domingo, 3 de novembro de 2019

Afrânio Peixoto: Monopólio e rebeldia (História do Brasil)



Monopólio e rebeldia

A Companhia Geral de Comércio, de 1649, a Companhia de Comércio do Maranhão, de 1682, teriam privilégios e fariam exações. A experiência antiflamenga dera-nos ousio, uma ideia de autonomia animava os rebeldes: as Companhias de Comércio locupletavam a estrangeiros, pois são Ingleses que as financiam e inglesas as suas frotas. O comércio outrora livre é agora privilégio de estrangeiros. A revolta de Manuel Beckman no Maranhão, em 1684, inspira-se nesses postulados: A duas coisas devemos pôr termo, aos Jesuítas e ao Monopólio. Os Jesuítas foram, de fato, expulsos, sem maiores violências, mas compelidos a embarcar, Vieira à frente, para Portugal, onde chega a notícia da rebelião. Gomes Freire de Andrade (sobrinho de Jacinto Freire de Andrade, o autor da Vida de D. João de Castro), é mandado contra eles e, sem grande esforço, acomoda, julga e só os cabeças, refugiados, têm os bens confiscados, embora depois restituídos às famílias. Ausentando para o Sul, Minas de Paranaguá, o Governador Salvador Correa de Sá, deixando no posto Tomé Correa de Alvarenga, foi este deposto por Jorge Ferreira de Bulhão, Diogo Lobo Pereira e Lucas da Silva, sediciosos que proclamaram chefe a Agostinho Barbalho. Foram presos os cabeças e mandados a Lisboa, falecendo o primeiro no cárcere onde esqueceram o segundo, solto o terceiro por fiança. Barbalho estranho à conjura teve a doação da ilha de Santa Catarina por capitania e o governo de Paranaguá. Também na Bahia, em 1682, houve tumulto e assassínio de um militar, o alcaide-mor Francisco Teles de Menezes, despótico e abusivo, protegido pelo Governador Antônio de Souza Menezes, que desatinou e, ante o Povo amotinado em favor do assassino, acusou a Companhia de Jesus do homicídio, prendeu padres e homens grados, enchendo as prisões de inocentes. Pela frota desse ano foram a El-Rei mais queixas que caixas (de açúcar), foi o desabafo popular que, sempre, no Brasil, consola a pena com o “humour”. Já a cidade ia levantar-se em revolução, quando chegou, por novo Governador, o Marquês das Minas. Ao acabar o Século em 1698 eram 528 os engenhos; 246 em Pernambuco; 146 na Bahia; 136 no Rio de Janeiro (Taunay, Sabsídios etc.).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...