domingo, 29 de abril de 2018

Augusto de Lima - Aspectos biográficos


Augusto de Lima - Aspectos biográficos

Texto escrito em revista "Vida carioca", no ano de 1955. Pesquisa, transcrição e atualização ortográfica de Iba Mendes (2017)
---


Antônio Augusto de Lima, poeta, político e parlamentar, falecido no Rio de Janeiro a 22 de abril de 1934, era natural de Congonhas de Sabará, mais tarde Vila Nova de Lima, então província de Minas Gerais, onde nasceu a 5 de abril de 1860.

Ainda estudante, na Faculdade de Direito de São Paulo, dedicou-se ao jornalismo e, juntamente com Raimundo Correia e outros, fundou a Revista de Ciências e Letras.

Também por essa época, cultivava a música, tendo produzido várias composições.

Em 1882, colou o grau de bacharel e, no ano seguinte, foi nomeado promotor público de Leopoldina, em Minas.

Abolicionista e republicano, exercia o cargo de Juiz de Direito de Conceição da Serra no Espírito Santo, quando se verificou a transformação política de 15 de novembro de 1889. 

Poucos meses depois, foi nomeado para o mesmo cargo em Dores de Boa Esperança, na terra natal, mas não chegou a exercê-lo, por ter sido indicado para o posto de Chefe de Polícia do Estado.

Nomeado Governador, submeteu ao Congresso Constituinte o projeto de mudança da capital mineira de Ouro Preto para Curral del-Rei (depois Belo Horizonte).

Vitoriosa essa ideia, dois ou três anos depois, tornou a exercer o cargo de Juiz na nova capital, em cuja Faculdade de Direito regeu a cadeira de Filosofia do Direito.

Até 1919, ano em que foi eleito deputado Federal, dirigiu o Arquivo Público de Minas Gerais.

Augusto de Lima teve participação ativa no movimento político de que resultou a Revolução de 1930.

Eleito deputado a Assembleia Nacional Constituinte de 1934, faleceu antes de ser promulgada a nova Constituição da República.

Era membro da Academia Brasileira de Letras, da qual foi presidente em 1928.

As suas obras constam das seguintes categorias: em verso - Contemporâneas, Símbolos, São Francisco de Assis, Tiradentes (ópera lírica); em prosa - A Comarca da Capital de Minas e o Juiz de Direito de Ouro Preto, Memória Histórica da Faculdade de Direito do Estado de Minas Gerais, Discurso de Saudação a João Luiz Alves na Academia Brasileira de Letras, Noites de Sábado.

"Vida Carioca", abril de 1955.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...