domingo, 7 de outubro de 2018

Garrett e a elegância romântica (Crítica Literária)


Garrett e a elegância romântica


Foi Almeida Garrett uma das mais altas expressões do romantismo português. Ao lado de Alexandre Herculano e de Castilho, desempenhou um significativo papel, não só como poeta, mas também como prosador. Já houve quem igualasse Garrett a Camões.

Garrett, sem dúvida, distinguiu-se enormemente em todos os ramos da atividade intelectual. Foi, ao mesmo tempo, filósofo, poeta, romancista, dramaturgo, orador. Em seu tempo, chamavam-no de “Divino”. E com razão, pois Garrett soube primar como um semeador maravilhoso de ideias e de imagens.

Eça de Queirós, que foi um crítico rigoroso e imparcial muito parco em matéria de elogio, disse, certa vez, numa carta inédita de Mendes Fradique, que “Frei Luís de Souza”, o famoso drama de Garrett, era verdadeiramente, “uma obra prima, uma das mais belas que existem em todas as literaturas da Europa”. E acrescenta: “Cada frase contém apenas as palavras necessárias e tem contudo dentro de si todo um mundo de coisas profundas.” Tratava-se de um julgamento de todo insuspeito, já que Eça de Queirós pertencia à escola naturalista e combatia abertamente a literatura romântica.

Apesar de ambos pertencerem literariamente a campos opostos, podemos dizer que Garrett foi o Eça de Queirós do Romantismo, assim como Eça de Queirós foi o Garrett do Naturalismo, Ambos, ousadamente, se insurgiram contra o despotismo do convencionalismo, e meteram debaixo do joelho, segundo a expressão de Ramalho Ortigão, o monstro da ênfase atávica, da hereditária retórica, que por mais de dois séculos resfolegara apopleticamente no fundo de toda a nossa evolução artística.”

Além do homem de pensamento e de letras, temos também que ver em Garrett o “elegante”, Isto é, o Brumel português. Garrett era, de fato, em seu tempo, um dos homens que melhor se vestia e quando esteve em Bruxelas foi tal o seu sucesso nesse sentido que logo apareceram as “capas à Garrett”, os “chapéus à Garrett”, as “joias à Garrett”.

Bulhão Pato descreve os trajos com que Garrett se mostrava no parlamento ou nos suntuosos salões das altas rodas de Lisboa: “casaca verde bronze com botões de metal amarelo recortado sobre veludo verde; colete branco, deslumbrante, de brandas bandas, calça de flor de alecrim; camisa finíssima, encanudadas; luvas amarelas.” Quando Garrett ocupava a tribuna, as galerias do Parlamento ficavam completamente cheias. O público feminino estava sempre disposto a ouvia a ouvir a sua palavra fascinadora. A oratória de Garrett era um dos mais belos espetáculos de seu tempo. A eloquência de suas palavras ainda mais se destacava em virtude de sua admirável pronúncia de declamador e da harmoniosa elegância de seus gestos.

Mas nem sempre a elegância é uma virtude recomendável. Bastante apreciado pelas mulheres, Garrett se envolveu ou se viu envolvido em vários escândalos, pondo a vida em perigo em consequência da justa revolta dos amantes ou dos maridos enganados.

Todavia, como diz Júlio Dantas, “Garrett não era belo. Garrett, lutava com a falta de dotes naturais. O milagre de sua elegância foi, sobretudo, uma obra de arte, de paciência, de gênio. Tudo nele era postiço, desde o espartilho até o achinó, desde os dentes até as ancas, desde o chumaço dos ombros até ao bucho das pernas. Quando à noite recolhia à casa, depois de um baile ou de uma recepção desmanchava-se como um puzzle."

Há em torno da “elegância” de Garrett uma série de admiráveis anedotas. O próprio Garrett, como homem de gênio, era o primeiro a zombar de seu próprio esforço para bem se apresentar, Conta-se que, certa vez, o criado de quarto de Garrett adoeceu subitamente. Foi substituído por um novato, rapaz ingênuo, recentemente chegado à Lisboa. Quando Garrett, de madrugada, regressou de um baile dos Marqueses de Viana, ouçamos Júlio Dantas, encontrou o provinciano preparado para ajudá-lo a se despir. “Começamos pelo chinó, percebe?” — disse-lhe Garrett, tirando a cabeleira postiça e enfiando-a na boneca. O pobre rapaz, que nunca tinha visto arrancar os cabelos da cabeça com tanta facilidade, ficou varado espanto. Depois o poeta tomou um pequeno espelho, abriu a boca, fez saltar a dentadura e deu-a ao criado: — “Tome lá os dentes. Meta-os num copo de água”. O assombro do pobre homem subiu de ponto. Imperturbável, Garrett despiu a casaca em “busto de abelha”, o colete de reflexos de prata, o espartilho e apontou os chumaços das espáduas: — “Tire-me os ombros”. Em seguida, puxou uma cadeira, sentou-se: — “Agora, tire-me as barrigas das pernas”. O criado, muito pálido, coberto de suores frios, teve naquele instante a impressão de que o amo ia desfazer-se de todo. Garrett percebeu, levantou-se, avançou para ele e disse-lhe, olhando-o fixamente: — “Agora, desatarraxe-me a cabeça, devagarzinho”. O pavor do ingênuo provinciano foi tal que abalou pela porta fora e nunca mais ninguém o viu.

Era assim a elegância na época do Romantismo. Mas se havia multa “blague” na elegância de Garrett, o mesmo não vamos encontrar em sua obra literária, que é, para nós um verdadeiro tesouro da Língua Portuguesa.



Luiz Vidal
Revista Carioca, 22 de agosto de 1942.
Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...