sábado, 16 de dezembro de 2017

A mulher e a filha bonita (Conto), de Sílvio Romero


A mulher e a filha bonita
(Contos populares do Brasil – Rio de Janeiro)

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Uma vez havia uma mulher viúva que tinha uma filha muito bonita, e a mulher também era muito bela e tinha inveja da filha.

Um dia, passando em casa dela uns viandantes, a mulher lhes disse: “Os senhores já viram uma cara mais formosa do que a minha?” Eles responderam: “É muito bela; mas a sua filha ainda é mais.” A mulher ficou desesperada e foi tomando ódio à filha. Doutra vez passaram por lá outros caminheiros e ela lhes fez a mesma pergunta, e teve a mesma resposta. Ficou ainda mais desesperada e mandou trancar a mocinha num quarto para não ser vista por ninguém. A menina sofria tudo com muita paciência e nada dizia.

No quarto em que ela estava tinha uma janelinha que dava para o caminho, e uma vez que ela se animou a abri-la vinham passando uns viageiros e a viram.

Eles chegaram à casa e a mãe da mocinha lhes disse: “Os senhores já viram uma cara tão bonita como a minha?” Eles responderam: “É bonita; mas a da moça, que está presa no quarto, ainda é mais.” A mulher ficou desesperada e ordenou a um negro velho da casa que levasse a filha para os matos e lá a matasse. O negro levou a rapariga; mas chegando nas brenhas teve pena de a matar, e deixou-a ficar e cortou a ponta da língua de uma cachorrinha e levou à senhora, dizendo que tinha matado a moça. A mulher acreditou. A mocinha pôs-se a andar por aquela mata afora e já sendo tarde trepou numa grande árvore, e muito ao longe avistou uma fumacinha. Desceu e dirigiu-se para aquela direção. Depois de muito andar, lá chegou.

Era um grande palácio; porém não tinha gente e estava muito sujo. A moça arrumou tudo, varreu toda a casa, limpou os trastes e pôs-se lá à espera. Este palácio era do Rei dos Ladrões. Quando foi mais tarde a moça viu ele chegar com a sua grande tropa, teve muito medo e se escondeu. Os ladrões ficaram muito gratos e procurando toda a casa a encontraram. A moça encantou a todos os ladrões pela sua beleza, e já eles queriam brigar para ver quem a tinha de possuir e sem chegar a um acordo. Então o Rei dos Ladrões propôs que a moça ficasse em casa morando com eles; mas que todos a tratassem e venerassem como se fosse uma irmã. Assim fizeram, e a mocinha ficou ali descansada. Correram os tempos e chegou aos ouvidos da mãe que a filha estava viva e muito bem, porque estava muito rica. A mãe mandou chamar uma feiticeira e lhe pediu que procurasse a sua filha e lhe desse fim. A feiticeira aceitou a proposta e largou-se para a casa dos ladrões.

Lá chegando à hora em que a moça estava sozinha lhe fez grande festa, dizendo: “Oh, minha netinha, há que tempo não te vejo! Tu mamaste nestes meus peitos! Trago-te aqui um presente de pobre; não achei nada para trazer e trago somente este parzinho de sapatos.” A moça por delicadeza aceitou os sapatos e logo que os calçou caiu pra trás como morta. A velha raspou-se às carreiras. Quando os ladrões chegaram acharam a moça morta e ficaram muito tristes. Pegaram nela, botaram num bonito carro e mais muito dinheiro e uma recomendação que quem a encontrasse que a enterrasse no sagrado, porque eles não podiam ir à cidade enterrá-la.

Um filho do rei, que andava caçando, encontrou o carro e abriu o caixão, e vendo a moça, ficou tão namorado que em lugar de a enterrar, a levou para o palácio e a guardou no seu quarto com toda a riqueza que encontrou.

E a moça sempre a dormir e o príncipe quase doido de paixão. Não deixava ninguém ir ao seu quarto; mas uma vez, estando ele fora, a princesa sua irmã teve curiosidade de ir ao quarto ver o que era que lá havia.

Chegou, abriu o caixão e viu a moça, e achou tão bonita, e estranhou que ela estivesse com uns sapatos tão feios de couro. Puxou os sapatos e a moça suspirou e sentou-se pedindo água.

A princesa deu-lhe água, tornou a calçar-lhe os sapatos, e a moça adormeceu de novo. Quando o príncipe veio, a irmã lhe disse: “Se me deres aquele dinheiro que encontraste, eu descubro um segredo que há em teu quarto.” O príncipe concordou e a princesa desencantou a moça. Houve uma grande festa e o príncipe casou-se com a linda moça. No fim dos nove meses ela deu à luz dois meninos, a coisa mais linda que dar-se podia. Mas veio servir de parteira justamente a feiticeira que tinha-lhe dado os sapatos, e, em lugar dos dois meninos, apresentou um sapo e uma gia. O príncipe andava ausente numas guerras e o pai lhe mandou dar parte do acontecido. O príncipe mandou dizer ao pai que matasse a mulher; mas o rei teve pena e somente lhe cortou um dos peitos e a expulsou da casa.

A moça saiu pelo mundo afora; tendo muita sede, chegou a uma fonte e bebeu água; passou água no peito e o peito tornou a crescer. Aí, ela seguiu viagem e foi ter à casa de um gigante e tomou um rancho lá com os seus dois filhos, porque os filhos a feiticeira lhe entregou. Muito tempo depois, andando o príncipe em caçadas, passou por casa do gigante e viu os dois meninos e tomou por eles muita afeição. Noutros dias continuou as suas caçadas e sempre passava pela casa do gigante, até que um dia viu a sua mulher. Muito se arrependeu do que tinha feito e tornou a viver com ela, mandando matar a feiticeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...