quinta-feira, 2 de novembro de 2017

A sonata do luar (Conto), de Virgílio Várzea


A sonata do luar

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Anoitecia, quando, pela varanda do lado dando para o jardim, nos encaminhamos para o grande terraço balaustrado da frente, deixando a vasta e confortável sala de jantar, onde agora duas robustas criadas alemãs, muito louras, a pele fresca e rosada, os braços saindo nus e roliços das mangas dos seus corpetes alvos, se agitavam apressadamente, arranjando e pondo em ordem a bela mesa cheia de flores onde, havia momentos, festejáramos com jubilosa cordialidade, tocando as taças de Joannisberg, o aniversário de uma dessas pessoas queridas que são a graça e a bênção de um lar.

Longe, no horizonte, sobre a negra muralha recortada da serra da Boa Vista, a lua subia, abrindo deliciosamente no espaço o seu imenso sendal luminoso. Através o crivo escuro das trepadeiras, cujas folhas tremiam à aragem ciciando-lhes misteriosas carícias, pequenos discos de claridade láctea desciam até os recantos mais escuros, batendo o mármore do terraço. Mas os balaústres do centro rasgavam como uma larga janela para o campo, para a amplíssima paisagem enoitada.

Aí sentamo-nos todos, embevecidos no panorama do rio, estadeando-se nas voltas flexuosas como uma estranha via láctea, ao longo da grande avenida do cais. No fio da corrente, onde parecia que ferviam raios de prata em fusão, barcas a vapor, pequenos lanchões e iates erguiam no ar vagamente a trama fina das mastreações debruadas de luar. Nos planos da outra margem, terminando em colinas longínquas, que se esbatiam na sombra difusa, as culturas adormeciam no silêncio do céu nevoso. Pela barranca cortada a prumo, aqui e além, na sebe rasa dos arbustos, árvores moças e pujantes, um ou outro tronco decrépito, torcido já pelos anos e só coroado no alto por um penacho de folhas, inclinavam as suas franças rendadas, como para ouvir as ondinas que lhes passavam junto às raízes, cantando.

O maior encanto do quadro era, entretanto, uma pequena ilha fronteira, de cuja profusa vegetação uma casinha surgia, tendo a um dos extremos uma gigantesca palmeira, que, semelhante a um mastro, lhe dava o aspecto de uma velha barca de pastoral de outras épocas, apodrecida à margem de algum canal esquecido e invadida por uma inundação de verdura. As águas, descendo com violência, abriam à sua proa de ervagens longos florões prateados, que ondulavam e fugiam...

Mas, de repente, fraulein Elsa, a filha do dono da casa, em cuja honra era aquela festa, à frente de um bando alegre de amigas, apareceu, atravessando o grande salão iluminado, em direção ao terraço.

As graciosas valquírias chegaram numa grazinada festiva, e, tomando o lugar em que estávamos, debruçaram-se aos balaústres, a contemplar o esplendor do luar que nevava todo o céu, a casaria de Blumenau, os cimos altos das colinas, das árvores, e a longa faixa flexuosa do rio. E de suas bocas mimosas, exclamações vivas fluíam pela noite admirável. Nisto aproximou-se do grupo o velho Carlos Schneider, padrinho da festejada, que, dirigindo-se a ela, pediu-lhe que fosse tocar uma das suas músicas amadas.

Então, um rapaz imberbe e louro, a estatura gigantesca, atlético e virilmente belo, que estava de pé a meu lado, meio curvo na sua linha de gentleman, voltou-se todo para a moça e disse-lhe em alemão, numa acentuação muito íntima:

Beethoven, Elsa, Beethoven! A Sonata ao luar...

Elsa, muito alta e airosa no seu vestido claro de crepe, ergueu vivamente o lindo rosto oval, de uma louçania celeste de corola que se abre, e, com os grandes olhos azuis, de uma transparência e candidez inefáveis, um sorriso nos breves lábios rosados, murmurou uma recusa. Mas logo todos repetiram o pedido num coro solicitante e álacre:

A Sonata ao luar! A Sonata ao luar!

Não houve então mais escusa possível. O bando chalrante enveredou para o salão como uma revoada de andorinhas voltando ao beiral de um castelo do Reno por uma tarde primaveral — e Elsa foi sentar-se ao piano.

O rapaz louro e atlético seguiu o bando adorável, indo acomodar-se em um divã, o rosto muito rosado agora à luz profusa dos lustres e uma radiação amorosa nos seus olhos de faiança.

O velho Schneider e os demais cavalheiros foram colocar-se às portas, numa atitude de profunda atenção. Leopoldo Schwarz e a esposa, os bons pais de Elsa, ficaram comigo no terraço, sob o crivo das trepadeiras onde o luar peneirava a sua luz fosca e alva.

E logo as primeiras notas da sonata saltaram do teclado, voando a todos os ângulos do salão. Os acordes suaves, de uma sinfonia arrebatadora, ondulavam e fugiam, deixando no ar como um frêmito de emoções. Envolvia tudo a nevoenta espiritualidade de um sentimento recôndito, passado em almas que vivem perpetuamente na adoração do indefinido e do vago, ansiando pela realização de um amor que se livra nos páramos ilimitados de uma criação transcendente, na esfera subjetiva das ilusões e dos sonhos.

Mas nessa animosidade nebulosa de afetos idealizados e aspirações levadas para além da terra até as raias da abstração, havia toda a palpitação e embevecimento de uma paixão desvairada. E através dessas volutas sutilíssimas de sons, envolvendo como um fio de melodia dois corações que, polarizados pelo mesmo impulso, se atraem e se fundem num só anseio de ideal, sem conseguirem entretanto a desejada ascensão ao seu Éden sonhado, se desenhava vagamente a iniludível realidade da estância mais notável, talvez, da vida do grande artista, que concebera, num arroubo divino, aquela sonata genial.

Sob a grande execução, eu sentia debuxar-se, em meu espírito, o esquisso desse lied germânico. Era num velho solar palatino, por uma noite clara do norte. Um cavaleiro enamorado estaca subitamente o corcel sob as ramas das carvalheiras junto de um torreão rendilhado. A lua, com a sua luz misteriosa e vaga, banha docemente os vitrais coloridos da janela gótica. Vibrando o seu alaúde, o paladino amante solta as primeiras estrofes sonoras de um meigo e velho rimance. Então a ogiva rútila estremece e um perfil louro de visão se debruça, arrebatado pelo canto. Depois o trovador emudece. E as horas voam no silêncio da noite nevada. Por fim, um cicio de frases e beijos de amor passa de uma à outra boca, de um a outro coração. É o momento da partida. Adeus, meu sol, meu tesouro! Adeus, adorado amor! E o cavaleiro galopa, fugindo na estrada branca.

Quando a última nota da sonata findou, Elsa ergueu-se, risonha e cheia de graça, com o seu alto porte de valquíria e a sua bela cabeleira loura. Todos correram a saudá-la, as moças como os rapazes, num alvoroço festivo.

O último, porém, que a saudou foi o jovem Apolo germânico, que se sentara ao divã. Mas a sua galanteria merecera tal acolhimento da moça que eu, vendo-os assim tão unidos, as mãos enlaçadas como num enlevo feliz, fiquei a pensar, por instantes, nos personagens ideais daquela sonata mágica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário