domingo, 16 de junho de 2019

A lenda da Laranjeira (Lenda), de Eduardo Sequeira



É assaz conhecido o emprego nupcial das flores de laranjeira, como emblema da castidade, da pureza absoluta e completa.
Este vegetal é celebrado desde tempos imemoriais, não só pelo aroma sem rival das suas formosas flores, mas também pelos seus belos e deliciosos frutos.
Gubernatis escreve o seguinte relativamente à laranjeira:
"Nos contos populares piemonteses, o reino por excelência, o reino rico, maravilhoso, é o reino de Portugal; e no Piemonte chamam sempre portogalloti às laranjas. Portugal é a região mais ocidental da Europa; no céu, é também no extremo ocidente, onde o sol se esconde, que acreditam estar situado o reino dos bem-aventurados, o paraíso. Foi também no extremo ocidente que Herácles descobriu o jardim das Hespérides com a árvore de frutos de ouro. Por isso assim como o Portugal, a região ocidental, o paraíso e o jardim das Hespérides são no mito, um mesmo e único recanto da "país", assim também a laranja, o portogaloto e a maçã das Hespérides, são na linguagem mítica um único e mesmo fruto. Os gregos como os piemonteses, chamam às laranjas πορτογαλιά os albaneses protokale e os próprios curdos portoghal.
Como explicar tal denominação? Será por que as laranjas são melhores e mais abundantes em Portugal do que em qualquer outra parte? Não, mas é porque foi de Portugal que a cultura da laranjeira se propagou na Europa.
O jesuíta Le Comte, que viveu muitos anos na China, na segunda edição das suas Nouveaux mémoires sur l'état présent de la Chine, dá-nos a seguinte e curiosa informação: "Chamam-lhe em França laranjas da China, porque as que vimos pela primeira vez tinham sido trazidas dali. A primeira e única laranjeira da qual dizem provieram todas, existe ainda em Lisboa na casa do conde de São Lourenço; é aos portugueses que devemos um fruto tão excelente".
A longa e angustiosa peregrinação da Virgem para fugir com o divino filho aos que o queriam assassinar deu origem a grande numero de lendas, muitas das quais se referem aos vegetais, pertencendo a esse numero a que apresentamos relativa à laranjeira.
A sagrada família veio descansar uma tarde à sombra de uma laranjeira guardada por um cego. A Virgem pediu ao cego uma laranja para dar ao filho e aquele respondeu-lhe que colhesse quantas quisesse pois todas eram dela. Então a Virgem colheu três, uma para o Cristo, outra para si e a terceira para São José. E em paga da caridade do cego restituiu-lhe a vista.

---
Eduardo Sequeira - (Lenda dos Vegetais, 1892)
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...