domingo, 16 de junho de 2019

A lenda da Amoreira Negra (Lenda), de Eduardo Sequeira


A lenda da Amoreira Negra
Esta amoreira que mais tarde recebeu o nome científico de Morus nigra, tem uma comovente e célebre história de amor.
Tisbe tinha marcado uma entrevista a Píramo sob a copada folhagem de uma amoreira. Tisbe chegou primeiro, e enquanto esperava o bem amado apareceu uma leoa com a boca ainda tinta do sangue da presa que acabara de devorar. A donzela cheia de medo, fugiu correndo, e o vento arrancando-lhe o véu, que lhe envolvia a cabeça, atirou-o junto da leoa, que o despedaçou, tingindo-o de sangue.
Píramo, ao chegar, vê o véu, e julgando que a amante fora devorada pelas feras, cheio de desespero, suicida-se junto da árvore que por tanto tempo lhes abrigara os belos e deliciosos sonhos de amor.
Tisbe, volta pouco depois, e, dando com Píramo moribundo, trespassa o coração com o mesmo ferro de que ele se servira e cai morta sobre o corpo do amante.
Os frutos da árvore brancos até então ficaram depois, para sempre, negros.

---
Eduardo Sequeira - (Lenda dos Vegetais, 1892)
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...