sábado, 16 de dezembro de 2017

O Careca (Conto), de Sílvio Romero


O Careca
(Contos populares do Brasil – Pernambuco)

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Uma vez havia um homem casado que tinha uma enorme quantidade de filhos e cada vez a mulher paria mais. O homem, para sustentar tão grande família, fez-se pescador.

Morava perto dum rio, pescava ali e ia sustentando a filharada. Uma vez, estando a mulher grávida e já no nono mês, o pescador foi ao rio pescar e meteu a tarrafa e nada. Meteu para outro lado, e nada, nem uma piabinha. O pescador já ia saindo muito triste quando ouviu uma voz, que dizia do fundo da água: “Se me deres o que de novo encontrares em casa, eu te darei muito peixe.” O homem pensou lá consigo — o que pode haver de novo é um cachorrinho, porque eu tenho em casa uma cadela para parir — e não se lembrou da mulher. Então o pescador disse que sim, que aceitava o negócio. “Pois então pesca pra ali.” O pescador meteu a tarrafa e tirou peixe como o diabo. Chegando em casa, um filho foi-lhe logo dizendo: “Papai, minha mãe pariu.” O homem entrou no quarto e viu seu filhinho. Era um menino. Disse à mulher que na beira do rio tinha uma cabocla que havia dado à luz e a criança tinha morrido e que por isso ele levava aquele filho para a cabocla criar. A mulher custou a consentir, mas por fim cedeu. O pescador levou a criança e chegando ao rio atirou-a n”água no lugar donde tinha saído a voz. O menino lá no fundo d’água foi dar num palácio muito rico; aí foi criado até rapazinho mas nunca via ninguém.

Uma vez lhe apareceu um homem e disse-lhe: “Eu sou teu pai; tenho de fazer uma viagem de quinze dias; fica aqui com estas chaves (e deu-lhe um maço de chaves), mas não abras porta nenhuma, senão, quando eu voltar, morres.” O rapaz ficou e cumpriu fielmente a recomendação. No fim de quinze dias chegou o pai e lhe disse: “Então, está tudo direito?” O rapaz disse que sim. Passaram-se mais quinze dias; no fim deles o homem disse: “Vou fazer nova viagem de mais quinze dias, fica aí com as chaves e não me bulas em nada.” O rapaz ficou, mas desta vez não se pôde conter; pegou numa chave e abriu um quarto; dentro havia três enormes caldeiras, uma fervendo ouro, outra fervendo prata e outra fervendo cobre. Ele meteu o dedo na de ouro e saiu com o dedo dourado. Limpava, limpava, e nada de sair o ouro.

Rasgou uma tirinha de pano e amarrou no dedo. Abriu outro quarto e viu três cavalos muito gordos, um preto, um branco e um castanho; os cavalos em lugar de capim tinham carne para comer. Abriu outro quarto e encontrou um leão muito grande e gordo, que em lugar de carne tinha capim para comer. Abriu outro quarto e viu uma mesa muito grande cheia de gavetas; numa tinha uma porção de papeizinhos brancos dobrados, noutra uma porção de papeizinhos azuis dobrados, noutra uma porção de armas: espingardas, espadas etc. O rapaz não quis bulir em nada e tornou a fechar tudo. No fim de quinze dias chegou o pai: “Então? Está tudo direitinho?” — “Tudo, não buli em nada.” De tudo quanto o rapaz tinha visto, o que lhe dava mais com o pau na paciência era a carne para os cavalos comerem e o capim para o leão. Ele fez o plano de trocar. No fim de quinze dias, o pai tornou a fazer viagem. O rapaz, logo que se viu sozinho, foi ao quarto dos cavalos e abriu, foi pegando na carne para tirar, e um cavalo disse: “Não faça isto, não bula em nada, senão morre, seu pai lhe mata. Agora, se quiser sair daqui vá ao quarto onde tem a mesa, tire dois papéis, um azul e outro branco, tire boa roupa e se vista, tire boas armas e se arme, monte-se em um de nós, vá puxando outro, e quando seu pai chegar há de segui-lo; quando estiver pega não pega, largue um dos papéis; depois largue o outro e deixe o resto por minha conta.” O rapaz fez tudo tintim por tintim.

O cavalo lhe recomendou também que ele metesse a cabeça na caldeira de ouro e dourasse os cabelos. O rapaz dourou os cabelos, aprontou-se, armou-se, pegou dois papéis e meteu no bolso; montou no cavalo castanho e foi puxando o branco; para mais incomodar o pai tirou o capim do leão e deu ao cavalo preto, que ficou e pegou na carne e deu ao leão.

Seguiu viagem a toda a pressa. No fim de quinze dias, o homem chegando ao palácio e vendo tudo desarranjado ficou danado; montou no cavalo preto e seguiu atrás do rapaz.

Depois de muito andar, avistou-o; aí o cavalo em que ia o moço lhe disse que largasse o papelzinho branco; o moço largou e gerou-se uma neblina tão espessa que não se via nada; mas o cavalo preto era muito bom e conseguiu romper a neblina depois de muito custo; mas já o rapaz ia longe. Depois de muito andar, o pai já o ia avistando, quando ele soltou o outro papel e gerou-se um espinhal tão cerrado que ninguém podia atravessar. O homem disse ao cavalo preto: “Eu te desencanto, se me passares esta mata de espinhos.” O cavalo respondeu: “Tire-me os arreios e vá montado em osso, que eu passarei.” O homem tirou os arreios e montou em osso. Quando o cavalo se viu no meio do espinhal atirou-o no chão e lá deixou-o e seguiu para diante. O homem lá morreu e o cavalo encontrou-se com os outros, e seguiram todos três. O rapaz já tinha cansado o cavalo castanho e montou-se no branco. Foram seguindo; depois de muito andar, chegaram perto de uma cidade; aí os cavalos disseram: “Agora nós ficamos aqui encantados nesta pedra e o senhor deixe também aqui suas armas e roupas; siga para a cidade; ali adiante encontrará um boi morto, abra, tire a bexiga, sopre e bote na cabeça para esconder os cabelos dourados. Vá e siga a sua vida; quando precisar de alguma cousa venha aqui na pedra e nos peça. O rapaz seguiu, encontrou o boi morto, abriu, tirou a bexiga, botou na cabeça e entrou na cidade.

Adiante encontrou um palácio, bateu na porta e apareceu-lhe o velho jardineiro e perguntou-lhe o que queria. O rapaz respondeu que queria um emprego para ganhar a sua vida. Jardineiro teve pena dele e o empregou como seu ajudante. Era isto na casa do rei. O jardineiro perguntou ao rapaz por seu nome. Ele respondeu que não tinha nome. “Pois fica-se chamando o Careca.” Passaram-se muitos tempos e o Careca ia vivendo em paz.

Uma vez pôs-se debaixo de umas laranjeiras e tirou a bexiga da cabeça para ver os seus cabelos, e a filha mais moça do rei, que estava na janela, viu os cabelos dourados e ficou apaixonada pelo Careca. O jardineiro tinha o costume de levar todas as manhãs um ramalhete para cada uma das filhas do rei, que eram três. No dia seguinte, ele foi levar os ramalhetes e a princesa mais moça lhe disse: “De amanhã em diante quero que o Careca traga o meu ramalhete.” O rei e as irmãs da princesa caçoaram muito; mas a moça insistiu e o Careca todos os dias lhe ia levar o ramalhete. Passaram-se tempos e houve aí no reino umas grandes cavalhadas. O Careca, sabendo delas, e indo todos e ele não, disse ao jardineiro que queria ir à casa do ferreiro para mandar fazer uma faquinha.

O jardineiro consentiu. Depois que todos saíram, o Careca também saiu e foi ter à pedra e contou aos cavalos o que havia. Saiu o cavalo castanho todo arreado, o moço aprontou-se, tomou uma lança, soltou os cabelos e apresentou-se nas cavalhadas. Fez a corrida, tirou a argolinha e ofereceu à filha mais moça do rei; ela lhe deu uma fita verde que ele amarrou na lança. Todos ficaram admirados daquele lindíssimo moço; mas não sabiam quem era ele.

O rapaz saiu a toda a pressa e ninguém mais o viu. Quando o rei e as princesas chegaram em casa, já lá se achava o Careca na sua roupa do costume. O jardineiro contou-lhe então tudo, falou na boniteza das cavalhadas e no moço de cabelo dourado que tinha aparecido e que ninguém sabia quem era; mas que, se no dia seguinte ele voltasse, seria preso, porque o rei ia mandar colocar tropa para o prender, quando ele quisesse desaparecer.

No dia seguinte pela manhã foi o Careca levar suas flores à princesa caçula e ela estava doentia de paixão, tendo umas desconfianças de que ele fosse o mesmo moço que apareceu nas cavalhadas. À tarde houve novas cavalhadas e o Careca disse ao jardineiro que ia de novo ver a faquinha, porque o ferreiro não tinha ainda lhe dado, distraído com as festas. Largou-se para a pedra e fez aparecer o cavalo branco e arreios ainda mais ricos do que os primeiros; soltou a cabeleira, aprontou-se e partiu para as cavalhadas.

Havia mais povo ainda do que nas primeiras e lá estava a tropa para prendê-lo quando ele quisesse voltar. Ainda mais espantados ficaram do que na primeira vez. Quando deu-se o sinal para a corrida o moço partiu, tirou a argolinha e deu à princesa mais moça; ela lhe deu uma fita encarnada, que ele amarrou na lança, e partiu a galope. A tropa cercou-o, mas ele saltou por cima e foi-se. Quando todos chegaram a palácio, já o Careca lá estava na forma do costume. A princesa mais moça começava a definhar; no dia seguinte tornou a pilhar o Careca debaixo de um caramanchão mirando os próprios cabelos, que eram dourados e compridos; ficou a princesa mais alegre e teve certeza de que aquele era o mesmo moço das cavalhadas. Na tarde deste dia houve outra cavalhada, que era a terceira e última. Todos foram e o Careca tornou a sair desculpando-se com a faquinha. Foi à pedra e fez aparecer o cavalo preto, e arreios lindíssimos.

Partiu, e, chegando ao ponto das cavalhadas, encontrou muito reforço de tropas para o prender. Não teve medo. Na hora da corrida avançou, tirou a argolinha e ofereceu à princesa da sua escolha e partiu a galope, fecharam quadrado para o prender, mas o cavalo voou por cima e perdeu-se na corrida, que ninguém mais o viu. Quando o rei chegou a palácio já estava lá o Careca muito a seu gosto.

Nunca ninguém desconfiou que o Careca era o moço rico das corridas, senão a princesa mais moça. Ora, aí nesse reino costumava de tempos a tempos aparecer uma fera que tudo devastava, comia muita gente e ninguém podia dar cabo dela. O rei tinha dito que quem matasse a fera havia de casar com a princesa mais velha. Ninguém se atrevia. O Careca, sabendo disto, foi ter à pedra e contou aos cavalos. Saiu o cavalo preto e disse-lhe que se montasse nele, amarrasse-lhe no peito um grande espelho e avançasse contra a fera; porque esta, vendo o seu retrato no espelho, havia de supor que era outra fera, ficaria atrapalhada e o moço a poderia então matar. Assim fez o rapaz; matou a fera, e cortou-lhe as sete pontas das sete línguas. Ninguém viu isto.

No dia seguinte apareceu a fera morta e botou-se editais para ver quem a tinha morto. Ninguém apareceu: então o rei julgou-se dispensado quanto à sua filha mais velha, e decidiu-se a casar todas três quanto antes e no mesmo dia.

Mandou procurar príncipes, mas a caçula declarou que só se casaria com o Careca. O rei ficou muito desgostoso, mas não teve outro remédio. O rei ordenou que queria dar um banquete no dia do casamento todo de pássaros caçados pelos futuros genros. Todos os três saíram a caçar, cada um para o seu lado. Nenhum matou nada a não ser o Careca, que foi ter à pedra e os cavalos lhe deram aves a valer. Um dos noivos o encontrou, e sem o conhecer pediu para que lhas vendesse. O Careca consentiu, com a condição de lhe passar ele uma declaração em como lhas havia comprado. O príncipe aceitou e passou a declaração. O Careca guardou. Afinal chegou o dia do casamento. Todos se apresentaram muito bem prontos e o Careca humildemente vestido.

No jantar houve muita alegria, mas o Careca lá para um canto. No fim de tudo o rei disse que antes de todos se despedirem, queria que cada um dos genros contasse uma história. O marido da princesa mais velha levantou-se e disse: “O que tenho a contar é que quem matou aquele bicho, que a todos fazia medo, fui eu, e não disse há mais tempo porque queria me casar com a princesa por escolha natural e não porque tivesse a promessa do casamento por matar a fera.” E mostrou os cotocos das línguas. Levantou-se o marido da segunda princesa e disse: “Eu o que tenho a dizer é que quem caçou todos estes pássaros para esta festa fui eu.”

Então, levantou-se o Careca e disse: “Minha história é que os dois genros do rei mentiram; quem matou a fera fui eu, e aqui está a prova: estas é que são as pontas das línguas e aqueles são os cotocos das línguas. Quem fez a caçada fui eu, e a prova é esta declaração que aqui tenho e que podem ler. Além disso o moço que embasbacou a todos nas corridas fui eu, e a prova são as fitas que tenho aqui.” Aí ele tirou a bexiga da cabeça e todos o reconheceram. Ficaram os dois príncipes muito envergonhados, e a princesa mais moça quase doida de contentamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...