sexta-feira, 14 de março de 2014

Tudo pelo patrão


Tudo pelo patrão

Assina o ponto...
Passa o cartão...
Carimba o papel...
Despacha a encomenda:
Tudo pelo patrão.

O chicote no lombo...
O sangue escorrendo...
O suor descendo...
O corpo tremendo:
Tudo pelo patrão.

A conta atrasada...
O colesterol alto...
A saúde abalada...
A dor que não passa:
Tudo pelo patrão.

Ameaça velada...
Horas descontadas...
Advertência anunciada...
Justa causa:
Tudo pelo patrão.

Cuspido na cara...
Jogado ao chão...
Chutado na bunda...
Lançado para fora:
Esse é o nosso patrão!


---
Por: Iba Mendes (Março, 2014)

Um comentário:

  1. Adorei esse poema político.
    Servos modernos
    servos que não sabem ser livres e orgulham-se de sua liberdade em escolher o melhor vinho.
    Liberdades de multipla escolha
    não tem discurso
    o subjetivismo limita-se a repetir o arquetipo aceitavel.
    ...
    Declamei seu poema
    me manda seu email para eu te enviar a gravação. se você gostar posso recitarar mais alguns.

    Até Alan Figueiredo

    ResponderExcluir