segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

O Príncipe Cornudo - 2ª Versão (Conto), de Sílvio Romero


O Príncipe Cornudo (2ª Versão)
(Contos populares do Brasil – Sergipe)

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Havia um rei que teve um filho. Quando o menino nasceu, o pai mandou ver a sina dele e muito triste ficou quando soube que o filho tinha trazido a sina de ser cornudo. Para cortar tão má sorte, o rei mandou fazer uma torre muito alta, conduzindo para ela o menino. Só quem ali ia era um criado que o servia, pois o pai não queria que visse nenhuma mulher. Quando o menino já estava crescido, abriu um buraco na torre, por onde olhava a rua. Muito admirado ficou quando viu as mulheres que passavam para a missa, e perguntou ao criado o que era aquilo. O criado disse-lhe que era mulher, mas que o pai não queria que ele as conhecesse e nem soubesse. O príncipe, que já estava rapaz, perguntou um dia ao pai por que motivo ele, desde que tinha nascido, estava naquela torre. O pai disse-lhe que era porque ele tinha trazido a sina de ser cornudo, ao que o filho respondeu, dizendo que o tirasse dali, que ele queria ir cumprir a sua sina, bem longe dele e de toda a família. O rei fez-lhe o gosto, e ele saiu pelo mundo. Tendo já caminhado muito e estando a uma distância do reino de seu pai, ia uma vez passando por um lugar, quando viu um homem vendendo um papagaio muito bonito que tinha a virtude de cortar a sina de quem a tinha de ser cornudo.

Quando o príncipe ouviu aquelas palavras, dirigiu-se ao homem e comprou o papagaio por muito dinheiro. O papagaio era muito falador e o príncipe o tratava muito bem. Apaixonou-se ele depois por uma princesa muito bonita e casou-se. Estava ele passando muito bem com sua mulher e o papagaio, quando foi chamado para vencer umas guerras, recomendando muito o papagaio a sua mulher e esta a este. Um príncipe, primo desta princesa, e que a achava muito bonita, sabendo que o marido dela tinha feito viagem, procurou meios de vê-la. Para esse fim gastou muito dinheiro, fazendo bonitas festas em frente ao palácio da prima, para ver se a via. Quando ela preparava-se para chegar à janela, gritava o papagaio: “Oh, princesa minha senhora, como é isto, o príncipe meu senhor não está em casa e a princesa quer ir à janela? Venha cá, princesa, isto é muito feio.” Assim dizia o papagaio todas as vezes que a princesa queria ir à janela, e ela nunca foi. O primo desenganado de que não a via e tendo já gasto muito dinheiro, ficou desapontado. Uma velha que lhe pedia esmolas, vendo-o muito triste perguntou-lhe: “O que tem, meu moço honrado?” O príncipe contou-lhe tudo e ela disse: “Não tem nada, eu lhe prometo de trazer aqui a princesa.” Chegando a noite, a velha correu até o palácio da princesa, e lhe pediu que por caridade lhe fosse batizar um menino. A princesa preparou-se para sair, quando o papagaio disse:

Aonde vai princesa minha senhora,
Tão bonita e bandarrona a esta hora?

E continuou dizendo: “Venha cá, que quero lhe contar uma história muito bonita.” A velha ficou desesperada, mas a moça, que não o contrariava, voltou e veio sentar-se ao pé dele. O papagaio principiou a sua história assim:

“Havia em um reino princesa que só tomava a bênção ao pai com uma luva de pelica. Um dia, indo ela passear no jardim, adormeceu no colo de uma criada, quando veio um moço e roubou-lhe a luva. Acordou a princesa e como não podia mais tomar a benção ao pai porque estava sem a luva, e não querendo mais voltar para o palácio, saiu pelo mundo virada numa fada santa. Já tinha caminhado muito, quando deu em um reino onde havia uma princesa que há sete anos não falava. Sabendo o rei, pai desta moça, que havia chegado neste reino uma fada santa, mandou-a chamar para ela fazer com que a filha falasse. A fada santa foi para o palácio e ficou no quarto da princesa. Quando foi meia-noite esta levantou-se e com uma luz examinou bem se a fada estava dormindo, e como ela fingisse estar, a princesa abriu com uma chave de ouro um grande armário que tinha em seu quarto, saindo dele um moço muito bonito. A princesa preparou logo uma mesa onde colocou uma grande quantidade de comida, de que serviu-se com ele. Depois da ceia conversaram ambos até quase pela manhã, trancando depois a princesa o seu namorado no grande armário. Quando a fada santa, que tinha presenciado tudo, levantou-se, dirigiu-se à princesa e saudou-a. Esta não lhe respondeu, dizendo-lhe então a fada: “Senhora princesa, se não for já tomar a bênção a seus pais e conversar até o meio-dia, eu conto tudo o que vi esta noite.” A princesa ficou muito surpreendida e não teve outro remédio senão ir falar com os pais, e então falou até meio-dia. No outro dia a princesa amanheceu outra vez muda, e a fada lhe disse: “Se não for falar com seus pais e conversar hoje o dia inteiro, eu denuncio o que tornei a ver esta noite, e se falar eu prometo de guardar segredo.” A princesa amedrontada não achou outro jeito senão ir falar, o que fez até a noite. No terceiro dia, levantou-se a fada e cumprimentando a princesa, mas esta não lhe respondendo, disse-lhe ela: “Senhora, se não for já falar com seus pais e conversar durante toda a sua vida, eu descubro tudo o que sei.” A princesa continuou a falar, não se calando mais dia nenhum. O rei e a rainha ficaram muito satisfeitos e houve muitas festas no palácio”.

O papagaio acabou aí a sua primeira história, porque já era dia, e a velha voltou para casa desapontada. Não desanimando, voltou à noite para levar a princesa, e como o papagaio fingisse estar dormindo, ela o levou para o chiqueiro de porcos. O papagaio, quando viu que elas iam sair, começou a gritar pela princesa para esta o mandar tirar do meio dos porcos, e assim que veio para a sua gaiola disse: “Minha senhora, não quer mais ouvir a história do papagaio? Sente-se aqui para eu lhe contar”, e principiou assim: “A fada santa saiu deste reino e, depois de ter caminhado muito, chegou em outro, onde o rei estava para morrer de sentimento, porque o príncipe seu filho tinha desaparecido. Logo que soube da chegada desta fada santa mandou-a chamar para descobrir onde estava o príncipe. Chegada a fada santa em presença do rei, disse-lhe que só descobria onde estava seu filho se ele mandasse pedir licença ao rei do reino vizinho para ela abrir todos os objetos e móveis do seu palácio. O rei não se negou a tal pedido e a fada santa começou o seu trabalho. Abriu todos os móveis, deixando para último o armário que tinha no quarto da princesa, de onde tirou o moço. Ficaram todos muito admirados e o rei pai do príncipe muito contente, havendo muitas festas no palácio pela chegada do filho.” Quando o papagaio concluiu aí sua história, os galos estavam cantando, saindo a velha alcoviteira ainda mais furiosa. Teimando ainda na promessa que tinha feito ao moço primo da princesa, veio neste dia ainda mais cedo buscar a princesa, levando o papagaio para a latrina. Este, logo que aí foi chegando, gritou para que o tirasse dali, que ele não era cachorro para estar em um lugar tão imundo. A princesa mandou-o logo buscar, dizendo ele, quando chegou, que ainda tinha uma história muito bonita para lhe contar. A velha desesperada amaldiçoava o papagaio, e ele começou: “Esta mesma fada indo para o outro reino aí foi chamada para curar de um príncipe que estava muito doente, sem saber a causa de semelhante moléstia. Não tomava alimento nenhum e era atacado de uma febre muito forte com grandes delírios. Perguntando-lhe a fada por que motivo achava-se ele naquele estado, respondeu-lhe o príncipe que era porque nunca mais ele tinha visto uma princesa de quem muito gostava, e da qual ele tinha lhe roubado a luva. A fada santa o consolou muito, aconselhou-o para ele se alimentar, dizendo que ela prometia que ele tornaria a ver a princesa, ao que ele respondia que não tinha mais esperanças de vê-la. Quando foi de noite, que o príncipe ia principiando a dormir, a fada mudou a roupa que trazia, vestiu-se princesa, passando em volta da cama do príncipe. Este logo acordou muito sobressaltado, chamou a fada, que já tinha mudado a roupa, e lhe disse que ele tinha visto a princesa passar-lhe por junto da cama. A fada o despersuadiu, dizendo que era porque ele estava muito fraco e no delírio da febre. Deu-lhe caldos e no outro dia o príncipe amanheceu melhor. De noite ela tornou a se vestir de princesa e passou pela cama do príncipe, que logo acordou e disse à fada que tinha tornado a ver sua noiva. Ela o quis despersuadir, mas ele disse que não, que estava acordado e que com efeito a tinha visto. A muito custo a fada o convenceu de que tudo era devido à grande febre. Alimentou-o muito durante a noite, amanhecendo o príncipe quase restabelecido. Pela terceira e última vez, vestiu-se de novo a fada santa da mesma maneira que estava no dia em que o príncipe roubou-lhe a luva, e quando este ia principiando a dormir, ela apareceu em frente da cama, levantando-se logo o príncipe, sem dar tempo a ela mudar de roupa. Aí deram-se a conhecer, ficando logo o príncipe completamente bom, declarando no outro dia que era por causa daquela princesa que ele tinha sofrido, e casou-se logo com ela, havendo maior festa que nos outros dois reinos.” Quando o papagaio foi acabando a sua última história, já era de manhã, e ele, olhando para o lugar por onde o príncipe tinha ido vencer as guerras, gritou logo: “Minhas alvíssaras, princesa minha senhora, lá vem o príncipe meu senhor.” A velha assim que ouviu que o príncipe já vinha, saiu na carreira para que ele não a visse, e a princesa ficou muito alegre, indo receber o marido. O príncipe ficou muito contente de encontrar sua mulher e o papagaio, o qual, depois de dizer a seu senhor que tinha desempenhado bem sua missão, deu um desmaio e morreu, vendo o príncipe e sua mulher subir nesta ocasião um anjinho para o céu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...