sábado, 16 de dezembro de 2017

A mãe falsa ao filho (Conto), de Sílvio Romero


A mãe falsa ao filho
(Contos populares do Brasil – Rio de Janeiro)

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Havia um homem de força e de coragem, de nome Pedro, que retirou-se para a roça com sua mulher chamada Maria. Foram viver nos ermos, sustentando-se com caças do mato. Lá nos ermos nasceu-lhes um filho que se chamou João. Quando o menino tinha sete anos de idade morreu seu pai. Vendo o rapazinho que a vida dos ermos era rústica, pediu à sua mãe para se retirarem para a cidade, com o que concordou a mãe. Juntaram os seus bens, que consistiam num cavalo, uma espingarda e um facão, e entraram na cidade já pela noitinha. Correu o João toda a cidade e não encontrou ninguém; bateu em todas as portas e ninguém lhe respondeu. Foi ter a um sobrado, que foi o único que achou aberto, entrou, falou e ninguém lhe respondeu. Subiu a escada, correu toda a casa e não viu viva alma.

Havia um único quarto que estava fechado, estando todos os mais abertos. Então aí se arranchou com sua mãe e passaram a noite. No dia seguinte não viu ninguém na cidade, nem sentiu movimento algum, e, não tendo o que comer, foi para o mato caçar, conforme usava o seu pai. Quando ele estava no mato, apresentou-se à sua mãe no sobrado um gigante, dizendo-lhe que a havia de matar por ter ela se apoderado daquela casa sem a sua licença; mas que, por ser ela mulher, não a mataria com a condição de viverem juntos.

A mulher lhe respondeu que tinha um filho na sua companhia. O gigante lhe disse: “O teu filho eu o como.” — “O senhor não pode com meu filho.” — “Então não é ele um homem?” — “Sim, é um homem.” — “Como não poderei eu com ele, se pude com todo o povo desta cidade, e acabei com todo ele?” — “O senhor não pode com meu filho, que tem muita força.” — “Pois se não posso com ele, aqui tens uma boa forma de lhe dar fim: quando ele chegar, tu deves te fingir de doente, gritando com uma dor nos olhos, e que tu sabes que o único remédio que existe para este mal é a banha de uma serpente que há no mato; ora, não podendo ele com a serpente, ela lhe dará cabo da pele.” Chegando o filho da caçada; assim fez a mulher, como lhe ensinou o gigante. O moço então voltou para as matas. No caminho encontrou um velho que lhe perguntou aonde ia. Respondeu que matar a serpente para tirar a banha para deitar nos olhos de sua mãe que estava doente. O velho lhe disse: “Não vás lá, que não podes com a serpente.” — “Como é para minha mãe, hei de ir, aconteça o que acontecer”, respondeu o mocinho. O velho lhe disse: “Pois vai, que serás feliz.” Foi ele e matou a serpente e tirou a banha. Na volta passou por casa do mesmo velho, que o reteve para jantar. Quando estava o mocinho jantando o velho mandou matar uma galinha e tirar a banha e trocar pela banha da serpente. Assim fez a moça que o velho criava em casa. O João seguiu, e deitou o remédio nos olhos de sua mãe, que não tendo nada, nada sofreu. O gigante, no dia seguinte, ficou admirado, e, estando o João na caça, disse à mulher: “É verdade; esse teu filho é homem. Amanhã, quando ele vier, faze o mesmo, e dize-lhe que nestas matas há um porco-espinho, cuja banha é o remédio que te pode servir; ele, que não pode com o porco-espinho, morrerá, e ficaremos livres dele.” Tudo fingiu a mulher, e o filho lá voltou para as matas a matar o porco espinho. Tornou a passar por casa do velho, que lhe fez outra recomendação, a que ele resistiu. “Vai, disse o velho, e serás feliz.” Foi e matou o porco-espinho. Tornou a passar por casa do velho que o reteve para jantar. Mandou matar outra galinha e trocou a banha do porco-espinho pela banha da galinha. João seguiu para a cidade e botou a banha nos olhos de sua mãe, que nada tinha. No dia seguinte, indo ele para a caça, apareceu o gigante e ficou ainda mais admirado da valentia do rapaz, e disse à Maria: “Agora tu pegas estas cordas, e dize-lhe que ele não é capaz de as arrebentar.” Assim fez a mulher. Chegando o filho, ela lhe disse: “Tu és um homem, que nem mesmo teu pai fazia o que tu fazes; mas tu não és capaz de quebrar estas cordas em te enleando com elas.” João aceitou a proposta; a mãe o enleou, e ele forcejou e quebrou as cordas. A mãe lhe disse: “És homem como trinta!” João seguiu para a caça no dia seguinte. Veio o gigante, e, sabendo do acontecido, ficou ainda mais pasmado. “Amanhã, disse o gigante, dize-lhe que ele não é capaz de quebrar estas correntes.” Assim fez Maria, quando seu filho veio. “Isto não, minha mãe, correntes não posso quebrar.” — “Tu podes, meu filho, experimenta.” — “Vosmecê quer, vamos ver.” A mulher enrolou o filho com as correntes; ele forcejou e não as pôde quebrar. Aí apareceu o gigante armado de um facão e se arrojou ao menino para o matar. “Pode matar, disse João, só quero que me cumpra três pedidos que lhe quero fazer.” — “Cumprirei vinte, quanto mais três.” Os pedidos de João eram: não quero que faça uso dos objetos que meu pai deixou, nem do cavalo, nem da espingarda, nem do facão; quando me matar não me estrague o corpo e parta-me em cinco partes; bote-me dentro de dois jacás no cavalo com a espingarda e o facão.

Assim cumpriu o gigante. O cavalo seguiu desordenadamente e foi ter à casa do velho. Chegou a moça na janela e, conhecendo que era o cavalo de João, chamou o velho. Este chegou e disse: “Minha filha, o que ali vês é João que vem morto dentro dos jacás; traz-me para aqui o cavalo, que quero dar vida ao nosso João.” O velho pediu a banha de serpente, e juntou os diferentes pedaços do corpo de João, que logo sarou. “Não sentes coisa alguma, nem te falta nada?”, perguntou o velho. Respondeu João: “Falta-me a vista.” O velho pediu a banha do porco-espinho, e untou com ela os olhos do rapaz, que logo recobrou a vista. “Pega nas tuas armas, disse então o velho, e vai à casa de tua mãe e faz o mesmo ou pior.” João partiu; lá chegando encontrou a mãe dormindo com o gigante; pôs o seu facão nos peitos do monstro e o matou. A mãe se lhe atirou aos pés, pedindo que a não matasse; e ele a fez levantar-se dizendo-lhe que a não ofendia, por ser sua mãe. Voltou à casa do velho, contou-lhe o que tinha feito, salvando sua mãe.

O velho louvou a sua ação, e disse que era o seu anjo da guarda que o tinha vindo defender. Desapareceu, subindo para o céu, e João se casou com a moça que ele tinha criado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...