segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Hiptálmica (Conto), de Horacio Quiroga.


Hiptálmica , de Horacio Quiroga.
Publicado originalmente no "Jornal das Moças", em sua edição de 8 de abril de 1926. A pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica é de Iba Mendes (2016)


 
— Que tem essa parede?
Levantei também a vista e olhei. No havia nada. A parede estava lisa, fria e totalmente branca.
Só em cima, perto do teto, estava obscurecida pela ausência de luz.
Outro, por sua vez, ergueu os olhos e os manteve por um momento imóveis e bem abertos, como quando se deseja dizer alguma coisa que não se sabe exprimir.
— Pa... parede?... — perguntou depois.
Era uma indicação estapafúrdia.
Isso sim, torpeza e sonambulismo das ideias, quanto era possível.
— Não é nada respondi — é a mancha hiptálmica.
— Mancha?...
— ...hiptálmica. A mancha hiptálmica.
Este é o meu quarto. Minha mulher dormia naquele lado... Que dor de cabeça!
Bem, estávamos casados já há sete meses e anteontem ela morreu. Não é? É a mancha hiptálmica. Uma noite minha mulher acordou sobressaltada.
— Que tens? — perguntei-lhe inquieto.
— Que sonho mais esquisito! — respondeu-me ainda angustiada.
— Que era?
— Não sei... Sei que era um drama, um assunto dramático... uma coisa obscura e profunda... Horrível!
— Procura lembrar-te por Deus! — instei com ela, vivamente interessado.
Os senhores me conhecem como homem de teatro...
Minha mulher fez um esforço.
 — Não posso... Não me lembro de mais nada, a não ser do título: A mancha tele... hita... hiptálmica! E tinha o rosto amarrado com lenço branco.
—Que?!
— Um lenço branco no rosto. A mancha hyptálmica.
— Esquisito! — murmurei sem deter-me um segundo mais a pensar naquilo.
Mas dias depois, minha mulher saiu do quarto com o rosto sombrio. Apenas a vi, recordei-me imediatamente e percebi em seus olhos que ela também se recordara.
Ambos soltamos gargalhadas.
— Ah! Ah! — ria se ela. — Logo que coloquei o lenço, recordei-me...
— Um duende?
— Não sei, creio que sim...
Durante o dia, gracejamos ainda com aquilo e à noite, enquanto minha mulher se despia, gritei-lhe de repente da sala de jantar:
— Olha aí!
— Sim, a mancha hiptálmica — respondeu-me rindo. Por minha vez, pus me a rir e, durante quinze dias, vivemos em plena loucura de amor.
Depois desse lapso de atordoamento, sobreveio um período de morosa inquietação, o surdo e mútuo receio de um desgosto que não chegava e que se afogou, por fim, em explosões de radiante e furioso amor.
Uma tarde, três ou quatro horas depois de almoçar, minha mulher não me encontrando, entrou em seu quarto e ficou surpresa ao ver os postigos fechados. Viu-me na cama estendido como um morto.
— Frederico? — gritou correndo para mim.
Não respondi uma palavra nem me movi. E era ela, minha mulher, entendem?
— Deixa-me! — desvencilhei-me com raiva, virando me para a parede.
Por um instante não ouvi nada.
Depois, sim: os soluços de minha mulher sob o lenço, mergulhado até o meio da boca.
Nessa noite jantamos em silêncio. Não trocamos uma palavra, até que, às dez, minha mulher me surpreendeu de cuecas, diante do guarda-roupa, dobrando com extremo cuidado, prega por prega, um lenço branco.
— Mas desgraçado! — exclamou desesperada, erguendo-me a cabeça. — Que fazes?
Era ela minha mulher! Devolvi-lhe o abraço em plena boca.
— Que fazia? — perguntei-lhe. — Procurava uma explicação justa para o que nos está acontecendo.
— Frederico... meu amor — murmurou ela.
E a torrente de loucura envolveu-nos novamente.
Da sala de jantar, ouvi que ela, aqui mesmo, se despia. Com amor, perguntei:
— Aconteceu alguma coisa?...
— Hiptálmica! Hiptálmica! — respondeu rindo desnudando-se a toda pressa.
Quando entrei, surpreendeu-me o silêncio considerável deste quarto. Aproximei-me sem fazer ruído e olhei. Minha mulher estava deitada, a face intumescida e branca.
Tinha o rosto envolto num lenço.
Debrucei-me na beirada da cama e enclavinhei as mãos atrás da nuca.
Não havia aqui qualquer ruído de roupa e nenhum estremecimento longínquo. Nada. A chama da vela acendia como que aspirada pelo imenso silêncio.
Passaram-se horas e horas. As paredes brancas e frias obscureciam-se até o teto...
Que era isso? não sei...
E ergui de novo os olhos. Os outros fizeram o mesmo e os mantiveram por dois ou três segundos. Por fim, senti-os pesadamente fixos em mim.
— O senhor nunca esteve em um manicômio? — perguntaram-me.
— Não, que eu saiba... respondi.
— E em presídio?
— Também não, até agora...
— Pois tenha cuidado, porque vai acabar em um ou em outro.
— É possível... É perfeitamente possível — retruquei procurando dominar minha confusão de ideias.
Saíram.
Estou certo de que me foram denunciar e acabo de estender-me sobre um divã.
Como a dor de cabeça continuasse, amarrei o rosto com um lenço branco

Nenhum comentário:

Postar um comentário