quarta-feira, 17 de outubro de 2018

As mãos, de Paul Verlaine (Poema Traduzido)


Autor: Paul Verlaine
Tradutor: Manuel Bandeira
Revista Careta, 29/1/1949.

As mãos

As mãos que foram minhas, mãos
Tão bonitas, mãos tão pequenas,
Após tanto equívoco e penas,
Tantos episódios pagãos.

Após os exílios medonhos,
Ódios, murmurações, torpezas,
Senhoris mais do que as princesas
As caras mãos abrem.me os sonhos.

Mãos no meu sono e na minh’alma,
Pudera eu, ó mãos celestes,
Adivinhar o que dissestes,
A est’alma sem pouso nem calma!

Mente-me acaso a visão casta
De espiritual afinidade,
De maternal cumplicidade
E afeição estreita e vasta?

Caro remorso, dor tão boa,
Sonhos benditos, mãos amadas,
Oh essas mãos, mãos consagradas,
Fazei o gesto que perdoa!


---

Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...