sexta-feira, 21 de junho de 2019

A Rosa de Seda (Conto), de Fernando Pessoa



Uma Aventura Amorosa
Não costumo pôr à arte a canga da sensualidade. Confesso, contudo, que devo a uma obra minha, mas de maneira indireta, uma aventura amorosa. Foi em Barrow-in-Furness que é um porto na costa ocidental da Inglaterra. Ali, certo dia, depois de um trabalho de arqueação, estava eu sentado sobre uma barrica, num cais abandonado. Acabava de escrever um soneto — elo de uma cadeia de vários — em que o fato de estar sentado nessa barrica era um elemento de construção. Aproximou-se de mim uma rapariga, por assim dizer, — aluno, segundo depois soube do liceu (High School) local — e entrou em conversa comigo. Viu que estava a escrever versos e perguntou-me, como nestas ocasiões se costuma perguntar, se eu escrevia versos. Respondi, como nestes casos se responde, que não. A tarde, segundo a sua obrigação tradicional, caia lenta e suave. Deixei-a cair. É conhecida a índole portuguesa e o caráter propício das horas, independentemente das índoles e dos portugueses. Foi isto uma aventura amorosa? Não chegarei a dizê-lo. Foi uma tarde, num cais longe da Pátria; e hoje é, decerto, uma recordação a ouro fosco. Assim diríamos no "Orfeu"; assim não deixarei de o dizer agora.
A vida é extremamente complexa, e os acasos, são, por vezes, necessários. O conto não tem nome, desde o princípio. O ouro fosco ficou úmido e a tarde caiu definitivamente.

---
Pesquisa, digitalização e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...