quinta-feira, 28 de setembro de 2017

O retrato de D. Tubância (Conto), de Medeiros e Albuquerque


O retrato de D. Tubância

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Para entrar no atelier do pintor Leonardo Gomes, bastava apenas torcer o trinco e penetrar suavissimamente. Era o que ele, era o que todos os demais faziam. Mas o seu amigo e colega Lourenço não entendia as coisas assim. Quando tinha de penetrar no atelier do colega, assumia proporções explosivas e rebentativas: Puf! Puf! — e caía lá dentro. Foi o que sucedeu nesse dia. Mas, precisamente nesse dia ele se sentiu um pouco envergonhado porque havia duas senhoras que ficaram assombradas com aquele bólide.

Leonardo expôs-lhes o caso:

— Meu amigo Lourenço não é um homem: é um aerolito.

E a ele, Leonardo apresentou as duas visitantes: as senhoras Tubância e Cármen Seabra, das quais a última ali estava para fazer retratar-se.

Passados alguns minutos, resolveram que não se perderia a manhã. A sessão de pose era de três quartos de hora. Leonardo pós à vontade as suas duas visitantes.

— E agora, meu caro amigo, disse falando a Lourenço, você tem duas hipóteses entre as quais escolher: fica aí rabiscando qualquer coisa ou faz como a palmeira célebre de José de Alencar e desaparece no horizonte.

Lourenço protestou: "Eu sou um tipo no gênero de Pedro I: "Fico" Ou, para servir a coisa à francesa, como Mac Mahon: "J’y suis, j’y reste"

Leonardo perguntou-lhe se queria um pedaço de tela e uma palheta. Ele concordou. Cada um dispôs-se à vontade, silenciosamente.

Era manifesto que Leonardo estava desenhando o retrato de Cármen. De longe, perguntou ao amigo: "Que é o que você vai fazer?"

Lourenço lhe replicou rindo: "— Não é da sua conta" Leonardo voltou à carga:

— Seria uma boa ideia se você fizesse o seu autorretrato. Há ali um excelente espelho. Mas Lourenço objetou:

— Isso, não; não quero. Figure a atrapalhação de estar recebendo diariamente telegramas de todos os museus do mundo, pedindo esse retrato.

— O caso não seria esse, replicou Leonardo. Os telegramas que você receberia de toda a parte viriam de proprietários de circos de cavalinhos, exibidores de bichos raros. Passariam o tempo a solicitar-lhe desse com o seu retrato preferência para os seus cartazes.

Durante esse tempo, as duas visitantes divertiam-se. Era positivo que o trabalho dos dois pintores, fosse qual fosse, progredia. O de Cármen estava mesmo bastante adiantado. O outro, que podia ele ser? Leonardo estava morto de curiosidade. Mas, Lourenço, que percebia isso, muito de propósito, sempre que levantava os olhos da tela percorria-os circularmente pelo aposento, exatamente para que o amigo não visse para onde ele estava olhando. Afinal, Leonardo não pôde mais conter-se Levantou-se de repente, disse: Pronto! e olhou para a tela que o amigo estava pintando: era o retrato de D. Tubância!

Lourenço fingindo um grande desapontamento gritou:

— Homem indiscreto, tu não sabes calar-te?

Mas os mais altos brados irrompiam de Cármen e de D. Tubância. Esta, em gritos estáticos de admiração, com a fisionomia transformada de prazer, dizia continuamente: "Ai o meu retrato! o meu retrato!"

Cármen também não fazia uma despesa intelectual mais forte, porque se limitava a exclamar: "O retrato de titia!"

A cena, porém, ia mudando rapidamente, porque se as exclamações de D. Tubância eram sempre radiantes, vibrantes de contentamento, sentia-se, todavia, no volver dos olhos de uma para outra tela que Cármen comparava as duas e parecia ir ficando cada vez mais furiosa.

— Isto foi — disse Lourenço — um gracejo, um passatempo estético de momento, que ninguém me encomendou e eu vou já destruir.

Mas D. Tubância gritou:

— Ninguém o tinha encomendado, más encomendo eu agora. Peço-lhe que complete o trabalho: pousarei o tempo necessário.

Lourenço voltou-se para o amigo e agora, já encorajado pela encomenda que recebera, pois D. Tubância formalmente lhe dissera não admitir a destruição do quadro e expressamente lhe fazia encomenda dele:

— Eu fiquei, disse Lourenço, na contingência de passar uma hora estupidamente sem fazer absolutamente nada, tendo, entretanto, junto de mim um modelo admiravelmente fotogênico.

Quando e]e disse isto, Leonardo arregalou os olhos de um modo tão cômico, que se D. Tubância houvesse visto aquele gesto deveria considerar-se insultada. A própria Cármen, a despeito de toda a possível estima pela tia, não pôde conter um ar de assombro.

As duas se estimavam muito. Eram duas ricaças, que estavam envelhecendo pacificamente, lado a lado. Mas afinal há verdades tão verdadeiras que ninguém as pôde negar D. Tubância e Cármen saíam sempre juntas. Faziam nisso muito mal porque o contraste entre as duas lhes dava um aspecto cômico.

D. Tubância era grande, gorda, enorme. Cármen, ao contrário, era fininha, sequinha, magrinha. Entre os vários apelidos que lhes tinham dado, figurava o de as chamarem a Baleia e a Sardinha, e não havia nisso fora de propósito. Mas sardinha e baleia até aí se haviam entendido maravilhosamente bem. É mesmo de notar que tomavam muitas vezes a iniciativa de pilheriar com os cognomes burlescos que lhes davam.

Nesse dia, porém, alguma coisa se quebrou, quando Cármen viu o seu retrato, minguadinho, chochinho, perfeitamente verídico, mas por isso mesmo absolutamente ridículo e, ao lado dele, o de D. Tubância grande, gorda, exuberante mas incontestavelmente bonito. É positivo que uma onda de inveja assoberbou Cármen.

Lourenço muitas vezes dissera falando de D. Tubância:

— É uma mulher em fôrma de catarata.

Uma vez quando o amigo lhe pedira a explicação de tal expressão começou:

— Você dispa-a.

Leonardo gritou veementemente:

— Jamais! não caio nessa!

— Não se assuste: é uma despidela puramente teórica. E insistiu:

— Ponha-a em imaginação nuazinha da cabeça aos pés.

— Que é o que você vê?

— Não vejo nada porque virei a cara.

— O que você vê é uma catarata de banhas: três folhos de papada, rolando uns por cima dos outros. Os seios despencando em cima da barriga, a barriga despencando em cima das pernas. É positivamente o Niágara, o Paulo Afonso de toicinho.

Ora, de repente, o mesmo homem que dissera isto descobria que D. Tubância era fotogênica e fazia-lhe um retrato admirável. Papada, havia uma é certo, mas discreta, decente, estética. Seios? lá estava o par, mas era um parzinho arrulhador e gracioso. Não se podia querer transformação mais completa.

Cármen, sardinha era, — e sardinha ficava.

Mas D. Tubância passava de elefante a borboleta. Nem mais nem menos.

Acabada a sessão, no automóvel particular que as esperava, a discussão foi de outra natureza.

— Você acha que eu pareço uma sardinha, disse Cármen, entretanto quer me fazer engolir um boi. Pois então, há alguém que possa admitir ter aquele pintor improvisado em algumas pinceladas tão esplêndido retrato como estava o seu?

A grande diferença entre Lourenço e o amigo era o ser aquele escrupulosamente honesto. Não escondia uma espinha, um arranhão, um defeito qualquer. Se estava no original, ele o punha no quadro. Era implacável como uma fotografia.

— Pois eu, dizia Leonardo, sirvo cada uma como ela quer: faço de louras morenas, de altas baixas, de gordas magras. Não há instituto de beleza que me vença.

— Mas, Cármen. — ia começando, no automóvel, a dizer D. Tubância.

Cármen cortou a discussão:

— O mais simples é pararmos aqui esta conversa.

E pararam, de fato. No dia seguinte cada uma veio em automóvel distinto. Cármen ficara absolutamente convencida que a tia pousara em outras horas. Chegaram, cumprimentaram-se friamente como duas desconhecidas e continuaram pelo resto da semana as sessões que faltavam.

Entre os rapazes a situação fora diversa. Um objetara ao outro:

— Mas que ideia diabólica teve você de pintar aquela mulher!

— A ideia nada teve de diabólica. Vendo-a, acudiu-me a inspiração de fundar uma nova escola de retratos: os retratos negativos. Tomar um modelo qualquer, deixar de desenhar o que nele há e desenhar tudo que nele não ha. Foi com essa alta inspiração que eu me atirei a desenhar D. Tubância, dando-lhe todas as qualidades que lhe faltavam e suprimindo-lhe todos os defeitos de que é abundante.

Leonardo meditou um pouco e concluiu:

— O resultado foi brilhante: fez você que eu perdesse uma esplêndida cliente.

— É um perfeito engano. Você vai ver o resultado.

E o resultado foi realmente magnífico. É verdade que tia e sobrinha ficaram definitivamente desavindas; mas, em compensação, o retrato de D. Tubância, posto em lugar preeminente no seu salão muito visitado, passou a ser o mais admirável reclame para todas as mulheres gordas que o frequentavam e desejariam retratar-se, nem sempre, porém, ousando fazê-lo. Quando, porém, descobriram um artista capaz de fazer transformações zoológicas que nenhum Darwin ousaria, passando pesados paquidermes a levíssimos insetos, o atelier dos dois artistas, que trabalhavam agora em comum, não se esvaziava.

Nenhum comentário:

Postar um comentário