sábado, 30 de março de 2019

Múcio Teixeira: O poeta multifacetado


 O poeta multifacetado 

Dos escritores brasileiros que acompanharam a evolução das letras, poucos conseguiram levantar o voo tão alto como Múcio Teixeira.

Ele não se deixou ficar prisioneiro dos velhos métodos e das velhas formas que envolviam a poesia antiga.

Artista de uma geração de condoreiros, ele tinha, nas estrofes de seus primeiros cantos, ponto de partida para descortinar horizontes mais vastos e gritos capazes de ofuscar os seus pares na república das letras.

Cantou como Castro Alves e foi hugoano, chorou como Álvares de Azevedo, foi triste como Byron, pensou como Varela e, finalmente, surgiu, na revoada brilhante dos modernos escritores, aureolado, festejado como sempre.

Uma individualidade como esta, que acompanha todos os tempos e que se destaca em todas as gerações, é digna de um mais profundo estudo e merecedora de uma grande admiração.

Aqui não é lugar de fazermos esse estudo e feia ação seria essa de quem pretendesse prender a vida de um artista numa coluna ligeira de jornal.

Por isso que, aqui, nos limitamos a render a homenagem devida a tão robusto, quão modesto talento.

Múcio Teixeira tem um horror mudo e frio ao lugar comum que ele despreza, e, entretanto, não tem arreganhos belicosos contra os nulos que frondejam em todos os lugares. É uma alma pura e por isso mesmo grande e generosa. Não é capaz de vir, a propósito de um livro qualquer, estrondeando contra os novos, cuspindo nas modernas escolas, espezinhando os que têm um reflexo de talento. Não. Ele admira os novos, dá-lhes as mãos, aceita todas as escola, defende todos os artistas, admira todos os talentos. Sua vida literária é uma linha reta. Traçada um dia, não fez sinuosidades. A sinuosidade o revolta. E, admirável é que dentro dessa linha, dessa norma traçada, e seguida com amor e trabalho, ele se tenha filiado a tantas escolas, tenha mostrado por muitos prismas a sua inteligência, sem jamais se afastar, recuar ou esmorecer no meio do caminho.

As escolas literárias não conseguiram prender o artista porque ele é um prisioneiro de seu coração. Ele faz a arte não só por amor a arte, como os parnasianos, senão por amor ao sentimento que se pendura numa rima, por um símbolo que se desabrocha num verso, por uma ideia que vibra desesperadamente numa estrofe.

E esse é o verdadeiro artista e o verdadeiro poeta. Poetas e poetas têm surgido e naufragado. Uns, quebram os versos, descabelando e desgrenhando a forma, simulando de bizarria e originalidade. Outros, alisando, brunindo, britando, burilando o verso, o fazem como uma estátua à guisa de um modelo.

O verso porém, em ambos os casos, fica sujeito aos caprichos da moda e às exigências da época. No primeiro a simplicidade ficou divorciada do sentimento, que deve ser simples, franco e espontâneo. No segundo o sentimento desertou de todo e com ele a poesia, ficou o artista, ficou o verso, porém, o poeta, esse desapareceu.

Múcio Teixeira sempre aliou o sentimento à forma de seus versos.

Seus sonhos, ora tristes e nevoentos, gritando como sonâmbulos, despertam grandes emoções e acordam novas ideias. Ora, os seus sonhos, são deliciosamente puros e claros e entram, como aves alvoroçadas, por nossa alma adentro numa revoada de ruflos de asas e cânticos divinos.

Esse poeta, tão espontâneo e tão simples, tanto pôde cantar ao mar bravo e revolto para acalmar-lhe a fúria como sorrir a uma criança loira e ensinar a amar a uma flor.

Tem suspiros mais altos do que os astros e saudades maiores do que os Andes.

Ora é à sua amada que ele vem dizer

— Amar aos vinte e dois anos...

Ora ele embala num verso essa que nasceu tão linda e é 

A filha de um pai tão pobre.

Ora ele canta os "ares nunca dantes navegados" e sobe mais alto do que um aeronauta. Aeronauta do verso, viver junto dos astros e das nuvens e descer à terra para amenizar as dores da vida, eis a sua missão, a missão do poeta.

---

Vida Paulista, 17 de dezembro de 1904.
Pesquisa e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...