segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Biografia de Euclides da Cunha


Biografia de Euclides da Cunha

Euclides Rodrigues Pimenta da Cunha nasceu na fazenda Saudade, em Santa Rita do Rio Negro, município de Cantagalo, na então província do Rio de Janeiro, em 20 de janeiro de 1866. Em 1869, após o falecimento de sua mãe, vai a Teresópolis, juntamente com a irmãzinha menor, ficando aos cuidados de uma tia, falecida dois anos depois, passando, então, à companhia de outra tia. Em 1877 inicia os estudos de humanidades no Colégio Carneiro Ribeiro, na Bahia. De volta ao Rio, vai morar em casa de seu tio Antônio. Cursa o Colégio Anglo-Brasileiro. Em 1884 termina o curso de humanidades no Colégio Aquino, onde teve por mestre Benjamin Constant. Matricula na Escola Politécnica, em 1885, assentando praça em 1888 na Escola Militar da Praia Vermelha. Deixa o exército em 1888, em virtude de um gesto de rebeldia por ocasião da visita do ministro da Guerra, na Escola Militar. Vai a São Paulo, onde colabora no jornal "A Província de São Paulo". Volta em 1889 ao Rio onde começa a frequentar o curso de engenharia civil. É reintegrado no exército e promovido a alferes-aluno. Em 1890 cursa a Escola Superior de Guerra. É promovido a segundo-tenente. Conclui em 1891 o curso da Escola Superior de Guerra, sendo promovido a primeiro-tenente, do Estado-Maior, em 1892. Deixa o serviço militar, em 1896, por incompatibilidade, reformado no posto de capitão, e vem para São Paulo Em 1897, como correspondente e repórter do jornal "O Estado de S. Paulo", vai para Canudos observar a campanha contra os fanáticos de António Conselheiro. Inspeciona em 1899, a reconstrução da ponte metálica em São José do Rio Pardo local em que iniciou a redação de seu livro "Os Sertões", publicado em dezembro de 1902, cuja primeira edição foi rapidamente esgotada. A 2ª edição saiu em 1903. No mesmo ano é eleito para a Academia Brasileira de Letras, cadeira nº 7, que tem por patrono Castro Alves, e toma posse no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. No ano seguinte é nomeado por Rio Branco chefe da Comissão do Alto Purus. Parte para o Amazonas. Chega ao Rio em 1906 e toma posse na Academia Brasileira de Letras, tornando-se também adido do Itamarati, como auxiliar técnico do Barão do Rio Branco no estudo das questões de fronteiras. Submete-se às provas do concurso de Lógica, em 1909, para o Colégio Pedro II (então Ginásio Nacional) e é classificado em 2º lugar. Por interferência de Rio Branco, é nomeado professor interino a 17 de junho. A 15 de agosto, por questões de família, é assassinado a tiros de revólver.

Obras principais: "Os Sertões", 1902, "Peru versus Bolívia", 1907, "Contrastes e Confrontos", 1909, "À Margem da História", 1909.

Características: Na obra "Os Sertões" apresenta não só um completo relato da Campanha de Canudos (luta sangrenta contra os fanáticos chefiados por António Conselheiro, os quais ameaçavam a segurança das cidades e povoações vizinhas), mas ainda um admirável estudo da terra e do homem do sertão nordestino, das condições de vida do sertanejo, da sua resistência e capacidade. Em "Os Sertões" e nos ensaios de "Contrastes e Confrontos" e "À Margem da História", Euclides da Cunha visou a uma interpretação de nossa realidade antropo-cultural; mas uma interpretação que se distinguiu e impressionou fortemente os contemporâneos, pelo modo como foram encarados os fatos (num complexo orgânico de causas e efeitos complexo intensamente dramático e em que se interdependem o Homem, a Terra e o Drama da existência); interpretação que se distinguiu e impressionou fortemente os contemporâneos, pela evidenciação dos valores morais do homem telúrico brasileiro (o seringueiro, o sertanejo, o gaúcho), concebido em proporções de heróis na luta contra as forças de uma natureza hostil, agressiva e por vezes esmagadora. A esta concepção, tipicamente euclidiana, correspondeu uma superior e rara capacidade artística, não apenas para a pintura das figuras humanas, das coisas e da natureza (elementos fortemente impressivos na obra do extraordinário escritor), mas também para a intensa dramatização das cenas, ora engrandecidas pelo sopro épico, ora sacudidas por vendavais de tragédia" (A.S. Amora, História da Literatura Brasileira). "A crítica brasileira e estrangeira, que têm reconhecido em "Os Sertões" um dos livros mais significativos e altos da literatura e da cultura nacionais, a obra precisamente que assegurou autonomia e maioridade à inteligência nacional, têm visto nele ora o seu sentido nacionalista,  ora os aspectos de ciência natural, de geografia, de etnografia e antropologia, de sociologia, de história social; ora os aspectos artísticos, literários e estilísticos, justamente os que têm sido ressaltados nos anos mais recentes, situando o livro antes corno uma obra literária do que científica". (Afrânio Coutinho, A Literatura no Brasil). Estilo nervoso, colorido, difícil, empolado, cheio de termos técnicos. Trechos célebres de antologia: "O Sertanejo" e "O Estouro da Boiada", ambos de "Os Sertões".


---
Fonte:
Amílcar Monteiro Varanda e Assis Figueiredo Santos Silva de Andrade: Enciclopédia Ginasial Ilustrada: Português.  Editora Formar. São Paulo, s/d, págs. 122-123.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...