segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

O rei caçador (Conto), de Sílvio Romero


O rei caçador
(Contos populares do Brasil – Sergipe)

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Havia um rei casado e que não tinha filhos. Gostava muito de caçar, sendo a caça para ele a sua maior distração.

Um dia embrenhou-se muito pelo mato, dando aí com uma casa, do que ele ficou muito admirado, e para ela dirigiu-se. Chegando lá, viu uma moça muito bonita, ficando o rei logo apaixonado por ela. No dia seguinte tornou a ir à caça e foi à casa da moça, onde pediu um copo d’água. Quanto mais tempo se passava, mais apaixonado ficava o rei pela moça, a ponto de não passar um só dia sem que, a pretexto de ir à caça, não a fosse ver. Passado algum tempo, apareceu a moça grávida e teve um menino muito bonito, ao qual pôs o rei o nome de Sol. Depois teve ela mais uma menina, que teve o nome de Lua, e mais tarde outro menino, que teve o nome de Luar. O rei estava tão alegre com estes três filhos, que já não governava mais o reino e nem queria saber mais do palácio. Para não se esquecer um só momento dos três meninos comprou o rei três lenços, um com um Sol pintado no centro, um com uma Lua e um com um Luar. Quando o rei ia almoçar ou jantar, abria os três lenços, passava-os no rosto, e dizia suspirando:

Ai, Sol! Ai, Lua! Ai, Luar!
Quem me dera a Madalena Sinhá.

A rainha velha, mulher do rei, que era muito ciumenta, desconfiou logo que não era somente a caça que tanto distraía seu marido, a ponto dele não mais governar o reino e aborrecer o palácio. Então, furiosa de ciúmes, chamou um seu criado de confiança, e disse-lhe que, se ele descobrisse a causa da distração do rei, ela o alforriava e dava-lhe ainda muito dinheiro. O criado, assim que o rei saiu para a caçada, o seguiu espreitando-o. O rei não mais se ocupava com a caça. Entregava a espingarda ao seu pagem, e seguia logo para a casa da moça. O criado espião o acompanhou até lá e escondeu-se a pouca distância da casa. Quando o rei foi se aproximando desta, apareceram na porta três crianças, cada qual mais linda, que logo foram gritando: “Lá vem papai, mamãe venham ver”, aparecendo nesta ocasião também a moça. O rei, logo que foi chegando, abraçou e beijou as criancinhas e entrou. O criado alcoviteiro chegando em casa contou tudo que tinha visto à rainha, e esta ainda ficou mais desesperada e procurou logo um meio de se vingar. Aconteceu que o rei caiu doente e passou muitos dias sem ir ver os filhinhos e a moça.

Aproveitou a rainha esta oportunidade e mandou o seu criado dizer à moça, em nome do rei, que este lhe mandava dizer que, estando muito doente e com muita saudade dos meninos, mas não podendo ir lá, que ela os mandasse, que a rainha não estava em casa. Foi o criado levar o recado, e como a moça não quisesse mandar os filhos com receio da rainha, este voltou de novo dizendo que o rei mandava com instância buscar os meninos, porque não podia mais suportar as saudades. Preparou a moça os meninos e mandou-os. Chegando em palácio, a rainha os trancou em um quarto, sem lhes dar alimento algum. No outro dia mandou o criado dizer à moça, em nome do rei, que ela viesse sem demora. A moça, estando inocente de tudo quanto se passava, veio com o criado e quando chegou em palácio foi introduzida por este em um quarto. Aí já estava a rainha velha preparada com uma roda de navalhas e uma máquina em cima de alçapão falso. Logo que a moça ali chegou, a velha agarrou-a e principiou a lutar, com o fim de atirá-la em cima da roda de navalhas. A moça, que era forte, defendeu-se com coragem, acabando por sacudir a velha em cima da roda e tocando no veio para acabar de matá-la. O rei, que estava no quarto vizinho e ouvindo o barulho, levantou-se sobressaltado, e muito admirado ficou quando viu Madalena Sinhá ali presente. Perguntando-lhe o rei como ali se achou, soube então de tudo quanto tinha se dado sem ele saber, ajudando ele também a acabar de matar a velha. Indagou Madalena Sinhá por seus filhos, indo dar com eles em um quarto quase mortos de fome. O rei, vendo-se livre da rainha malvada, casou-se com Madalena Sinhá e mandou degolar o negro alcoviteiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...