domingo, 7 de julho de 2019

Inferno Verde (Conto), de Alberto Rangel



Inferno Verde

Son coeur, sur qui pèse une
stupeur morne, se soulève en
proie à des tortures convulsives.
Il semble qu`il vienne d`entrevoir
l`enfer dans sa vie, et qu`il se soit
révélé à lui quelque chose de plus
que le désespoir.

Victor Hugo:  Han d´Islande.



Uma nódoa acinzentada, que de repente se apagou aos silvos, obumbrando-se no punhado luxuriante das canaranas, sororocas e embaúbas, era o "gaiola" que deixava o Souto no alto Juruá, desterrado para a luta, na delirante vida de explorar um sertão. O xaveco voltava precipitadamente. Tinha sido o último a subir, em arrojo imprudente. Apressara-o, portanto, o medo de permanecer pela vazante rápida, espetado no tronco de piranheira, ou embicado no tijuco de alguma praia. Se isto acontecesse, ficaria como o Souto, esperando a volta da enchente para descer a Manaus. E o que era ganho e fortuna para o engenheiro, prejudicaria ao armador...

Mas, as esperanças, que tanto acalentavam o Souto, desertaram do seu coração, vendo sumir-se na volta do rio o barco que o trouxera com o derradeiro aviamento. Esse retorno deixava-o, pois, de face estuporada, que lágrimas lavavam amargamente. Alguma coisa partia de si ou lhe era deixado, no mistério do abandono e da saudade. Ele se abroquelara de ferro, por dentro, quando se dispôs a arremeter para o interior do Amazonas a sua ativa ambição de moço e recém-formado. Mas aquela imagem do vapor voltando, dera-lhe o golpe na armadura, e foi, como um dardo, romper-lhe o coração. Lembranças amadas de sua terra e dos seus vieram, em coro triste, dizer-lhe adeuses, abraçá-lo, desanimando-o. E a cada evocação, o Souto afogava-se num soluço irreprimível. Só! Considerava o engenheiro, na raiva e no pesar indefiníveis. Na irritação e abatimento, o choro irresistível e infantil tudo confundia na crise única em que seus nervos se sacudiam, vibrando. Companheiros e família estavam como noutro planeta, ou noutra vida... E se alguma doença o apanhasse, o remédio, talvez, seria apodrecer no barranco, como tantos outros...

Incrível que unicamente agora esses pensamentos o desanimassem. Embarcara de ânimo resoluto em Manaus, e desembarcara assim, suscetível e dolorido. E num desvio imaginativo, conveniente à reparação do espírito desfalecido, ele repassou os vinte e seis dias dessa cidade ao "alto". Pormenorizou-se tudo. O embarque, num meio dia fulminador. O navio estourava da carga, que lhe metia n’água a "marca do seguro". Duzentos homens se comprimiam, onde não haveria lugar para cem, na disparatada promiscuidade, com sacos, caixões, bois e garrafões. As redes, em quincôncio, embaraçadas, sobrepostas umas as outras, até sobre os lombos do gado. Um homem morrera de uma cornada, na rede em que dormia. Era todo um rebanho colhido em navio fantasma para ser lançado numa voragem; e, com o rebanho, a carga pilhada por corsários. Destarte o "gaiola", na vagarosa marcha, esbarrando com balseiros, ou raspando troncos flutuantes, montara o Solimões, beirando sempre a margem para evitar os impulsos da corrente majestosa e profunda. Botos, por boreste, emergiam às cambalhotas. Uma madrugada, em dilúculo de nevoas, que eram como a fumaça de toda a mataria que ardesse, fizera-se pausa para que dissipados os fumos da umidade se entrasse no Juruá. Este parodiava o outro rio. A mesma monotonia no fugente verde negro e esfuminhado. Só mais estreito e esbordado. E, como era março, a cheia, em pleno, dava à paisagem um aspeto aguacento de dilúvio. O gado amontoava-se em currais ilhados. Em Mauichi, o cemitério tinha o topo das cruzes à flor d’água. Muitas vezes, para enterrar os mortos de bordo, não havia terra de pronto. Era preciso esquadrinhar o rio para obter um sepulcro; que tudo sendo uma só campa, não havia lugar para um morto. Parando em Nova Fortaleza, o navio alarmou-se com um dono de seringal, vindo de terra, o qual, loquaz e pernóstico, contava casos ao "imediato", interrompendo-se a cada passo em gargalhar tão estrepitoso que reboava pelo convés com fragor bombástico. Dezessete dias, na mesma faina de vencer praias, estirões e "sacados", que se renovavam desenhados da mesma forma, com a eterna sucessão de nuvens de carapanãs e piuns nas barracas e barracões, onde se tomava lenha, ou se deixava carga, e nas outras paradas bocejantes, a ceifar capim para o gado ou a "dar um lance" aos peixes. Havia variedade nominal nas tabuletas dos barracões; mas, o que elas designavam, era sempre o mesmo tipo, quer de tijolo, quer de paxiúba. A fantasia dos ocupantes ou donos, as suas recordações, a sua sentimentalidade em jogo, escreviam nas margens um glossário abundante, cruel ou enternecedor: Altamira, Novo Paris, Deixa Falar, Miragem, Bom Lugar, Santa Helena. Mas esse longo arrastamento no rego, que parecia não ter fim, não enfadara ao Souto. Tinha sido afinal uma novidade. Sendo o espetáculo igual, adornavam-no, contudo, mil incidentes: o maguari pousado num mulateiro, o batelão tomando lenha, alguns jaburus na boca de um igarapé, mariscando, a algazarra do bando espavorido de curicas ou papagaios, os sons lamurientos de uma sanfona, capivaras fugidias, seringueiros em festa, acenando de terra aos "brabos", embaixo, no convés...

Esse relancear pelo cosmorama da viagem derivou a crise hipocondríaca do Souto, até se distrair em contemplar a tarde. O sol estava feito uma brasa mortiça que nem dava para incendiar o punhado de cotão de nuvens, sob as quais a brasa se apagava... Uma garça "morena" buscava tardia, no segredo do igapó, aconchego para a noite. A natureza tinha um momento de calma, na sua estesia de calor, de luz e de vegetação. Isso acabou restaurando-lhe os nervos.

Anunciado o jantar e que havia macaco e quatipuru, ele acudiu de ânimo já retemperado ao convite insistente.

O dia seguinte, o engenheiro passara-o, revistando a bagagem e tomando notas e providências. Uma canoa e mais dois remeiros, além do Miguel, que trouxera consigo, somente os conseguira muitos dias depois. E, sempre uma coisa e mais outra. Maçado com tanto retardamento considerou-se enfim ditoso, quando, pela primeira manhã fulgurante de abril, se viu acocorado sob a panacarica, que o havia de amparar do cáustico das soalheiras, e sentiu a canoa afastando-se para o Juruá-mirim, ao compasso de remadas enérgicas.

O igarapé era um escorço do rio. As árvores das margens pareciam gigantescas; adquiriam altura em perspectiva pela estreiteza da valeira que bordavam. Aproveitando a sombra, que projetava no ribeiro refolhado uma tarja preta, os remeiros adquiridos na foz, cearenses ambos, palravam sempre, parando os remos. Um deles, o Chico Brabo, cultivava dialética, inventando termos, que muitos supriam as faltas do parco vocabulário regular aprendido: comida era "trupizup", arranjos de pouco ou nenhum ganho eram negócios "atibisque"...

Foi assim, entre o silêncio respeitoso do Miguel e a palrice dos outros homens, que o Souto chegou a uma barraquinha deserta, abafada entre velhas pacoveiras. O bananal apertava a barraca; a floresta sufocava o bananal; e, por sua vez, o céu esmagava a floresta. Foi esse o primeiro pouso do Souto, no remoto confluente do Solimões.

Devoradas as conservas de umas latas, o "trupizup", todos amatalotados se acolheram às redes para dormir. Em torno da luz de petróleo, dançando ao alto da lamparina, uma nuvem densa de catuquins diminutíssimos bailava com a chama. O filósofo, a um canto, perdia-se galrão, em comentário tosco sobre a desigualdade das fortunas humanas. Mas as suas palavras, por fim, não encontravam eco. Miguel ressonava e o outro, o Simeão, conservava-se propositadamente mudo. Afinal, a premissa de um silogismo embotou-se num ronco.

O engenheiro não podia dormir. A acuidade dos seus ouvidos parecia ter aumentado na solidão, O vento, que entrava à vontade pelas brechas da choça, fazia provavelmente distúrbios na floresta rodiante. Havia sons de quedas e assovios, zumbidos, tropear de patas e rechinos... Ora se diria que a mata toda crepitava incendiada e que tombavam, estalando, os troncos portentosos; ora, rolamento de avalanches, pizzicatos em bordões de violoncelos, arcadas em violetas e contrabaixos; ora, machadadas, guinchos, pipilos e cicios. Nesse concerto distinguia-se o concurso feral das corujas. As gargalhadas, despedia-as a "mãe da lua" – a irutaí sarcástica. Acompanhavam-na em módulos vários, os murucututús, "rasga-mortalhas" bacuraus, ducucus e acuraus... A floresta sofria, a floresta ria...

Dedos convulsos de um gênio em delírio tangiam as cordas infinitas dessa grande harpa de esmeralda, arrancando-lhe acordes e síncopes harmoniosos ou incoerentes, na execução confusa da mais aterrorizante das sinfonias. Acentos chumanianos, a solene gravidade de Berlioz, dissipados em dissonâncias loucas, em descompassos chocantes...

Houve um instante, em que Souto ouviu, a princípio indistintamente no sussurro, um grande ofego de muitos peitos humanos esbofados, que respirassem demoradamente. Depois se acentuou o corpo dos sons roucos e sfogatos. E a esse estertor enorme, mas abafado, os outros sons morreram. No tumulto ficou somente esse arfar monstruoso, que se pensaria ser de todos os troncos, em ressono, na dormência da vasta noite: – era o regougo dos guaribas, de certo à beira de um igapó central.

O magote saltígrado e estentórico dos símios, em mugido coral, acabou adormentando o engenheiro, que acordou diante do café matinal, ao ameaço do alvor crástino. Urus trinavam melodiosamente, imitando trilos de frautas rústicas de faunos, concertando um cherzo. Gotejava das pontas das palmas, no beiral, grosso orvalho frígido.

Daí a uma hora, a montaria retomava o seu andar moroso. Ronceira, por mal construída, um dos camaradas a apelidara, com justeza: – "Tartaruga". O Miguel pilotava com cuidado, evitando a zona correntosa do curso; mas a tardígrada, a custo, seguia pela corda ou pelo arco das inflexões, em praias e barrancos, que se interpolavam, na disposição dos coleios de cobra, que de repente estacasse no bote.

Dois dias mais tarde, vingadas as linhas subtensas, ou os ramos das curvas, chegaram a Boa Vista, coroada de manivas, mamoeiros e canas, onde se lhe juntaram mais uma canoa e três homens "de corda".

Bem para diante, do Tamboríaco para cima, devia o Souto ir compassando a marcha com o levantamento topográfico. E, para a foz do Tamboríaco seriam ainda dezesseis horas de canícula e de piuns. Era mister avançar, portanto. Naquele destino o mais seguro estaria em caminhar depressa. Para domar o perigo, aconselharia a prudência vencê-lo a galopadas.

Em uma barraquinha, assentada ao lado de pântano verdacho, onde se teriam dado entrevista todos os piuns e mutucas do rio, os viajores em bando passaram a tarde e a noite. Essa morada de calangos, tijubinas e osgas assustadiças, com as paxiúbas e desfazerem-se, o teto de cauaçu esburacado, parecia assim, por influência da apostema do pântano. Alguns pés de macaxeira e um molho de bananeiras mal-medradas, toda a agricultura de em volta, dir-se-ia sofrerem também do pego miasmático, que tinha de face meia dúzia de metros apenas, e servia de tanque de natação a um farrancho de rãs aos saltos e a boiar, coaxando em uníssono a melodia brejosa, fácil e repetida nas exéquias dos crepúsculos.

Aquela dormida arrepiara ao Souto. O pantanosinho toldado obsedava-o; e, para afugentar ideias fúnebres, ele pôs-se a ler a "Carne" de Júlio Ribeiro, que encontrara, com surpresa, na barraca fantástica. O defeituoso livro do gramático respirava largamente a oxigenada e forte natureza paulista, tão em contraste a esse canto, onde eflúvios letais d água morta tudo circundavam de um véu funesto. A mão do gênio do mal, que habitasse os limos do pântano, deixaria esse livro na barraca, no intuito de dar aos seus hospedes a derradeira visão da Vida, nas imagens do romance estapafúrdio, em que um grande símbolo se glorifica no corpo viçoso de Lenita.

O Chico Brabo, espichado na maqueira entoava repisando uma cantiga nagô. A melopeia bárbara, que vinha d África, trazia algemada nos seus langorosos ritornellos a tristeza insondável de um brigue negreiro, de velame murcho, na calmaria podre do mar...

Seria na madrugada seguinte o começo do serviço. Mesmo defronte da barraca, sombriamente decorada das algas do pântano, foi batida a estaca inicial. Nenhuma solenidade. Três palmos do galho, apanhado ali perto, no qual se abrira entalhe característico, morderam o chão, cravando-se como um dente, gigantesco e venenoso de imponderável veneno borgiesco, que daria síncopes mortais à terra esfalfada na fatura exploração. Os pés da tripeça da bússola abriram-se, como os de uma aranha monumental; o Souto espiou no olhal do prisma, tomando uma nota breve na caderneta. Rebateu as pínulas. Em seguida, retirou da caixa a luneta de Lugeol, e visou firme para o mesmo ponto, em que a mira se estadeava, branca e vermelha, condecorando de uma placa extravagante o peitoral da florestal espaventada.

Àquela hora matutina, o cálice profundo e infeto do lodaçal exalava em névoas ralas. Apenas a primeira estaca fincada, guardada a luneta e encolhidas as pernas da bússola, para ser tudo removido à estação seguinte, o sol montava o cimo da floresta, espanando raios, que dissipavam a nevoaça a espadeiradas fulgurantes.

Os lotes a demarcar acompanhavam as voltas do igarapé; e o caminhamento, ao fim da tarde, toparia a Nova Vida.

Paus enormes, entrançados de galhos, atravancavam o caminho. Assim, era preciso repetidamente devassar a ferro o atulhado igarapé. Desde a foz que ele obrigava a essa tarefa. Para navegar necessitava-se derrubar. A água, rabeando na floresta e a cada passo atraindo lanços desta, num propósito firme de obstruir as próprias linhas naturais de penetração, tornava mais imprescindível o machado que o remo.

Perante o tronco mastodôntico, barrando a passagem, impunha-se descarregar as montarias e fazê-las passar submergidas, para desalagá-las depois, atestando-as de novo da carga, que tinha sido deposta em terra provisoriamente. Em outras ocasiões se encilhava de cascas de embaúba o dorso do tronco, para que a embarcação à força de braços escorregasse pulando por sobre o brusco e rígido empecilho.

Salteando os passageiros, os galhos das articulosas tabocas penduravam-se, suspendendo anzóis. Os acúleos traiçoeiros podiam rasgar o fato, lanhar a pele, ou vazar os olhos.

Tudo conspirava para aumentar de pungência o sacrifício do Souto. Os piuns supliciavam a jornada; e, com os piuns, irritando-lhe a epiderme das mãos, que a nuca a resguardava um mosquiteiro de cabeça providencial, a lembrança obsedante da lagoa letal...

À noite, na Nova Vida, o engenheiro foi sentido o corpo machucado e de juntas doloridas. Apressou-se a ingerir uma cápsula de quinino. Uns leves calafrios lhe trespassavam seguidamente os músculos fatigados. Aquela dormida na véspera, na barraca da "Carne" e da poça lodosa! Um calor lhe subia à cabeça, em estranha queima... a boca seca...

Souto despertara tarde. Ao esmaecer da manhã sentira-se melhor, saltara nervosamente da rede. O Miguel trouxera-lhe macaxeiras cozidas e um guisado de anta; tocara de leve no repasto, mas saboreara uns goles de café fumegante.

Era mister, contudo, continuar a lide. O Souto não se desvanecia. Fora um acesso, sem consequências talvez. Ele precisava vencer tudo. Coragem era ainda a melhor terapêutica. Bem comuns casos fatais, filhos do medo. Evitar a receptividade mórbida, era o problema. Desde que o Souto conseguira dominar os vagos receios da alma, para chegar ao alto desse sertão, onde lhe tinha sido dado buscar a fortuna para gozá-la entre os seus, no Sul, não seria na cumeada que desanimasse. Sentia-se bem melhor... E deu ordem aos camaradas para aprontarem as montarias.

De estação em estação, a marcha prosseguiu, nesse dia, na mesma intercadência de visadas, constâncias de piuns cáusticos e sol ardente e o engraçado das arvores, impedindo a passagem.

Uma cachoeira pôs, pela primeira vez no caminho, um obstáculo rumoroso e esfervilhado. Foi preciso todos se meterem na água fria do igarapé, deixando que as frágeis embarcações presas a cordas montassem o rápido, felizmente salvas na espuma e borbulhamentos de fervura.

De vez em vez, à direita ou à esquerda, rastos acentuados de antas e porcos, ou um pé de manacá florido.

Escondidos na obscuridade e entrançado dos ramos, que tamisavam os barrancos, viam-se estas construções primevas: – os taperis. Distinguiam-se nitidamente os feitos por patrícios, ou por peruanos. Obras, finalizadas em arcabouço, tinham feitios diferentes para o mesmo objeto, o de servir de pouso em uma noitada. Os taperis peruanos exprimiam, mais a fundo, a precariedade na sua utilização pelos nômades. Marcavam eles que se penetrava na zona do caucho, nessas contravertentes de tributários da margem direita do Ucaiali. Eram bem o edifício de instante para o trabalho de uma jornada. Não há conceber coisa mais reduzida: seis varinhas de uns três palmos de altura, fincadas no chão, suportando o toldo o improvisado de palhas.

O caucheiro não constrói palácios; nos seus estádios planta iuca e plátano substanciais; isto sim, a fartar. O que ele quer, é passar; mas, atendendo previdente que nessa corrida há escalas por estações forçadas de parada. Embora! O machado e a ubá são os dois instrumentos emblemáticos da sua indústria. Um destrói, outro transporta. O taperi é o digno traço de união dessas duas operações, que resumem a devastação caucheira. Ele é o único elemento fixo, posto que com a frágil consistência da teia de uma aranha, ou da casa de uma tatucaba.

O Souto no mal estar físico, que a custo se esforçava por subjugar, perdia-se em cismas e reflexões.

O dia, horrível de calor e de "praga", findara à foz do Funil, como acabou, na tarde seguinte, na barraca que era quase um taperi: – meia dúzia de paxiúbas, com outras tantas folhas de jaci, cobrindo-as. Habitava-a um caboclo de Parintins, excepcionalmente fazendo de "cearense", no fundo lobrego desse igarapé seringuífero.

O morador do taperi andava fora, quando chegaram o Souto e os homens, que foram logo se acantonando. Daí a pouco um tiro de rifle ressoou na mata, em estampido reboante. Mal tinham os hospedes armado as redes, e acendido com gravetos o fogo para aquentar a feijoada "Paredão" e os camarões de conserva, quando o caboclo surgiu, vergado completamente ao peso de um formidável "queixada". O caçador deixara na mata os intestinos da vítima para tornar o carrego mais leve. Em frêmito de alegria, os camaradas saudaram com expansões o morto: – "Bichão!" – "danado!"

Amplo fumívoro, o céu aparava das labaredas do acaso os fumos da noite, vinda num repente.

Souto prostrado na rede sentia o latejo das fontes, a secura dos lábios crestados do fogo interior que o abrasava todo. Enquanto o caboclo e o Simeão escortaçavam o porco, e certa agitação animava a turma diante do "fresco", Souto resistia num combate formidável aos pensamentos de desânimo, que procuravam invadi-lo na febre. Toda a noite ele viu no entretanto horrores; ora em fogo, ora em gelo, no algor, o seu corpo parecia precipitar-se em abismos, ou achatar-se por desabamentos formidáveis; o plácido igarapé corria ao fundo da terra, por uma helicoide, escortinada em fila dupla de monstros, que vomitavam chamas...

A noite toda se lhe cortou de enregelamentos, incêndios e pavores do delírio. O Miguel aproximava-se, de vez em vez, a examinar e cuidar do patrão:

– Sossegue – doutor, aconselhava num carinho curto.

Pela manhã os olhos do Souto se emolduravam num bistre forte, no rosto entalhado em linhas ásperas de magreza lívida.

Quando as montarias partiram na teima da faina o dia ia alto; mas entre os paredões de pedra e na sombra completa das copas, que os galhos sustentavam em nervuras de abóbadas por sobre o igarapé fraguado, remansoso e belo, a impressão era de ser tarde feita. Grandes borboletas azuis passavam lentas, evoluindo, balanceando entediadas na penumbra.

Subitamente, o Souto, ao lado da tripeça do instrumento, se apoiou no chão arenoso de uma praiazinha, fechando e guardando a caderneta. Abelhas negras, miúdas

molengas, apoquentavam-no. Piuns caçavam-lhe luvas enfogadas de chispas escaldantes. Não podia prosseguir. Caía ao meio da carreira. Vencia-o afinal a febre recrudescente. E, num arrepio de todos os membros enfadados, ordenou com excitação involuntária o regresso imediato. Aguardar-se-iam no Nazaré, à foz do Funil, as resoluções do morbus...

Ao sabor da corrente veloz, ao cavar rápido e alestado dos remos, as canoazinhas voltavam, como que interessadas em salvar o engenheiro. Ao chegaram ao Funil, o "aviado" agasalhou com piedade o doente no seu medíocre barracão, que se alapardava lugubremente num débil bosquete de embaúbas.

Já aí estava recém-vindo o seringueiro, freguês "aviado", que trouxera as "peles" de borracha de seu "fabrico" pela água do igarapé, desde a barraca no "centro" até a margem do Juruá-mirim. Ele viera pastoreando esse rebanho flutuante, que a água encaminhava, perdendo-se por vezes as estranha reses nos balseiros, sendo preciso descobrir as bolas escuras, que caprichavam ficar por trás de troncos, ou escondidas no matupá. Com um pedaço de taboca guiava-as pelos meandros da estrada em que sobrenadavam, incitando as retardatárias à senda cega da malhada, de arrasto na corrente. Enfim conseguira ajuntá-las, com falta de duas menores.

O pastor de curioso pastorejo havia voltado para sua barraca central, levando às costas o jamaxi sopesado de mercadorias que lhe fornecera o "aviado"; ficara o Souto, esperando melhoras. Uns dias bem, outros mal. Naqueles, o Souto aproveitava desenhar o serviço feito, ou observar o sol, em alturas correspondentes, para determinar a declinação magnética local. Tinha ainda fé, confiava... Aquilo havia de passar. O quinino triunfaria... Mas o Souto se descarnava. Cada vinte quatro horas de acessos, cada reduzir de energias e de músculos. Oito dias assim esteve o Souto no Funil, em delírios, inapetências e calmas passageiras. E a definhar sempre... O "aviado" aconselhou a volta ao Juruá:

– Lá fora o doutor melhorará... Há mais recursos...

Afinal o engenheiro resolveu descer. Reconheceu a necessidade deste sacrifício: – a porta da felicidade, senti-la aberta, e por sobre ele, posto fora, vê-la fechar-se nos gonzos... Contudo, talvez ainda se restabelecesse, para tentar de novo as obrigações profissionais com os seus comitentes. O coitado sacudia vamente a aldrava dessa porta...

Ao passar em cada barraca, de volta ao Juruá, a ilusão da cura sofria um golpe. Havia muito ficara rejeitada na mata aquela cabana, junto ao escorralho pútrido do pântano. Souto reconhecera a nefanda, por seus olhos, que ardiam, ao dobrar uma volta esborcinada do igarapé. Sumindo-se de súbito à popa, o Souto cuidava desoprimir-se para sempre do avantesma. Mas este só o deixou quando um dia, ao monolugar alto do Chico Brabo: – "...os rios são as veias da terra..." o Juruá se anunciara às duas proas delgadas das montarias.

A confluência do Juruá-mirim com o Juruá é o abraço de filho a um pai. Com carinho se fundem, no expansivo amplexo de braço amoroso e longo apertando o peito amado. O igarapé deve participar do sentimento de quem por ele desemboca no rio: – a consolante alegria de chegar, depois de sombriamente curtir a triste vida, encerrado na opressão de uma floresta.

Vem o prodigo, vem, vadeoso... Torcendo-se na ânsia que o conturba, entre vagares de fadiga e vertigens de adoudado, faminto e namorado, em trégua à calamidade que o fustiga, esfolegando amortecido no enlevo do sonho que o absorve...

Unicamente em fins de julho começariam os vapores a avançar do Riozinho da Liberdade para cima, acudindo à safra. Da última quinzena de março a essa data, a água se esgota pelo rasgão do rio; e o castigo dos barcos retardatários é ficarem ao alto das praias, com o casco escorado, em seco, enquanto em torno, plantados pelos embarcadiços, lavradores ad hoc por sedentários, os milhos pendoam, o feijão floresce e os jerimuns e melancias estendem-se, amadurando na areia os frutos enormes.

Nenhuma esperança, em consequência, restava ao Souto, cujo estado se agravava, de ser ali colhido por um desses libertadores e providenciais "gaiolas". Resolvera por isso, deixando no Invencível o pessoal da turma, continuar a descer o Juruá ao encontro de condução melhor, apenas com o Miguel piloteando a montaria.

A febre tenaz, rápida, tresvariante, era implacável. Os acessos não escolhiam hora; assaltavam o Souto em todo tempo, em desabrido vigor de cólera insaciável. Nas raras remitências do mal, o engenheiro erguia-se do jirau da canoa e, apoiado na tolda, ia olhando as margens do rio encardido e configurado num sulco, aos torcicolos, uniforme e infinito...

Nem parecia ser o mesmo caminho, que percorrera no "gaiola" subindo. Os barrancos haviam despropositadamente alteado; as areias das praias favoráveis à sirga tinham crescido, contidas em moldura maior. Diante cada barracão estacionava, às vezes encalhada, a casinha de um banheiro flutuante. Pelas bordas, as paxiúbas, as iriarteas de Martius, alinhavam-se em pilares, com os seus capitéis farfalhantes de espatas e palmas brônzeas.

Naquele suceder monótono, alongado por praias alvas e estirões sombrios, incidentes mínimos distraíam o Souto: – a lancha naufragada, sem toldo, adornada, com o resto de balaústres apontados nas bordas esfaceladas; uma "preguiça" na embaubeira; o tracajá que mergulhava; gaivotas revoando num pipilar estridente; a jiboia em rolo, adormecida ao sol; o bando lerdo de "ciganas" intrometendo-se, nas ramagens baixas dos arbustos; fugindo por entre as ramagens altas...

Em cada praia, onde verdejava o "legume", se armava uma figura para espantalho. Era preciso amedrontar as antas e capivaras, como as maracanãs, "papa-arroz", "viuvinhas"156 e finfins... Comprazia-se, o seringueiro na invenção dessas armações disparatadas, com o intuito útil de arredar quadrúpedes e afastar passarinhos, todos malfazejos às plantas ou aos grãos.

Os simulacros iam da simples vara, onde se dependurava uns panos, flâmula ou lençol, até o arranjo em semelhança de um homem com chapéu alto.

Pelas lavouras fáceis, que a água se incumbia de lavrar a terra e o seringueiro de semear, dir-se-ia a única população regional, essa, imóvel, pungitiva, extravagante, paralisada, muda, em atitudes coreicas de uma dança de São Vito, entre os curutos dos milhos e as ramas dos feijoais.

Interessava, afinal, a galeria estroina de vultos grotescos pelas voltas desamparadas do rio. Um, espasmado, enganchava-se numa cruz de arremedo sacrílego a sagrado martírio; outro, enrolado numa capa, parecia inspecionar com ar sombrio os estolhos da plantação; outro semelhava um soldado de guarda; outro, um enorme vampiro; outro ainda fingia mulher, acalentando um filho...

Uma desbragada fantasia na modelagem desses esboços achamboados, homúnculos e animais, seres tronchos de varas e molambos. Quando o vento vinha, animava a muitos dos bonecos de engonço. Balouçavam então, como enforcados; e os trapos das mangas, ou das saias, ou dos mantos abanavam afligentes; bamboleavam gingões, burlescos, esperneando no agitar de estortegadura macabra. Simples retalhos, na ponta das hastes, davam a ilusão de lenços em uma despedida angustiosa, ou de estandartes rotos em vendavais estranhos; o que imitava asas adejava; e o que fazia de braços acenava. Na cinza vesperal aqueles manequins albardados enegreciam-se lembrando carvões de Goia...

Durante toda uma semana a "Tartaruga" foi passando a revista daquela guarda funambulesca das culturas na vazante.

Na várzea roçada de pouco, na boca do Moa, desdobrava-se um acampamento de forças do Exército, que na marcha de jabutis, ou de guaiamuns num mangue, iam operar no Amônia. Notas de corno-clarim rompiam em acentos argentinos a região brenhosa, pasmada a essa inesperada visão de pelotões e disciplina de guerra. O vermelho garance dos uniformes, o branco das tendas, mimoseavam a mata de inflorescência desconhecida.

Um colega "de Escola", alferes-aluno, reconheceu o engenheiro. Convidou-o a saltar em terra; prodigalizou-lhe enfim mil atenções de enfermeiro e de irmão.

Desgostara, porém, ao Souto, esse estreito círculo de tarimba: – choco de paixões humanas no largo virginal de um sertão. O que tinha a soldadesca de devotada e bem disposta, tinham os oficiais de macambúzios e queixando-se de tudo, maldizendo-se, forjando intrigas, ou discutindo política. Uma frouxidão d´alma caracterizava esses indivíduos, aos quais, pela maior parte, faltava evidentemente um completo e rijo treinamento físico e moral. Eram militares; e, o que lhes reservava a profissão de sofrimento e desconforto dava-lhes azedume, torcia-os de rancor!

Comandar a guarda, dar o "estado", ou assistir a uma "ordem", nisso criam poder limitar as funções, nortear os ideais e pompear-se a vida! O país não deveria preocupar-se em fazer traduzir do alemão e do francês a arma, o fardamento, a viatura e a manobra; mas, preparar os seus assoldados para a Defesa e para a Morte, no culto e formação das dedicações serenas, que nada reclamassem no sacrifício... Assim pensando, irritado, deixou o engenheiro o aquartelamento dos expedicionários, enquanto pela manhã se ruborizava o céu ao comovente estridor do toque da alvorada. Esse ritmo lancinava. Parecia dizer a mágoa funda desses forçados de uniforme que, proscritos da Pátria, tivessem feito uma alta no lodaçal amazônico. A floresta e o rio beberam empedernidos o melodiar pungente das cornetas.

No escorrer do esgoto por um fosso de drenagem, as águas continuaram a abrir o caminho à montaria do Souto, até que, por mandado deste, o Miguel a fez encostar a um barranco escalavrado, ervecente de membeca e "malícia", onde a subida esboroada mal se divisava.

Souto, apoiado em Miguel, pôde galgá-la, tomado de uma penosa debilidade. Foi-se arrastando pelo aclive forte, como uma rês exangue, empurrada ao cutilão do carniceiro. Na grimpa do barranco, um capitarizeiro matizava-se aparatoso de flores jalnes. No terreiro, juritis que ciscavam, tomadas de susto, abalaram para o refego dos arbúsculos. A muito custo alcançaram o estrado da tapera de jarina, que estava toucada, na aberta da mata, da maravilhosa floração de um grande roseiral.

Aquela ruína, estupeficante de miséria e abandono, engalanava-se de corolas todas vermelhas, bocas rindo no sorriso divinal das pétalas espalmas junto à tristeza da alma da tapera; e, rindo ainda, as rosas álacres, até se despetalarem escarninhas daquele infortúnio que chegava, como se viesse a buscá-las, para perfumar-se e socorrer-se delas!

Onde estariam as mãos românticas e amorosas que as teriam plantado, na fantasia extrema e delicada de povoar lascivamente a solidão de um "defumador" de borracha daquela festa floral de um jardim de fadas? Mãos ásperas e maltratadas, mãos de seringueiro, ao redor do casebre, foram sem dúvida, dia a dia, chantando pelo solo as mudas dessas roseiras. Depois, o mocambo desprezado caía em desmantelo, no desamparo, pedaço a pedaço, aos aguaceiros de dezembro, ao chicotear das ventanias...

Em despique as roseiras destratadas cresciam furiosas, ao refrigério das chuvadas, ao embalo quente dos alísios, aos beijos do mormaço, solitárias, voluptuosas, abraçando-se às vergastadas do vento, no entrelaçar afagante e carnal dos cálices e ramas.

Uma cova enfeitada na primavera, esse rancho apalhado... Talvez, dedos misteriosos de bruxas colheriam as rosas, a meio de alguma noite de prodígios, para festões de um sabbato; talvez sombras dantescas de amantes, encarceradas na tapera, se ornariam das rosas, consolando-se no florejar suntuoso desse degredo...

Miguel armou a rede do patrão enfermo e foi preparar o lume.

Dois "rouxinóis", chilreando, saltitavam vadios no "capote" das palhas do teto da choupana. Voejavam mutucas pretas, sanguissedentas. Souto não dava acordo de si, exinanido na pirexia tremenda. Ao fundo da rede era um fardo; tinha o aspeto de viver, que lho dava o dolorido arfar de dispneia. O corpo, no afogo, comburia numa pira invisível.

Fora, em semelhante fogueira, a natureza febricitante ardia. O sol despejava na tapera e no roseiral um metal fundido e translúcido. A glória do dia, a pino, exprimia-se no desespero de abrasar tudo. Aquele recanto da terra dourava-se a fogo.

A água espelhenta do rio era aço líquido, borbotado de um forno, escoando-se no molde. Não havia folha que bulisse, todas anerviadas na estagnação geral. Em volutas deléveis, o fumosinho lento do fogo, atiçado pelo Miguel, espiralava-se com dificuldades no ar de fornalha. Zioziavam cigarras ocultas nos bastidores da mata, chiando em prestíssimos e ralentandos o motivo do seu canto bucólico...

Ao por do sol caldeante a pompa flavescente do dia descorava, escurentando-se; empanavam-se os seus ouros rútilos e irradiosos ficavam os seus diamantes.

Vendo que o patrão sossegava, Miguel, às pressas, engolindo o chibé, saiu a sondar os arredores, a buscar alguém para com ele assistir ao doente. E, provavelmente, haveria um socorro...

Na ausência do Miguel, o desgraçado Souto ergueu-se de repente da rede. Tiritava incendiado. Tendo descido do estrado para o meio do roseiral, ele agitava-se todo em gestos convulsionados, num delírio de ação, apontando em ameaças às arvores em torno. E repetia frases que se estrangulavam, delindo-se em murmúrios: "Minha terra... Os meus... Minha terra, que deixei..." Em dado momento atirou-se às rosas, e as arrancava das hastes, sangrando-se nestas. Procurava cobrir-se das corolas despedaçadas; levava-as à cabeça, tentando delas coroar-se anacreôntico, num triunfo que não merecesse. Logo as repelia de si, ajuntando-as depois, beijava-as e procurava esmagá-las com os pés. E, lamentavelmente ferido, o Souto, tropeçando, debatendo-se no roseiral, desflorava-o, ceifando-o num desancar de tufão.

Justamente quando o Miguel chegava, acompanhado de um seringueiro, ele caía no estendedouro do rosal, apostrofando à mata, esposada com o rio:

– Inferno!... Inferno... Verde!

Os dois recém-chegados acorreram apiedados. Mãos e face ensanguentadas, dando a ideia de que a luta com adversário invisível e execrável tinha sido corpo a corpo e a unhadas, o engenheiro, no meio das rosas, na ocasião de ser erguido, morria num sorriso de alívio, à frenesiada crispação dos seus músculos atritos.

Não houve eco que apanhasse e devolvesse as palavras de fel dos lábios do Vencido. A terra ambiente com elas ganhava o dístico e o ferrete: – INFERNO VERDE!

Mas essa terra que, matando o aventureiro, o estemava de rosas, poderia no entretanto responder: "Perdoo-te e compreendo o estigma que me lanças. Fui um paraíso. Para a raça íncola nenhuma pátria melhor, mais farta e benfazeja. Por mim as tribos erravam, no sublime desabafo dos instintos de conservação, livres nas marnotas pelas bacias fluviais afora. Ainda hoje, o caboclo, sobra viril desvalida nos destroços da invasão, vive renunciado e silencioso, adorando-me e bendizendo: – seu repouso edênico, sua plaga abençoada, seu recanto pacifico, na herança fetíchica e venerativa dos povos autóctones de onde proveio. Diante os insucessos da avidez do "branco", o nativo murmurará: "Contudo aqui se sofre, mas ainda se aguenta..." Se não paraíso, ser-lhe-ei um purgatório, no qual ele expia conformado a sua impotência, na dilação impiedosa da Justiça, que o reabilitará em suma, rememorando a sua história de heroísmos obscuros, na luta com as fatalidades sociais que o esmagarão completamente. Inferno é o Amazonas... Inferno verde do explorador moderno, vândalo inquieto, com a imagem amada das terras donde veio carinhosamente resguardada na alma ansiada de paixão por dominar a terra virgem que barbaramente violenta. Eu resisto à violência dos estupradores... Mas enfim, o inferno verde, se é a geena de torturas, é a mansão de uma esperança: sou a terra prometida às raças superiores, tonificadoras, vigorosas, dotadas de firmeza, inteligência e providas de dinheiro; e que, um dia, virão assentar no meu seio a definitiva obra de civilização, que os primeiros imigrados, humildes e pobres pionnieri do presente, esboçam confusamente entre blasfêmias e ranger de dentes. Pobre jesuíta vaticinou-me, na escuridão fria de um ergástulo, que eu seria "delícias dos homens, regalo da vida e inveja do mundo". Outros virão, os felizes, na terra semeada e desbravada, meter o alicerce fundo da urbs, onde foi o abarracamento provisório do settler. Tanta lágrima e tanto sofrimento são o apanágio do passageiro tempo, que antecede as vitórias... Não se me vence a sorrir... Exijo os sacrifícios que os antigos deuses reclamavam: sangue e morte. A expiação vale, porém, a apoteose. Que um Poeta solenize, no esplendor de estrofes perfeitas, as Vítimas e a Derrota; o fecho do poema aludirá ao meu Destino, à glória do VALE FECUNDÍSSIMO – reino das Águas correntes, horto das Orquídeas e Palmeiras, império das Héveas e Uaupé assus!..."

E a terra ínvia, confortada e desdenhosa em sua nobre serenidade profética, acrescentaria: "Oh! Infeliz Invasor! Fadejas desenraizado, descontente, praguejando, mas fertilizas... Por ti sou denegrida; que importa! Impassível, porém, aguardo as gerações que hão de seguir, cantando, o carro de meu triunfo!"

Contudo, a terra insonte ficou silenciosa desse silêncio dos mundos incriados; e o homem imobilizou-se num sono tranquilo, na paz da Natureza indiferente à Ignomínia e ao Despeito...

Adiantando-se a tarde, o caboclo Miguel começou a algumas braças da tapera, vagarosamente, a cavar uma sepultura.


---

Pesquisa e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...