domingo, 20 de janeiro de 2019

Epitáfios (Emilianas)


Epitáfios

Os epitáfios humorísticos já foram moda no Rio de Janeiro. Figuras destacadas das letras, artes, da política, eram ridicularizadas em versos. O suposto defunto recebia o “elogio fúnebre” de suas vaidades, ambições, avareza e outros vícios. Os defeitos físicos também não eram poupados: nem a cor de mestre Hemetério nem a gordura de Oliveira Lima.

Emílio de Menezes chegou a compor para si próprio o seguinte epitáfio:

Morreu em tal quebradeira
Que nem pôde entrar no céu,
Pois só levou cabeleira,
Bigode, banha e chapéu.


---
A Cruz, nº 1870, 11 de janeiro de 1953.

Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...