terça-feira, 23 de julho de 2019

Gonçalves de Magalhães: últimos anos (Biografia)



Gonçalves de Magalhães: últimos anos

Em 10 de junho de 1874, Magalhães é acreditado junto à Santa Sé, na qualidade de enviado extraordinário e ministro plenipotenciário, e, quase simultaneamente, por decreto de 25 do mês seguinte, passa de barão a visconde com grandeza.

Quando o Visconde de Araguaia apresenta as credenciais a Pio IX, dois príncipes da Igreja, frei Vital e D. Antônio de Macedo Costa, acham-se, um na fortaleza de São João e outro na da Ilha das Cobras, expiando a pena de quatro anos de prisão simples, em que lhes foi comutada a de prisão com trabalho, a que foram condenados pelo Supremo Tribunal de Justiça, às ordens do primeiro Rio Branco.

Tanto basta para demonstrar a delicadeza excepcional da situação do diplomata brasileiro junto ao Sumo Pontífice.

Em boa hora vem facilitar-lhe a missão a anistia de 1875, Magalhães pode então voltar às suas preocupações filosóficas.

As duas últimas obras que lhe saem da pena são A alma e o Cérebro, em 1876, e Comentários e Pensamentos, em 1880.

Desta nenhuma página existe, que mereça menção. Naquela, dedicada ao Imperador, que se dignou "ouvir a leitura de alguns capítulos" e animou o autor a concluir o trabalho, há uma apreciação da frenologia de Gall, do sensualismo de Condillac e do materialismo. Na parte negativa está, para Leonel Franca, a parte melhor da obra filosófica de Magalhães.

Em Roma, a 10 de julho de 1882, com pouco menos de setenta anos, falece o Visconde de Araguaia.

Bem pode ser que, a dois passos do trânsito supremo, lhe tenham acudido à memória aqueles versos de Antônio José:

Morrer... Morrer... Quem sabe o que é a morte?
Porto de salvamento ou de naufrágio?

O naufrágio, para um homem como ele, seria o esquecimento. Passados cinquenta anos, o seu nome vive ainda e não morrerá tão cedo, porque sem decliná-lo ninguém poderá traçar a história do pensamento nacional. Entendia assim José Veríssimo, representante da geração que lhe sucedeu: "influiu poderosamente na formação da literatura brasileira, que desde então começa a distinguir-se da portuguesa". Reconhecem-no os moços de hoje (década de 1930) como Ronald de Carvalho e Mota Filho, que enaltecem "o empenho de Magalhães em prol da libertação literária do Brasil".

Pouco importa que, fecunda em abortos, a obra do poeta, do teatrólogo, do crítico, do novelista, do filósofo tenha mais intenções do que realizações. A grandeza dos ideais que o inspiravam, o desejo constante de enobrecer a vida, o culto ardente das coisas da inteligência, a coragem e por vezes a galhardia com que abordou todos os gêneros, o papel que, embora contra a sua vontade e ao arrepio de suas convicções mais radicadas, desempenhou no movimento romântico, fazem de Magalhães um dos valores de nossa aristocracia espiritual.

---
ALCÂNTARA MACHADO
"Gonçalves de Magalhães ou o romântico arrependido" (1936)
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Breve notícia sobre Antônio José da Silva


Breve notícia sobre Antônio José da Silva

Pelo esquecimento em que estão os nomes dos nossos ilustres antepassados; o desleixo com que tratamos os poucos escritores que nos dão glória, e a completa ignorância da nossa literatura, sou forçado a dar aqui uma breve notícia do principal personagem deste drama, para sua melhor inteligência.

Antônio José da Silva nasceu no Rio de Janeiro, em 8 de maio de 1705; seu pai, João Mendes da Silva, que exercia a profissão de advogado, o mandou estudar Direito na Universidade de Coimbra. Daí, tendo-se já formado, partiu para Lisboa, onde se estabeleceu, e começou a advogar, e a adquirir reputação e amizades.

Dotado de um gênio nimiamente cômico e satírico, deu-se às composições teatrais, desprezando todas as regras estabelecidas, e não atendendo senão ao estado do povo para quem escrevia. Em vão o Conde de Ericeira, então literato de grande nota, e legislador do parnaso luso, o aconselhava a imitar a Molière, como ele em tudo imitava, e seguia a Boileau, de quem traduzira em português a Arte Poética. Antônio José ouvia os conselhos do seu nobre amigo, admirava Molière, mas seu gênio era outro. Apesar de todos os seus defeitos, mereceu a denominação de Plauto-Luso. Antônio José é o único rival de Gil Vicente, e suas composições ainda hoje são aplaudidas nos teatros de Lisboa; elas correm impressas com o título de — Óperas Portuguesas. A guerra de Alecrim e Mangerona, Dom Quixote, Labirinto de Creta e Esopo encerram cenas verdadeiramente cômicas. D. Quixote foi traduzido em francês por Mr. Ferdinand Denis, Autor de muitas obras estimáveis.

As particularidades de sua vida são ignoradas; mas do silêncio da História se aproveita com vantagem a Poesia; e a imaginação supre otimamente todas as omissões. O que se sabe positivamente é que ele foi queimado vivo na praça do Rocio, em Lisboa, em um Auto de fé, em 1739, na idade de 34 anos, tendo sido acusado ao Santo Ofício como judeu.

Desejando encetar minha carreira dramática por um assunto nacional, nenhum me pareceu mais capaz de despertar as simpatias e as paixões trágicas do que este. As desgraças de um literato, de um poeta, que concorreu para glória nacional, não podem deixar de excitar interesse e amor, ao menos no nosso país; e tanto mais deve esta lição ser importante , quanto a miséria e o abandono é o fim de quase todos os poetas portugueses e brasileiros. Queira o céu compadecer-se dos futuros engenhos, e animá-los nesta nobre empresa de civilização e de glória nacional, apesar da ingratidão e indiferença daqueles que podem e devem favorecer os nascentes gênios; que bem disse Camões:

O favor com que mais se acende o engenho,
Não no dá a Pátria, não, que está metida
No gosto da cobiça!

Ainda hoje assim é!...

Digamos duas palavras sobre o sucesso desta obra na sua representação. Se devesse julgar do mérito desta Tragédia pelos aplausos que lhe prodigalizou o público nas repetidas vezes que subiu à cena, eu me acreditaria autor feliz, isento de censuras, atendendo ao entusiasmo com que foi recebida, e os elogios que mereceu, particularmente o 5º ato.

Tal acolhimento esteve bem longe dos meus pressentimentos. Ou fosse pela escolha de um assunto nacional, ou pela novidade da declamação e reforma da arte dramática (substituindo a monótona cantilena com que os atores recitavam seus papéis, pelo novo método natural e expressivo, até então desconhecido entre nós), o público mostrou-se atencioso, e recompensou as fadigas do poeta.

Mas eu sei o quanto perde a obra do entusiasmo em uma leitura fria e desanimada; então adormecidas as paixões, pretende a razão crítica penetrar e julgar, onde só ao sentimento é dado o decidir. Sei de mais o quanto é volúvel a opinião do público, e quão fácil se esquece ele neste ano do que sentiu e disse no ano passado.

Frios censores, críticos impassíveis, juízes parciais e imparciais, amigos e inimigos, a vós me entrego.

Não faltarão acusações em todos os gêneros. Talvez tenham razão, sobre tudo se quiserem medir esta obra com o compasso de Aristóteles e de Horácio, ou vê-la com o prisma dos românticos. Eu não sigo nem o rigor dos clássicos, nem o desalinho dos segundos; não vendo verdade absoluta em nenhum dos sistemas, faço as devidas concessões a ambos; ou antes, faço o que entendo, e o que posso. Isto digo eu aos que ao menos têm lido Shakespeare e Racine; aos que tomam partido nestas questões hoje em moda em literatura dramática; aos que porém, leem cantando a Tragédia, com a mesma toada da Ode, e julgam do mérito de um poema pelas pancadas retumbantes dos versos, que se encadeiam como os sons do martelo sobre a incude, dir-lhes-ei, que isto não é soneto, nem versos de outeiros. Lembrarei somente que esta é, se me não engano, a primeira Tragédia escrita por um brasileiro, e única de assunto nacional. Humildemente peço aos meus críticos que me desculpem a ousadia de compor uma Tragédia, quando eles dotados de maior gênio e talento, não se animam a tanto. Se houver quem tenha bastante ânimo para dar de mão aos interesses positivos, e, esquecendo-se da sátira, seguir-me na árdua empresa de enriquecer a nossa pobre literatura, apesar da vergonhosa indiferença com que se tratam hoje os literatos; eu lhe desejo, além da glória da perfeição, todos os nobres estímulos de que é credor o gênio. Mas ah! na porta do templo da imortalidade está escrito para os brasileiros estas palavras , como na porta do Inferno do Dante:

Lasciate ogni speranza, voi che'ntrate.
 
---
GONÇALVES DE MAGALHÃES

Maio do 1839.
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)