domingo, 28 de outubro de 2018

A raposa faminta (Conto infantil), de Monteiro Lobato



A raposa faminta
  
Era uma vez uma raposa que estava quase morrendo de fome.

Desesperada saiu pelo mundo para comer a primeira coisa que topasse.

Encontrou um leitão. Agarrou-o.

— Que vais fazer comigo? — perguntou o leitão.

— Devorar-te, está claro.

— Oh — exclamou o leitão — crua minha carne não vale nada — não tem gosto. Veja uma caçarola e um bom forno para assar-me.

A raposa foi procurar a caçarola e o forno: quando voltou não viu nem sombra do leitão. Furiosa da vida, continuou a viagem. Deu com uma cabra. Agarrou-a.

— Que quer fazer de mim? — perguntou a cabra.

— Devorar-te, está claro.

— Assim com pelo e tudo? Não caia nessa. Vá ver uma tesoura e tose-me primeiro.

Enquanto a raposa procurava a tesoura, a cabra sumiu. Logo depois apareceu um lobo.

— Onde vai, raposa?

— Ando a procurar comida porque estou morrendo de fome.

— Nesse caso acompanhe-me.

Seguiram juntos até encontrar um cavalo. O lobo plantou-se diante dele, com o pelo arrepiado, e perguntou à raposa: "Está meu pelo arrepiado? Estão meus olhos soltando fogo?"

— Sim — respondeu a raposa. — E o lobo lançou-se ao cavalo e matou-o. Depois dividiram a carne, comendo até não poderem mais. Estômago, porém, é saco sem fundo. Não há o que o contente. Passados uns dias a fome da raposa voltou. Saiu novamente à caça. Uma lebre vinha vindo.

— Para onde vai, lebre?

— Ando a procurar o que comer — respondeu o animalzinho.

— Neste caso acompanhe-me — disse a raposa com uma ideia na cabeça: imitar o lobo.

Seguiram. Logo adiante encontraram um cavalo. A raposa plantou-se diante dele, com o pelo arrepiado, e perguntou à lebre:

— Estão meus olhos lançando fogo? A lebre olhou e não viu fogo nenhum.

— Não — respondeu.

— Estúpida! — gritou a raposa. — Responde que sim, senão te mato.

A lebre, com medo, respondeu:

— Sim, estão lançando fogo.

— Que queres comigo, raposa? — perguntou o animal.

— Devorar-te.

— Não vale a pena — disse o cavalo. — Uso ferradura de ouro no pé direito. Vai lá e tira-a. Poderás com esse ouro comprar quantas coisas de comer quiseres.

A raposa foi pegar a ferradura de ouro, mas pegou o maior coice de sua vida. Muito maltratada, manquitolando, recolheu-se a uma cova, onde começou a filosofar. "Achei um leitão, mas em vez de comê-lo depressa, fui procurar caçarola e forno. Resultado: sumiu-se o leitão. Achei uma cabra mas em vez de comê-la depressa, fui procurar uma tesoura — e lá se sumiu a cabra. Achei um cavalo, mas em vez de comê-lo depressa, fui atrás duma ferradura de ouro — e quase morri dum coice. Sou bem infeliz..."

A cova onde a raposa se escondera ficava ao pé dum morro, no qual apareceu um pastor que a enxergou. O pastor pegou uma grande pedra e zás! — atirou-lhe em cima.

— Ai, ai! — gemeu a raposa. — Levo pedrada até aqui, onde não há ninguém!

E dando um suspiro morreu.

***

— É do Cáucaso mesmo, vovó? — perguntou Narizinho.

— Sim, minha filha. Esta história é do folclore da gente do Cáucaso, e como lá é terra de neve, surgem a raposa e o lobo famintos, bichos que muito sofrem durante o inverno.

— E também um pastor — disse Pedrinho. — Nós aqui não temos pastores, a não ser nos versos. Temos vaqueiros, porqueiros — pastor nenhum. Eu, pelo menos, nunca vi nenhum.

— Nos velhos países — explicou dona Benta

— há o uso de guardarem-se os rebanhos. A carneirada pasta e um homem — o pastor — toma conta dela. Entre nós o sistema é outro. Os rebanhos vivem largados pelas pastarias.

— Por quê?

— Talvez porque estamos ainda no regime das grandes propriedades. Nos países velhos a terra é muito dividida e toda ocupada. Quando nossas terras ficarem subdivididas como as da Europa, é possível que também apareçam por aqui os pastores.

— Eu gostaria bastante — disse Emília. — Acho lindo isso de pastor, pastora e pastorinha — sobretudo pastorinhas. Como é poético! Todos acharam graça na poesia emiliana.

— Conte agora uma do... do... da Pérsia, por exemplo — pediu a menina. E dona Benta contou uma história da Pérsia.



---
Notas:
Extraído da obra: Histórias de Tia Nastácia.
Transcrição e atualização ortográfica: Iba Mendes (2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...