sexta-feira, 29 de setembro de 2017

As três penas (Conto), dos Irmãos Grimm


As três penas

Coligidos por: Henrique Marques Júnior. Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Era uma vez um rei que tinha três filhos; os dois mais velhos eram alegres e palradores, e o mais moço de poucas falas e muito acanhado, razão por que o tinham na conta de simples.

Quando o monarca chegou a velho, quis fazer testamento; mas viu-se bastante embaraçado por não saber a qual dos três filhos legar a coroa. Certo dia, porém, chamou-os e disse-lhes:

— Ponham-se a caminho, e aquele que trouxer o tapete mais finamente tecido é que ficará sendo rei por minha morte.

Dizendo isto, para evitar qualquer má vontade dos irmãos, andou alguns passos além do palácio e, fazendo voar três penas, indicou-lhes:

— Cada um de vocês deve encaminhar-se na direção que estas penas levarem.

A primeira pena voou para o oriente, a segunda para o ocidente e a última volitou uns segundos e foi cair a alguns passos de distância.

Por, isso, o mais velho tomou o caminho da direita, o do meio voltou à esquerda e o mais novinho — troçado pelos mais velhos — encaminhou-se para o sítio onde caíra a terceira pena.

O pobre moço, apoquentado e triste, deitou-se no relvado. De repente notou uma porta subterrânea no lugar em que a pena caíra. Abriu-a e reparou numa escada, que se aventurou a descer. Uma vez em baixo, deu de rosto com outra porta, em que bateu. Então ouviu uma voz que — em frase cabalística — a mandou abrir.

Quando a porta girou nos gonzos viu-se um enorme sapo, de envolta com uma porção de sapinhos. O sapão perguntou ao rapazito o que é que desejava, ao que o interpelado retorquiu:

— Não seria fácil arranjar-se um tapete bonito e finamente tecido?

Palavras não eram ditas e já o sapão gritava a um dos sapinhos, que, num pulo, lhe trouxesse um cofre.

O sapinho assim fez; o sapão abriu-o e tirou de dentro um tapete tão ricamente tecido como nunca no mundo se havia visto igual, com o que presenteou o rapazinho, que agradeceu muito e se pôs em marcha.

Ora, os dois irmãos refletiram de si para si que o irmão era tão palerma, que se escusavam de cansar muito para toparem com um tapete decerto superior ao que ele conseguisse.

Assim deitaram a mão ao primeiro pano de lã grosseira que uma guardadora de porcos trazia, e vieram entregá-lo ao rei. Pouco depois, apareceu o irmão mais novo com o magnífico tapete.

O régio personagem, no auge da surpresa, exclamou:

— O reino pertence ao mais moço!

Os irmãos é que não estiveram pelo ajuste e observaram ao velho pai, que tal resolução era impraticável, pois o irmão não passava de um pateta; tais rodeios arranjaram, tais razões, que o monarca, já fatigado de tanta loquela, não teve remédio senão tentar segunda experiência.

— Será rei por minha morte aquele que me trouxer o mais valioso anel.

Conduziu novamente os três filhos a alguns passos distantes, do palácio e fez voar três penas, cuja direção deviam tomar. Como da primeira vez, os dois mais velhos partiram para o oriente e ocidente; quanto à pena do mais moço volitou também por segundos e foi cair dali a poucos passos.

Ao contrário da vez passada, o rapaz não entristeceu, mas apressou-se a descer a escada pela porta subterrânea, em direção à casa do sapão que, de chofre, lhe perguntou o que queria, respondendo em seguida:

— Não será fácil arranjar-se um bonito e valioso anel?

O disforme batráquio mandou buscar o cofre e tirou-lhe de dentro um anel riquíssimo, e tão artisticamente cinzelado, que ourives algum do mundo seria capaz de apresentar outro do mesmo gosto.

Ora os dois irmãos, rindo-se ao pensar que o simples mocinho havia de conseguir um anel precioso, não se deram a grandes trabalhos, certos de que se sairiam melhor do encargo do que aquele, e assim arrancaram a primeira argola que viram presa numa parede e que servia para segurar os animais, e foram ter ao palácio dá-la ao rei. O velho monarca nem sequer teve que comparar, exclamou:

— É ao terceiro que faço rei!

Entretanto, os dois mais velhos convenceram tão bem o velho rei da nulidade do irmão que o monarca consentiu em fazer terceira tentativa, a última. Decidiu-se que herdava o trono o que trouxesse a mulher mais formosa. Como das vezes passadas, as três penas foram deitadas ao ar e tomaram as mesmas direções.

O moço-simples desceu pela terceira vez a casa do sapão.

— Não seria desejar muito, pedir uma formosa mulher?

— Caspité! — exclamou o grande batráquio. — Uma formosa mulher?! E por que não hás de tê-la?!

Ditas que foram estas palavras, o sapão deu-lhe uma beterraba oca puxada a seis ratos brancos.

Ao ver tão curiosa carruagem, o pobre rapaz perguntou com certa tristeza:

— Que faço a isto?

— Agarra um de meus filhos — respondeu o sapo — e mete-o dentro desse carro.

A esta indicação, pegou ao acaso num dos sapinhos e meteu-o na beterraba; mal aí foi colocado, o bicharoco ficou transformado numa menina de formosura maravilhosa, a beterraba numa luxuosa equipagem e os seis ratos em três parelhas de cavalos brancos de neve. Em seguida, o mocinho subiu para a boleia, abraçou a moça e depressa seguiu para o palácio. Os dois irmãos mais velhos chegaram daí a pouco, mas faziam tão mau juízo da escolha que o mais moço faria, que ficaram satisfeitos com a primeira campônia que lhes apareceu e que levaram a palácio. Desta vez ainda — o que não é para assombros — o monarca disse:

— É ao mais moço de meus filhos que pertencem as rédeas do governo após minha morte!
O que é certo é que pela terceira vez ainda os dois irmãos tentaram murmurar contra a resolução do pai e pediram para que — em última experiência — fosse proclamado rei aquele cuja mulher saltasse pelo meio de uma argola suspensa a meio da sala. E propondo isto acrescentaram:

— As camponesas facilmente saltarão, são bastante fortes para estes exercícios; quanto a essa arveloa, fraca e delicada, cai e parte a cabeça.

Muito instado, o rei cedeu a esse capricho que começou.

As duas camponesas foram as primeiras a saltar, mas, pesadas e gordas como eram, caíram, partindo braços e pernas. Ao contrário, a moça trazida pelo mais novo formou salto tão elegante, que atravessou graciosa e rapidamente a argola e caiu em pé.

Ante esta última experiência ficou decididamente reconhecido como herdeiro ao trono.
Efetivamente, assim que o velho monarca fechou os olhos, foi aclamado rei e ainda agora se fala da sabedoria com que nesse país governou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário