terça-feira, 21 de janeiro de 2020

"Entre as árvores" (Poema), de Saint-Germain

Poema: "Entre as árvores"

Autor: Saint-Germain
Tradutor: Joaquim Serra
Ano: 1868
Revisão ortográfica: Iba Mendes (2020)



ENTRE AS ÁRVORES
(SAINT-GERMAIN)

Há palavras que são mágicas senhas,
Que recordam um passado misterioso,
Quando escuto-as, eu sinto que se exaltam
As lembranças de um tempo mais ditoso!

Há dias que ninguém jamais esquece,
Dias cheios de luz, de aroma e vida,
Que debalde se busca um semelhante,
Quando corre a existência dolorida.

Há lugares por onde eu nunca passo
Sem supor que ali vejo o meu passado,
Onde busco uma imagem, que me foge
Como a sombra impalpável à meu lado!

Há cantares, que sendo modulados
Vão despertar um eco adormecido,
E parece-me ouvir um som longínquo,
Cuja voz lembra um anjo bem querido!

Era uma tarde. Eu fui com ela ao bosque,
Perfumada corria a primavera;
Ai, entre aquela sombra do arvoredo
Outra tarde como essa quem me dera!

As florinhas mais frescas e cheirosas
Não lutavam com ela em mimo e graça,
Se inclinavam à seu lado murmurando
Em voz baixa e contente: ei-la que passa!

Repousemos aqui, disse ela entrando
Em singela casinha, porém franca;
Ofertou-me com a mão pura e nevada
Branco leite e a mão era mais branca!

Tão formosa com o seu chapéu de palha,
Com a loura madeixa solta, à-toa!
E com o talho flexível, dobradiço
Como o débil caniço da lagoa!

Que banquete divino num só prato!
O pão e o leite um néctar parecia!
Tão veloces passaram esses instantes,
Que trememos ao dar de Ave-Maria!

Sereno estava o céu quando saímos
Desse rústico albergue hospitaleiro,
Asilo onde gozamos enlevados
Um prazer inocente e verdadeiro!

Em silêncio voltamos lentamente,
Querendo demorar a despedida;
Ai que tempo veloz! ambos dissemos,
Que passeio! que bosque! que guarida!

Feliz tarde! passaste como um sonho,
Dera a vida por ter-te novamente!
Só sei, desde esse dia, que inda vivo
Porque trago esse dia em minha mente!

Vejo agora meu céu anuviado,
O coração no peito trago morto!
Mas, se memoro a cena do arvoredo,
Ele palpita e eu sinto algum conforto!

Que há palavras que são mágicas senhas,
Que recordam um passado misterioso,
Quando alguém as profere, em sobressalto
Procura a mente à um tempo mais ditoso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...