quarta-feira, 4 de julho de 2018

Temas Poéticos: INVERNO - I


Paisagens de inverno
(A Alberto Osório de Castro)

CAMILO PESSANHA

Ó meu coração, torna para traz.
Onde vais a correr desatinado?
Meus olhos incendidos que o pecado
Queimou! Volvei, longas noites de paz.

Vergam da neve os olmos dos caminhos.
A cinza arrefeceu sobre o brasido.
Noites da serra, o casebre transido...
Cismai, meus olhos, como uns velhinhos.
Extintas primaveras, evocai-as.
Já vai florir o pomar das macieiras.
Hemos de enfeitar os chapéus de maias.

Sossegai, esfriai, olhos febris...
Hemos de ir a cantar nas derradeiras
Ladainhas... Doces vozes senis.

★★★

Noite de inverno

ARRONCHES JUNQUEIRO

O vento rosna nas frinchas
das portas. Um pingo cai
compassado
a chorar
do beiral do meu telhado

E pela vastidão da noite escura
misteriosa
angustiosa,
ecoa a sinfonia da procela.
Enfurecido,
com braço vigoroso de bandido
o vento vem forçar-me os vidros da janela.

A luz
à minha cabeceira, oscila e treme.
Sinto um calafrio a repelar-me,
e olho a vida em doidas espirais…
parece uma bandeira a acenar-me,
a fazer-me sinais.

Lá fora há uivos, gritos, estertores
de árvores a gemer,
numa miséria trágica de dores…
Troncos estalando,
folhas doidejando,
na luta colossal de querer viver.

O vento, como um deus louco e potente
em fúrias singulares,
rugindo como fera onipotente
sacode e torce, em crises de demente
os troncos seculares

Alta noite.
O bandido cansou-se. Reina o silêncio
Apenas um pingo cai
Compassado,
Espaçado,
A chorar
dos beirais do meu telhado.

★★★

Manhã de inverno

RONALD DE CARVALHO
"Poemas e Sonetos" (1919)

É tarde, e o sol não vem; sobre as colinas
Volteiam rolos pardos de neblinas.
O orvalho escorre pelas folhas; tudo,
Nos ares e nas selvas, está mudo.
No beiral dos casebres, quando a quando,
Andam pombos, aos pares, esvoaçando;
E, ao dormente frescor dos laranjais,
Tremem de frio, unidos, os pardais.

Nos campos cheios de água e de umidade
Erra um cheiro de lírios. Que saudade
Há nas árvores quietas, nos relvados,
Nas serras, nos caminhos encharcados,
Nos mangues silenciosos, na espessura
Dos grotões, e nas massas de verdura.
Que saudade há no gesto com que a mão
Aperta, desolada, o coração!

Mas, de repente, o céu todo estremece,
O horizonte se alarga, a terra cresce
Em grandes labaredas voluptuosas.
As aves cantam, desabrocham rosas...
Num mar de fogo ferve, toda acesa,
Em faixas de ouro vivo a Natureza;
E a alma fica a sorrir, à flor do olhar,
Ao sol, que a abelha e os mundos move no ar!

★★★

Noite de Inverno

OLAVO BILAC
“Alma inquieta” (1888)

Sonho que estás à porta...
Estás – abro-te os braços! – quase morta,
Quase morta de amor e de ansiedade...
De onde ouviste o meu grito, que voava,
E sobre as asas trêmulas levava
As preces da saudade?

Corro à porta... ninguém! Silêncio e treva.
Hirta, na sombra, a Solidão eleva
Os longos braços rígidos, de gelo...
E há pelo corredor ermo e comprido
O suave rumor de teu vestido,
E o perfume sutil de teu cabelo.

Ah! se agora chegasses!
Se eu sentisse bater em minhas faces
A luz celeste que teus olhos banha;
Se este quarto se enchesse de repente
Da melodia, e do clarão ardente
Que os passos te acompanha:

Beijos, presos no cárcere da boca,
Sofreando a custo toda a sede louca,
Toda a sede infinita que os devora,
— Beijos de fogo, palpitando, cheios
De gritos, de gemidos e de anseios,
Transbordariam por teu corpo afora!...

Rio aceso, banhando
Teu corpo, cada beijo, rutilando,
Se apressaria, acachoado e grosso:
E, cascateando, em pérolas desfeito,
Subiria a colina de teu peito,
Lambendo-te o pescoço...

Estrela humana que do céu desceste!
Desterrada do céu, a luz perdeste
Dos fulvos raios, amplos e serenos;
E na pele morena e perfumada
Guardaste apenas essa cor dourada
Que é a mesma cor de Sírius e de Vênus.

Sob a chuva de fogo
De meus beijos, amor! terias logo
Todo o esplendor do brilho primitivo;
E, eternamente presa entre meus braços,
Bela, protegerias os meus passos,
— astro formoso e vivo!

Mas... talvez te ofendesse o meu desejo...
E, ao teu contato gélido, meu beijo
Fosse cair por terra, desprezado...
Embora! que eu ao menos te olharia,
E, presa do respeito, ficaria
Silencioso e imóvel a teu lado.

Fitando o olhar ansioso
No teu, lendo esse livro misterioso,
Eu descortinaria a minha sorte...
Até que ouvisse, desse olhar ao fundo,
Soar, num dobre lúgubre e profundo,
A hora da minha morte!

Longe embora de mim teu pensamento,
Ouvirias aqui, louco e violento,
Bater meu coração em cada canto;
E ouvirias, como uma melopeia,
Longe embora de mim a tua ideia,
A música abafada de meu pranto.

Dormirias, querida...
E eu, guardando-te, bela e adormecida,
Orgulhoso e feliz com o meu tesouro,
Tiraria os meus versos do abandono,
E eles embalariam o teu sono,
Como uma rede de ouro.

Mas não bens! não virás! Silêncio e treva...
Hirta, na sombra, a Solidão eleva
Os longos braços rígidos de gelo;
E há, pelo corredor ermo e comprido,
O suave rumor de teu vestido
E o perfume sutil de teu cabelo...

★★★

Inverno

CÁRMEN FREIRE
"Visões e Sombras" (1897)

Vão-se os anos, e as cãs, aparecendo,
Tornam-me a vida lúgubre e sombria;
Nada me resta, e a carne é já tão fria
Que, apesar de viver, estou morrendo.

Não vive quem o amor não conhecendo
Não vê jamais o claro sol de um dia.
Que a luz do sol que as almas alumia
É o amor, que as almas vai de luz enchendo,

Vivo e não vivo, e falecendo em vida
Come a lâmpada triste pouco a pouco
Num claustro fulgurando amortecida,

Calma e tranquila deixa a vida ingrata,
Onde da luta o sofrimento louco
Cega, apunhá-la, dilacera e mata.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...