sexta-feira, 5 de julho de 2019

Chassez le naturel (Conto), de Brito Camacho



Chassez le naturel
O Sr. João Franco foi chamado
de Coimbra, por telegrama,
para formar governo.
(Dos jornais)
Chamado!
Tinha ali, na mão, o telegrama que o chamava, irrecusável como uma prova material, e ainda lhe parecia mentira.
Chamado!
Era outra vez o poder, a autoridade, o mando. Mas agora era o poder sem partilha, era a autoridade sem restrições, era o mando sem controle. Já pelo país inteiro deveria ter soado o seu nome, que lhe parecia ouvir gritado por milhares de bocas, aclamando o Redentor.
Chamado, finalmente!...
Fora longa a proscrição, durante a qual tivera momentos negros de desespero, sem esperança de salvar-se — como um homem que cai ao mar, em noite de tormenta, e vê o navio afastar-se, cada vez mais longe...
Chamado!
Sentia-se crescer, dilatar-se, e já o país lhe parecia pequeno para conter a sua grandeza. Dentro de algumas horas, que entretanto lhe pareciam grandes como séculos, o telégrafo faria saber ao mundo que ele fora chamado, e talvez que num momento preciso, em toda a redondeza do globo, fosse ele o alvo de todas as atenções, invejado por estadistas de todos os países.
O Poder!
Seria econômico e liberal; sem deixar de ser rígido, procuraria ser generoso. Revogaria todas as leis más, e porque muito sofrerá no exílio, sentia-se tomado de uma enorme piedade por todas as vítimas da lei, por quantos sofrem injustiças.
A liberdade!
Nunca tinha pensado nisso. Ela aparecia-lhe agora, na escandência do seu cérebro, como a visão dum mundo novo, feito de luz e de sonho, estonteante como um vinho generoso, que se apetece, irresistível como uma bela mulher, que se deseja.
O Poder! A autoridade! O mando!
Fecharam-se-lhe os olhos, como numa embriaguez de sono, segurando na mão, com força, o telegrama que o chamava.
Adormeceu.
Quando o comboio entrou na gare, já lento, mal se arrastando, a gente que a enchia desatou aos gritos de saudação, mal distintos, quase inarticulados, como são as vozes da multidão incoerente.
Acordou em sobressalto, estremunhado, e como ouvisse aqueles gritos, e visse aquela turba, fora de si, numa alucinação do Poder sem partilhas, da autoridade sem restrições, do mando sem controle, enfiando a cabeça pela ¡anela, engrossando muito a voz, imperiosa como num campo de batalha, gritou por sobre aquele mar de cabeças— Tudo para Timor! Tudo para Timor!
Acordara ao mesmo tempo — o passageiro e o tiranete.

---
Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...