e que a sua nobreza era de fábrica.

Esteve a Sra. Rattazzi em Pedroncos e Massa. O leitor que já lhe conhece o processo da ortografia geográfica, entende que ela esteve em Pedrouços e Mafra. Exibe as vulgaridades obrigatórias, e dá-nos a notícia inédita e lisonjeira de que Byron chamou a Cintra glorious Eden.

Espeta-se na história da literatura portuguesa, lamentando que não haja uma gramática oficial. Há dez ou doze oficialmente aprovadas; mas não é isso que a Sra. Rattazzi pretende: quer uma gramática oficial, uma coisa em que os poderes legislativo e moderador decretem positivamente o que há sobre o gerúndio e o particípio indeclinável. Para que diabo quereria ela uma gramática oficial? Depois, estabelece a fileira dos escritores clássicos, e manda ler as Cartas de Mariana de Alcofarrada. Infausta freira! um francês atormentou-lhe o coração: e uma irlandesa martirizou-lhe o apelido. Alcofarrada! Credo!

Disseram-lhe que Afonso Henriques teve um aio, Egas Moniz, o da lenda heroica, que era poeta. Teve ignorantíssimos informadores que confundiram o aio Egas Moniz com o trovador Egas Moniz Coelho, fabuloso autor das conhecidas trovas.

Trata dos Autos, mistérios cristãos posteriores às judarias – uma perfeita judiaria desta literata; — e conclui que as melhores peças do teatro moderno português são a Nova Castros de João B. Gomes, e a Osmia da condessa de Vimieiro. Convém saber que o Gomes e a condessa estão enterrados há bons 70 anos. Tem este modernismo.

Em seguida, põe à frente do progresso dramático José Freire de Serpa, Alexandre Herculano, e mais o Sr. Enes. Estão bem postos todos os três.

Entre os oradores especifica o conde de Thomaz; e, como Manoel Passos dava eloquência a dois, fez dele dois oradores — um orador Silva, e outro orador Passos. Diz que Rodrigues Sampaio é o primacial do jornalismo literário; não chega a atribuir-lhe algum solão. Quanto a Almeida Garrett, escreve que era um católico cheio de fé e sem filosofia, e por isso não fez escola nem discípulos. Ideias parvoinhas do Sr. Teófilo Braga.

Conta que Alexandre Herculano viera em 1836 da emigração que lhe inspirara a Harpa do Crente. Que Alexandre Herculano, antes de emigrar, estivera ao serviço de D. Miguel — qu'il avait servi d'abord. E, no restante, as ideias do Sr. Ramalho expendidas nas Farpas, mas um pouco deturpadas. Aquele grande homem, Herculano, segundo conta a Sra. Rattazzi, visitou-a e levou-lhe os seus livros. Diz ela que foi a última visita que fez o eminente escritor. Se isto é verdade, foi a última e talvez a primeira asneira da sua vida.

No seu grande juízo, Alexandre Herculano devia achá-la ridícula. Uma inglesa ridícula equivale a dois ingleses ridículos. Ora, Alexandre Herculano tinha escrito: Dois ingleses ridículos são incontestavelmente as duas coisas mais ridículas deste mundo. Eu creio no contundente publicista Silva Pinto — um grande lapidário de frases cáusticas, tartarizadas. Diz ele que Alexandre Herculano não a visitou. Ele era mais austero e sensato que o padre Lamenais e o astrônomo Babinet, do Instituto, que no poente da vida e na aurora da tolice lhe escreviam versos e prosas de pieguice senil. O velho astrônomo explicava-se assim, paternalmente, há dezoito anos:

Sans cesse vous brillez de charmes imprévus;
Près de vous on ne peut jamais manquer de verve;
Car vous avez les attraits de Vênus
Avec les talents de Minerve!

Os atrativos de Vênus. Bom proveito. E, depois, esta senhora zomba dos portugueses velhos que se babam de amor! Pudera não! Quando nos aparecem belezas mitológicas, a Vênus com a sobrecarga de Minerva, a gente baba-se irrepreensivelmente.

Contra Castilho, faz-se eco das inépcias do Sr. Teófilo Braga: — que ele conhecia imperfeitamente as línguas de que traduisait, traduisait, traduisait. Castilho aos vinte anos fazia versos latinos como Virgílio e franceses como Lamartine. Acusa-o de inimigo acerbo do romantismo. Castilho escreveu a Noite do castelo e Ciúmes do Bardo na afinação ultra romântica da Dama do Lago de W. Scott e do caudilho das baladas românticas em França.

Tagarelando contra os clássicos, a boa da romântica diz que surgiram em Coimbra os dissidentes da velha escola. Os dissidentes eram Rebelo da Silva, Mendes Leal, Latino Coelho e Lopes de Mendonça. Sim, estes inovadores saíram de Coimbra com o estandarte da rebelião arvorado. Ora, Rebelo da Silva, como o reprovassem em latim, não voltou a Coimbra; Mendes Leal e Latino Coelho nunca frequentaram a universidade, e Lopes de Mendonça não sei se chegou a matricular-se em matemática. Deste infeliz lutador, submerso em trevas quando as espancava com vertiginosa anciã de luz, diz a ignorante que ele consumira a maior parte da mocidade em dissipações. O meu pobre amigo, tu que aos quinze anos trocavas por pão escasso os teus primeiros labores, não merecias ser apontado como vítima da tuas dissipações.

Contra Mendes Leal, a casquilha poetisa em anos de prosa ejacula injuriosas calúnias de plagiatos, e acusa entre os livros deste escritor verdadeiramente polígrafo o Calabar, um romance em que Mendes Leal declara que parte do seu livro é imitação. O autor da Herança do Chanceler, ao meu ver, nas suas ocupações diplomáticas em Paris, não tem tido vagar para atender às princesas vadias.

De Rebelo da Silva conhece Odio, Velho vraô cauca, e a “Última corrida de touros reas em Salvaterra”. É um bom título para uma simulcadência muito forte, peninsular, talvez vestígio árabe. A Sra. Rattazzi, que assim escreve a língua portuguesa, propõe-se traduzir a História da Inquisição de Herculano. Em inquisição de torturas vai ela pôr a pobre língua, que ainda assim possui uma palavra enérgica para intérpretes deste quilate. Byron, encantado com a sonoridade do termo, transmitiu-o como mimo filológico ao seu amigo Hodgson. Ela que o fareje. Está na carta 37ª da coleção de Thomaz Moore — bom documento etnológico que esqueceu ao Sr. Alberto Teles no seu interessantíssimo livro Lord Byron em Portugal.

As insolências que desembesta à cabeleira de Bulhão Pato como se explicam? Ela, prefaciando um drama que piorou com o seu francês, disse que Alexandre Herculano escrevera um opúsculo contra o imperador do Brasil, e que o imperador, sem embargo da ofensa, vindo a Portugal, visitara Herculano. A Sra. Rattazzi, muito admirada, perguntou, em Paris, ao imperador que lhe contara o caso da ofensa e da visita: “Visitou Herculano, Sire?” E D. Pedro II respondeu com um sorriso fino: “Sim, de certo, visitei-o. Deveria eu castigar-me a mim por comprazer com o meu despeito?”

Leu isto Bulhão Pato, e saiu honrada e severamente contra a calúnia; e vai ela agora, no livro Portugal a voo de pássara, explica o prefacio da comédia dizendo que se enganou — porque lia muita coisa – atribuindo as Farpas a Herculano; e acrescenta que o imperador não lhe emendara o blunder, o equívoco desgraçado, ouvindo-a sem lhe corrigir o erro. Mas a Sra. Rattazzi, no tal prefacio sarapantão, diz que o próprio D. Pedro II lhe contara que ele, ofendido, visitara o ofensor: Don Pedro me l'aprit lui même à l'hôtel d'Aquila. Uma trapalhona!

Bulhão Pato emendou a parvoleza da Sra. Rattazzi; e ela, em vez de se agachar contrita na humildade das tolas conscienciosas, ergue-se nos tacões benoiton, e faz chalaças de estaminet entre dois petits-verres de anisette.

Dos meus fúteis romances também chalacêa e não anda mal; — que todos os meus livros se adivinham do terceiro em diante: um brasileiro, um namorado sentimental, e uma menina em convento. Cita quatro novelas, e por casualidade nenhuma delas tem brasileiro; porém, quanto a namorados, são tantos que nem a senhora princesa é capaz de ter tido mais.

No mérito de Júlio Diniz faz os descontos que o Sr. Ramalho lhe incutiu. Conhece os Fidalgos de casa mourisca, e a Morgadinha dos Canaviais. Tenciona falar de Soares de Posses, poeta portuense, cuja elegia do sepulcro, diz ela, se canta nas ruas. Exalta o Sr. T. Braga que escreveu a Visão das tempes, e As tempos tades sanoras, a "História do direitor português”, e os “Traços” gerais da filosofia “positiva”. Não se sabe se quer dizer Traços ou Trancos; talvez seja Tratos, ou mais provavelmente Trapos, se não for coisa pior. Seja o que for, pertence à filosofia “positiva”.

Conta que ele foi tipógrafo em Coimbra para pagar os estudos. Não havia de gastar muito se pagou o que sabe. Diz que o Sr. Braga é “filósofo, matemático, astrônomo, físico, químico, biologista e antropologista” — o que se demonstra nos Tracos acima.

Consta-me que o Sr. Chardron consente que este opúsculo seja trasladado a francês e espanhol. Suspeita-se que a Alemanha e o Reino— Unido pensam em o traduzir com uma grande sede de ideias. Pois, se isto assim é, como não pode deixar de ser, bom será que lá fora se leia em linguagem conhecida uma opinião ingênua a respeito do escritor moderno mais consciencioso de Portugal, como a princesa, baseada em antropologia e assaz biológica, qualificou o Sr. Teófilo. De si próprio dizia ele com paspalhona filáucia no Athaeneum de Londres, Revista do ano de 1878:

"Atualmente a filosofia positiva conta muitos admiradores em Portugal, e os novos espíritos disciplinados por ela vão conhecendo com grande clareza de que trabalhos este povo precisa para progredir.

Neste espírito acabam de sair à luz os dois primeiros fascículos de uma História Universal, que a imprensa portuguesa tem considerado como “uma renovação dos estudos históricos em Portugal; a noção positiva da história e o esboço da história dos egípcios estão a par dos (muito pardos) modernos trabalhos da arqueologia pré-histórica e egiptológica”.

É o que pensa de si o egiptológico Sr. Teófilo. Já lhe não basta o elogio mútuo. O oráculo, quando os catecúmenos de cá o não incensam, trata ele de salvar na Inglaterra a reputação da crítica portuguesa, escrevendo que a imprensa lhe considera as farfalharias uma renovação dos estudos históricos em Portugal. Ridículo até à compaixão!

Os livros do Sr. Teófilo são uma balburdia, retraços de ciência apanhados a dente, mal mascados, um cérebro atrapalhado como armazém de adeleiro, golfos do bolo não esmoído, coisas apocalípticas, muito desatadas, em prosa deslavada, derreada, enxarciada de galicismos, caótica, apontoado enxacoco de retalhinhos apanhados à toa numa canastra de apontamentos baralhados e atirados para o prelo. Toda a farragem do Sr. Braga é isto, creiam-me os Pisões e a Sra. Rattazzi. A cabeça toa-lhe a vazio, em competência com a da sua admiradora. Todo ele é uma bexiga de gazes maus; quando a apertam, faz-se mister, como para o portugaison, apertar o citado apêndice.

Diz que o Sr. Luciano Cordeiro é um dramaturgo original: parece que a originalidade do Sr. Luciano Cordeiro está em não ter escrito drama algum.

Reflexionando conspicuamente sobre a nossa deplorável instrução pública, sai-lhe de molde contar que nós, os portugueses, a um brasileiro que passa chamamos macaca. Que o brasileiro vai passando, e nós dizemos: É una macaca.

Não é tanto assim; não se lhe desfigura o sexo. Se a princesa, ao passar, ouviu dizer: é una macaca, isso não era com o brasileiro.

E a propósito de macaco:

Tendo esta dama escrito lisonjeiras coisas da gentileza e bonito feitio dos homens portugueses, excetuou caprichosamente um criado do Hotel Mondego, o José Macaque. Diz que ele tem uma fealdade socrática. Eu não afirmo que José Macaco seja um galã com o perfil de Bathylo de Samos nem os três quartos do Cupido de Corregio. Anacreonte de certo lhe não toucaria as louras madeixas de pâmpanos e rosas de Teos, nem me persuado que Sodoma ardesse por causa dele ou de mim. Assim mesmo, sem algum motivo estranho à plástica, a princesa Maria Letícia, indisposta com José Macaco, não lhe perpetuaria no seu livro como num bronze de Esopo, a fealdade. Devia de haver uma causal estética para injúria tão desproporcionada com as culpas arguidas a José Macaco. A sua alteza não o baldeava à zombaria dos séculos porvindouros pelo delito de lhe não servir mayonnaise de lagosta à la gele, nem mexilhões à provençal. Indaguei, por intermédio de um meu amigo em Coimbra, quais as causas ingentes dos ódios assanhados pela Discordia ignivoma, como diria Homero, entre Macaco e Princesa. Tentaria ele como o hediondo Thersites da Ilíada arrancar com suspiros absorventes os olhos meigos da nova Pantasilea? Trato de averiguar. Se a resposta não vier a tempo, dar-se-á em apêndice suplementar.

Trata com amorável equidade o Sr. G. Junqiero. Acha-lhe belas coisas no seu don Jooâ, e que realça no estilo menineiro, enfantin. O Sr. Junqueiro, se bacorejasse este obséquio, não metia na sua Viagem à roda da Parvônia uma Princesa Ratazana, “em toilette mirabolante, cheia de pedrarias e plumas”. A princesa Ratazana da farsa dá um jantar a líricos e satânicos, e canta:

É um país singular
A pátria dos malmequeres!
Pôde-se dar um jantar
Ficando os mesmos talheres.

Mas os convivas, a quatro libras por cabeça, — o Sr. Guerra, grátis — põem-se nas flautas, e ela abisma-se no buraco do ponto. A troça está impressa. Guerra Junqueiro vingou A. A. Teixeira de Vasconcelos.

Este escritor, pródigo de gabos e cortesias aos seus colegas, houve-se cavalheirescamente com a princesa. Fez folhetim heráldico da sua raça corsa, do espírito e dos livros que eu apenas conhecia de lhos ver citados no Dictionaire de l'argot parisien, por Lorédan Larchey, Paris, 1872. Ela é autoridade em gíria. Antônio Augusto achava-lhe talento, e ia jantar com ela. O escritor morreu; e a Sra. Rattazzi celebra desta arte a memória do seu panegirista e hóspede:

"Antonio-Augusto Texeiro de Vasconcellos. O Casa nova português. Seria demais chamar-lhe célebre, mas notável por muitas distinções, sim. A primeira pelos grossos escândalos que datam já de Coimbra, onde estudava; depois por grandes farsolices de que uns riam, e outros choravam. Por algumas foi asperamente castigado. O que ele podia melhor escrever eram as suas memórias; com certeza, tinha com que alvoroçar a curiosidade pública. Pensaria nisso? É provável que sim, mas faltou-lhe o tempo. Como quer que fosse, essas memórias só poderiam publicar-se depois dele morto; se as publicasse em vida, correria o perigo do espatifarem”. É uma princesa a escrever de um homem falecido que a inculcara literata distinta no Jornal da Noite, mentindo à gente por um excesso de cavalheirismo fidalgo que o desculpa, e mais relevante faz ressaltar a ingratidão da leitora do Casa nova.

Crueza e indignidade que não desafinam das tradições corsas da sua família; mas que será difícil encontrarem-se num a senhora de la haute vie, uma irlandesa para além do mais, uma Wyse, fina flor fanada da Gentry.

A Sra. Maria Letícia esteve no Porto, onde “viu o lindo riacho, Rio de Viela que atravessa diversas ruas”; conversou com a Sra. Alveolos, inglesa gorda que, por sinal, a não percebeu. Conta-nos — digno Plutarco — a biografia da estalajadeira do Francfort, e viu a confraria dos Pénitents rouges a descer da colina para o rio, e parar com tochas acesas à porta de uma casa mourisca com vidraças coloridas, e paredes esmaltadas de adobes azuis. Que diabo de visão! O Hofman não veria isto no Porto sem beber muito de 1815. Os penitentes vermelhos!

Também esteve em Cedeifata e no palácio de cristal, acompanhada par le savant docteur Ricardo Costa. É admirável como ela, num lance de olhos, apanhou as linhas intelectuais e científicas do senhor doutor Ricardo Costa! Quantas pessoas andam dúzias de anos à volta de um sábio sem o penetrar!

Na carta XXIII, esta mirifica epistolografia mete a riso a nossa pronuncia nacional, os sons nasais, as desinências em oês e em , que nos ficaram da língua galoga, e se pronunciam ouenche, anhon com um acento “violento de nariz que só bem pode imitar-se pegando neste apêndice com a mão toda para bem proferir o portugaison”. Sim, ele é preciso pegar no apêndice para bem pronunciar o portugaison.

Vence-me o tédio; mas não me punge o remorso de ter lido 415 páginas. Tenho, porém, vergonha de que um ou outro português, desnacionalizado por despeitos pessoais e políticos, se compraza de ver os seus conterrâneos enxovalhados pela Sra. Rattazzi, cuja maledicência é notoriamente europeia. O seu renome de desbragada sem-cerimônia ganhou-o em Itália e Paris a ponto de lhe imputarem as brochuras crapulosas do infame bandido Vésinier, um corcunda petroleiro que espingardearam em 71. Ele publicara na Bélgica o Mariage d'une espagnole com as iniciais M. de S., em que muitos decifraram Marie de Solms (Les membres de la commune, par Paul Dehon, pag. 241). Outros davam quinhão na torpeza a Schoelcher (Histoire de la revolution de 1870-71, por Claretie). Era uma calúnia que a não pungiu grandemente; um dia, porém, o despejado amanuense de E. Sue fez confissão pública e vaidosa de ter vendido esses farrapos de baixo alcouce aos editores belgas.

A senhora princesa, se em vez de puffs usasse calças e voltasse a Portugal, de certo acharia quem lhe desse umas. Tem por si o arnês da fragilidade, posto que as senhoras um pouco durázias, e por isso menos quebradiças, devem ater-se menos à irresponsabilidade das qualidades vidrentas. Em todo o caso, a gente admira-se, porque esta espécie de extravagância não é vulgar, e só pode perdoar-se ao talento que a Sra. Rattazi não professa. Tenha paciência. É uma patarata, a ragged woman, com uns quindins de mauvais aloi, trescalando a boudoir-Lenclos, com umas guinadas de verve, barrufadas de champagne frapé. De resto, é uma princesa que nos faz lembrar, quanto aos seus diplomas principescos, a rainha Jacinta de negra memória, e quanto aos seus morgadios realengos não nos parece mais donatária que a ilustre senhora da ilha das Galinhas. Em conclusão: o seu livro não é cano de escorrências muito nauseabundas, nem é canal de notícias úteis, tirante a dos hotéis infamados de percevejos; não é pois cano, nem canal; mas é canudo, porque custa sete tostões; e — vá de calão — como troça e bexiga, é caro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...