quinta-feira, 1 de agosto de 2013

"María de Todos los Demonios”

Brevíssimos apontamentos sobre a obra “Do amor e outros demônios”, de Gabriel García Márquez

“Do amor e outros demônio”, como toda obra de Gabriel García Márquez, é o pleno império da sensibilidade e da imaginação. Mas não é só isso. A crítica aos valores que a sociedade convencionou e cristalizou como “padrão” também é outra característica que norteia este e outros romances desse maravilhoso autor colombiano. Sierva María de Todos los Ángeles, a menina “possuída”, muito além de uma figura de ficção, sintetiza o grito daqueles que, no decorrer da história, tornaram-se vítimas da estupidez humana, daqueles que suportaram a brutalidade dos que si diziam defensores das causas divinas, os quais deixaram suas marcas de sangue como mácula eterna para a posteridade.

A origem do livro, segundo o próprio Gabriel García Márquez, nasceu de uma reportagem que fizera em 1949, no antigo convento caribenho de Santa Clara, e tem como pano de fundo “a lenda de uma marquesinha de doze anos cuja cabeleira se arrastava como a cauda de um vestido de noiva, que morreu de raiva causada pela mordida de um cachorro, e que era venerada no Caribe por seus muitos milagres.” A marquesinha de que discorre o autor é Sierva María de Todos los Ángeles, personagem central do romance, filha do marquês de Casalduero.

Sierva Maria de Todos los Ángeles, que cresceu sob o convívio de escravos e orixás, sucumbiu à desgraça após ter sido mordida por um cachorro cinzento com uma estrela na testa. Vítima da superstição popular e religiosa, a menina padeceu os piores tormentos, tornando-se prisioneira num Convento, onde experimentou ao mesmo tempo a dor e o amor.

Entre muitos temas que podem ser extraídos da obra, a problemática da superstição e da crendice popular merece o devido destaque. O mundo de Sierva Maria de Todos los Ángeles, é o mundo dos demônios, dos anjos, das forças sobrenaturais, dos mistérios, dos complôs espirituais e das guerras entre as potestades do bem e do mal. Isso fica bem realçado, por exemplo, nesta passagem, quando o pai busca auxílio da crendice popular para curar sua filha: 
O marquês não se confiou a Deus, mas a tudo o que lhe desse alguma esperança. Na cidade havia outros três médicos formados, seis boticários, onze barbeiros sangradores e um sem-número de curandeiros e mestres em feitiçaria, embora nos últimos cinqüenta anos a Inquisição tivesse condenado mil e trezentos a diferentes penas e queimado sete na fogueira. Um jovem médico de Salamanca abriu a ferida fechada de Sierva María e pôs-lhe umas cataplasmas cáusticas para extrair os humores rançosos. Outro tentou a mesma coisa com sanguessugas nas costas. Um barbeiro sangrador lavou a ferida com a urina dela própria e outro a fez bebê-la. Ao fim de duas semanas ela havia suportado dois banhos de ervas e duas lavagens emolientes por dia, e levaramna à beira da agonia com cozimentos de antimônio natural e outros filtros mortais.
A febre cedeu, mas ninguém ousou proclamar que a raiva estivesse conjurada. Sierva Maria sentia-se morrer. A princípio resistia com o orgulho intacto, mas após duas semanas sem nenhum resultado tinha uma úlcera de fogo no tornozelo, a pele escaldada por sinapismos e vesicatórios, e o estômago em carne viva. Passara por tudo: vertigens, convulsões, espasmos, delírios, solturas de ventre e de bexiga, e se retorcia no chão uivando de dor e de fúria. Até os curandeiros mais afoitos a abandonaram à própria sorte, convencidos de que estava louca ou possuída pelos demônios. O marquês já tinha perdido todas as esperanças, quando apareceu Sagunta com a receita de Santo Huberto.
Foi o final. Sagunta se desfez de seus lençóis e se besuntou com ungüentos de índios para esfregar seu corpo no da menina nua. Esta resistiu de pés e mãos apesar de sua fraqueza extrema, e Sagunta a submeteu à força. Bernarda ouviu de seu quarto a gritaria demente. Correu para ver o que acontecia e encontrou Sierva María esperneando no chão, e Sagunta em cima dela, envolvida na maré de cobre da cabeleira e ululando a oração de Santo Huberto. Chicoteou ambas com as cordas da rede. Primeiro no chão, as duas encolhidas pela surpresa, e depois perseguindo-as pelos cantos até que lhe faltou fôlego”.

O imaginário religioso exerce força preponderante na vida das personagens, ainda mais por se estar no contexto histórico da Inquisição. A figura do demônio, como aquele que vive a atormentar as vidas dos homens que desobedecem a Deus, é essencial no enredo do romance. O comportamento “estranho” da garota não haveria de ser outra coisa senão a atuação direta do príncipe das trevas: 
- Eu queria agüentar minha desgraça em silêncio - disse o marquês.
- Pois muito mal o conseguiste - disse o bispo. - É um segredo público que tua pobre filha rola pelo chão, tomada de convulsões obscenas e ladrando em gíria de idólatras. Não são sintomas inequívocos de uma possessão demoníaca?
O marquês estava espantado.
- Que quer dizer?
- Que entre as numerosas espertezas do demônio é muito freqüente a de assumir a aparência de uma doença imunda para se introduzir num corpo inocente - disse. - E uma vez dentro, não há força humana que o faça sair.

O comportamento de Sierva Maria de Todos los Ángeles, suas febres e delírios, não seria, portanto, outra coisa senão a possessão maligna em seu corpo: 
A abadessa brandiu o crucifixo como uma arma contra Sierva María.
- Vade retro - gritou.
Os criados recuaram, deixando a menina sozinha em seu espaço, com a vista fixa e em guarda.
- Aborto de Satanás - gritou a abadessa. Ficaste invisível para nos confundir.
Não conseguiram que dissesse uma palavra. Uma noviça quis levá-la pela mão, mas a abadessa a impediu, apavorada:
- Não a toques - gritou. E a seguir, para todos: - Que ninguém a toque.
Acabaram por levá-la à força, esperneando e distribuindo no ar dentadas de cachorro, até a última cela do Pavilhão da prisão. No caminho, perceberam que ela estava suja de seus próprios excrementos, e a lavaram a baldes de água no estábulo.

O imaginário religioso povoava as mentes que atribuíam à menina façanhas espetaculares e demoníacas, como a de voar com asas transparentes: 
Daí por diante não aconteceu nada que não fosse atribuído ao malefício de Sierva María. Várias noviças declararam para as atas que ela voava com umas asas transparentes que emitiam um zumbido fantástico. Foram necessários dois dias e um piquete de escravos para encurralar o gado e pastorear as abelhas de volta às colméias, e pôr a casaem ordem. Correram rumores de que os porcos estavam envenenados, de que as águas provocavam visões premonitórias, de que uma das galinhas espantadas saiu voando por cima dos telhados até desaparecer no horizonte do mar. Mas os terrores das clarissas eram contraditórios, pois apesar dos espaventos da abadessa, e do pavor de uma ou outra, a cela de Sierva Mana se transformou no centro da curiosidade de todas. / No convento, ninguém mais pôs em dúvida que Sierva María tivesse poderes suficientes para alterar as leis das migrações. / Sierva María foi esquecida em meio à abrasão da cal viva, aos vapores do alcatrão, ao suplício das marteladas e às blasfêmias tonitruantes das pessoas de todo tipo que invadiram a casa até a clausura. Um andaime caiu com um estrépito colossal, um pedreiro morreu e sete outros operários ficaram feridos. A abadessa atribuiu o desastre aos fados maléficos de Sierva María e aproveitou a nova oportunidade para insistir que a mandassem para outro convento enquanto transcorria o jubileu.

Fazia-se necessário exorcizar o demônio, demolir as potestades das trevas. Para isso, incumbiu-se o Padre Cayetano Delaura de tão ardorosa tarefa: 
Cayetano Delaura foi no dia seguinte ao convento de Santa Clara. No hábito de lã crua que vestia apesar do calor, levava o acéter de água benta e um estojo com os óleos acramentais, primeiras armas na guerra contra o demônio.

Todavia, este mesmo padre, que já havia tido um amistoso diálogo com o descrente Abrenuncio, fica surpreendido quando contempla o semblante místico da Sierva Maria, num ambiente aterrorizante: 
- Mesmo que não estivesse possuída por nenhum demônio - disse -,esta pobre criança tem aqui o ambiente mais propício para ficar possuída.

E o padre, enfim, apaixona-se por Sierva Maria, caindo, em conseqüência disso, no braço espinhoso do Santo Ofício, porém, fora poupado da morte em praça pública, cumprindo sua pena num hospital “onde viveu muitos anos em promiscuidade com os doentes, comendo e dormindo com eles no chão e lavando-se em suas águas usadas, mas não conseguiu, como desejava, contrair lepra”.

Sierva Maria de Todos los Ángeles, por sua vez, desamparada por Deus, pelos homens e pelo homem de sua vida, morreu numa cama com os olhos fulgurantes e pele de recém-nascida: “Os fios de cabelo brotavam-lhe como borbulhas no crânio raspado, e era possível vê-los crescer”.

Outra figura que merece destaque no romance é o ateu Abrenuncio. Embora vivendo os duros tempos da Inquisição, mantinha uma postura permanentemente crítica diante dos temidos dogmas da igreja, colecionando seus “livros proibidos”, que faziam parte do famigerado  Index Librorum Prohibitorum.

- Não há muita diferença em relação - feitiçarias dos negros - disse. - É pior ainda, Porque os negros não vão além de sacrificar galos, ao passo que o Santo Ofício se compraz em esquartejar inocentes no potro ou assá-los vivos num espetáculo público.

É isso!

---
Por: Iba Mendes (fevereiro de 2013)

Nenhum comentário:

Postar um comentário