quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Filosofia de Outro



Filosofia de Outro
E por que vês o argueiro no olho do teu irmão,
e não reparas na trave que está no teu olho? 
Mateus 7:3

Em sua obra “As Paixões da Alma”, o filósofo René Descartes (1596-1650) escreve, e talvez com muita razão, que os mais imperfeitos costumam ser os mais propensos à zombaria. Isto, segundo ele, ocorre pelo fato de que tais pessoas, desejando ver todos as outras tão infelizes quanto a si mesmas, realçam ao máximo as deficiências alheias, o que as fazem se sentirem menos afortunadas. Em outras palavras, para que eu me aceite como o mais bonito, faz-se necessário que encontre um outro mais feio do que eu. É a velha ideia do outro inferiorizado. Para que os alemães se sentissem a raça perfeita foi necessário criar-se uma raça imperfeita. Daí o motivo de Hitler ter apontado os judeus como os párias da sociedade alemã, dizimando-os aos milhares.
Em seu livro “Descubra o Amor”, o cristão Robert H. Shuller conta que, numa determinada ocasião, enquanto lecionava, fixou uma folha de papel no quadro-negro. Em seguida desenhou, no meio desta folha, um minúsculo x e um pequeno círculo com um traço dentro. Em seguida dirigiu-se aos alunos solicitando que se aproximassem do quadro para dizerem o que viam. Um deles afirmou ter visto uma linha; outro, um círculo; alguns, apenas um x. E, quando não mais restava ninguém para opinar, ele arrematou: “Nenhum de vocês disse: vejo uma folha de papel!” Não obstante a folha ser bem maior do que os detalhes rabiscados nela, ninguém foi capaz de pô-la em evidência.
A cena descrita acima é o retrato de nós mesmos quando no trato com o outro em nosso viver cotidiano. Somos instintivamente narcisistas, e por isso nos tornamos insensíveis para com as virtudes daqueles que nos rodeiam. Vemos suas máculas morais; realçamos o que nos parece esteticamente feio; criticamos suas maneiras de agir etc.; todavia, foge-nos a consciência de que somos igualmente imperfeitos e de que os outros também assim nos veem. Temos os sentidos demasiadamente aguçados para as pequeninas imperfeições alheias, enquanto vemos a nós mesmos com os olhos de míopes.
Vem a propósito o romance “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis. Num capítulo intitulado “A Flor da Moita”, há um episódio em que o personagem Brás Cubas se deixa fascinar sobremaneira pela beleza de uma menina por nome Eugênia. A certa altura, ele descobre que, embora de uma feição encantadora, tinha ela um defeito: era coxa. A descoberta fê-lo perder todo o interesse que até então nutria pela pobre moça: “O pior é que era coxa. Uns olhos tão lúcidos, uma boca tão fresca, uma compostura tão senhoril; e coxa! Esse contraste faria suspeitar que a natureza é às vezes um imenso escárnio. Por que bonita, se coxa? por que coxa, se bonita? Tal era a pergunta que eu vinha fazendo a mim mesmo ao voltar para casa, de noite, sem atinar com a solução do enigma.”
Brás Cubas é a nossa metáfora; Eugênia, a representação do “outro” que nos cerca. Eis que aqui desponta um dantesco paradoxo! Somos o Brás mas somos também Eugênia. Rotulamos e somos rotulados; criticamos e somos criticados. O dedo apontado para o outro nunca estará isento de sujeira. O “outro” é o nosso próprio reflexo ignorado; é a sombra que se eleva diante de nós sem seja percebida; é o espelho por trás do espelho; é, enfim, nossa própria realidade tingida com outras cores. Somos diferentes apenas, e não melhores!

É isso!


---
Por: Iba Mendes (Agosto, 2016)

Nenhum comentário:

Postar um comentário