terça-feira, 16 de outubro de 2018

Eu vi a tua imagem, de Rabindranath Tagore (Poema Traduzido)



Autor: Rabindranath Tagore
Tradutor: Bastos Portella
Ano: 1927.
Eu vi a tua imagem

Eu vi a tua imagem,
na minha imaginação...
Depois, deixei meu barco abandonado,
sobre as águas do rio, em meio  à escuridão.

Surge, agora, a manhã!
As flores da Primavera
estão desabrochando...
Porém, mesmo que a luz falte,
as flores murchem
e morra a Primavera,
seguirei sempre navegando,
navegando...

Quando me apareceste,
o mundo mau dormia...
E a sombra estava nua...

Agora...  ouves os sinos? Que alegria!
Rutila um sol, ardente e louro, ardente e louro,
banhando a rua...

E o meu barquinho está pesado, cheio de ouro...
Porém, mesmo que a voz dos sinos emudeça
e o meu barco, depois, fique vazio,
seguirei sempre navegando,
navegando,
sobre as águas do rio...

Algumas barcas já se foram...
Outras estão aparelhadas...
— Oh, também vou partir!
Olha as velas enfunadas
e as aves que chegaram da outra banda!...
Porém mesmo que as velas não me ajudem
e se perca a mensagem,
que hei de levar daqui, para além da outra praia...
seguirei sempre navegando
navegando,
imagem
e vendo a tua  imagem
sobre a praia...


---
Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...