sexta-feira, 6 de julho de 2018

Temas Poéticos: DEUS - II


A Deus

VICTORIANO PALHARES
"Peregrinas" (1870)

Passam os dias e os anos;
Meu Deus, já não sou criança!
Quando verei realizada
Aquela antiga esperança?

Antes que a dúvida acerba
Minha razão atacasse,
Não houve riquezas d'alma
Que eu a teus pés não lançasse.

Não poderão, porventura,
As joias da meninice
Ganhar a tua piedade
Na mocidade e velhice?

Criaste o mundo; acredito.
És pai do homem; eu creio.
Porém teu filho inditoso
Busca debalde teu seio!

Vejo a maldade gozando;
Vejo o vício afortunado;
Sinto que sou inocente,
E quase almejo o pecado.

A flor que desejo murcha;
A estrela que amo se apaga;
E tantas ânsias perdidas
Nenhuma ventura paga.

A cada sol que desponta
Eu digo tranquilo: — É hoje!
Corre o dia, chega a noite;
E o sol com a esperança foge.

Será, meu Deus, esta vida
Um drama misterioso,
Drama de prólogo horrível
E de epílogo formoso?!

Nada sei, nada conheço,
Nada compreendo, nada;
Sinto apenas que minh'alma
Vae sendo aos poucos gelada.

Como o sol e como os ventos
Desfolham árvore imensa,
As dores e o desengano
Levam-me as flores da crença.

Passam os dias e os anos;
Meu Deus, já não sou criança!
Quando verei realizada
Aquela antiga esperança!

★★★

Criou Deus na celeste arquitetura

MANUEL BOTELHO DE OLIVEIRA

Criou Deus na celeste Arquitetura
Dois luzeiros com giro cuidadoso,
Um que presida ao dia luminoso,
Outro que presidisse à noite escura.

Dois luzeiros também de igual ventura
Criou na terra o Artífice piedoso;
Um, que foi da Escritura Sol famoso,
Outro, Planeta da ignorância impura.

Brilhando juntos um e outro luzeiro,
Com sábia discrição, siso profundo,
Não podia um viver sem companheiro.

Sucedeu justamente neste Mundo,
Que fenecendo aquele por primeiro,
Este também feneça por segundo.

★★★

Falando com Deus

JERÔNIMO BAÍA

Só vos conhece, amor, quem se conhece;
Só vos entende bem quem bem se entende;
Só quem se ofende a si, não vos ofende,
E só vos pode amar quem se aborrece.

Só quem se mortifica em vós floresce;
Só é senhor de si quem se vos rende;
Só sabe pretender quem vos pretende,
E só sobe por vós quem por vós desce.

Quem tudo por vós perde, tudo ganha,
Pois tudo quanto há, tudo em vós cabe.
Ditoso quem no vosso amor se inflama,

Pois faz troca tão alta e tão estranha.
Mas só vos pode amar o que vos sabe,
Só vos pode saber o que vos ama.

★★★

Deus, infinito ser

FRANCISCO JOAQUIM BINGRE

Deus, Infinito ser, nunca criado,
Sem princípio, nem fim, na Majestade
Que no trono da Eterna Divindade
Tens o Mundo num dedo dependurado:

Tu estavas em Ti, não foste nado,
O teu Ser era a tua Imensidade,
Tu tiveste por berço a Eternidade,
Tu, sem tempo, em Ti mesmo eras gerado!

Tu és um fogo que arde sem matéria,
Tu és perpétua luz, que não desmaia
Fulgindo, sem cessar, na sala etérea!

Tu és um mar de amor, que não tem praia,
Trovão assustador da esfera aérea,
Rei dum Reino Imortal, que não tem raia!...

★★★

Deus na planície

ANTÔNIO SARDINHA

O espírito de Deus flutua e erra
por todo este côncavo profundo.
Assim errava Ele sobre a terra
quando pensou na criação do Mundo.

É noite. Aqui não há mar nem serra.
Há o infinito, o vago. E cá no fundo
minh'alma que se excede e que se aterra,
ó Hálito-Supremo em que eu me inundo!

Ó Hálito-Supremo!... É noite escura.
E o Criador no enlevo em que eu me alago
domina e empolga a Sua criatura.

Sucumbe em mim o bicho vil da terra
E como no Princípio sobre o vago
O Espírito de Deus flutua e erra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...