quinta-feira, 18 de outubro de 2018

As catadeiras de piolhos, de Arthur Rimbaud (Poema Traduzido)


Autor: Arthur Rimbaud
Tradutor: Magalhães Júnior
Ano: 1950.

As catadeiras de piolhos

Quando a mente do infante, em rubra tempestade,
implora o alvo tropel dos sonhos indistintos,
duas ternas irmãs vêm, cheias de bondade,
ao pé do leito em que despertam seus instintos.

Sentando-o junto a um vão de porta escancarada
ao ar azul que banha os bosques e os rosais,
na espessa cabeleira, ao mormaço orvalhada,
passeiam com afã os dedos finos, mortais.

Ele ouve-lhes cantar, lenta, a respiração,
com doçura de mel vegetal e rosado,
que a espaços interrompe ou a salivação
ou anseio de um beijo a custo recalcado.

Cílios a palpitar, em morna sonolência,
no silêncio aromal, ele ouve... e cerra os olhos,
enquanto os dedos com elétrica insistência.
dão sob as unhas reais morte aos pequenos piolhos.

O vinho da preguiça, o néctar das delícias,
suspiro musical, o invade e faz sonhar...
E então, nele, incessante, ao torpor das carícias,
surde e morre um desejo imenso de chorar...


---

Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...