segunda-feira, 8 de julho de 2019

Lenda Jauí ou Rarianá (Lenda), de Barbosa Rodrigues


Lenda Jauí ou Rarianá

Contam os velhos que no nosso princípio apareceu no rio Ucaiari uma grande porção de mulheres, acompanhadas de velhos já impotentes, pelo que não podiam ter filhos.

Ficaram sentidas por não terem mais filhos e por verem que assim se acabaria o mundo, não ficando ninguém em seu logar.

Apareceu-lhes um dia o feiticeiro que viera com elas e assim lhes perguntou:

— Vocês estão tristes?

— Sim, estamos tristes porque vemos que os homens estão impotentes e apesar de terem bebido o kangeruku não prestam.

— Não fiquem tristes porque terão ainda descendentes.

— Como? Como?

— Vocês vão saber, tomem primeiro um banho. Correram cantando para o rio e foram-se banhar. Quando saíram d'água o feiticeiro lhes disse:

— Agora vocês terão filhos, porque já a cobra grande as emprenhou.

Depois de passadas as luas apareceram, no mesmo dia, todas as crianças. A mais moça foi que teve a filha mais bonita. Esta criança cresceu. Quando cresceu tornou-se ainda mais bonita e todos os rapazes queriam casar-se com ela. Andando um dia pelo mato encontrou com uns macacos comendo frutas de Uaku.

— São bem bonitas estas frutas para se comer.

— Queres? Perguntou-lhe o Uaku.

— Quero.

— É boa!

Ajuntou uma porção, comeu muitas a escorrer o caldo até chegar ao caminho das crianças. Passaram-se luas sem que aparecessem os mênstruos enquanto a barriga lhe crescia. Os rapazes perguntaram:

— Quem te emprenhou?

— Tu não nos quiseste, pois agora te matamos se não nos contares quem foi que te emprenhou. A moça respondeu:

— Não sei o que foi que fez a minha barriga crescer, eu só comi as frutas de Uaku.

— Deveras? O que fazer agora?

noite quando foi dormir, desapareceu o filho. Chorou muito, procurou-o por toda a parte, porém não o achou; chegando junto ao tronco do Uaku ouviu uma criança chorar, porém não a achou. Ali no toco do Uaku a noite dormiu. Acordando de manhã achou os seios secos, a criança havia mamado toda a noite.

Todos os dias ouvia a criança chorar até chegar a noite, e de manhã tinha os peitos secos porque a criança mamava. Assim todos os dias.

Um ano depois a criança não chorou mais e os peitos secaram. Depois daquilo ouvia a criança brincar, rir, correr, não vendo quem brincava.

Os dias foram-se passando.

Um dia apareceu-lhe o filho já homem, e saindo lhe fogo das mãos e da cabeça.

— Minha mãe, já aqui estou, vamos para casa.

Todo o povo alegrou-se, correu para ele e os anciões vieram vê-lo.

Quando os feiticeiros o viram o assopraram e deram-lhe o nome de Izi; “tu te originaste da fruta”. O povo falou:

— Este será o nosso chefe. Nós o queremos para chefe. Ele disse:

— Não posso ser vosso chefe, ainda não tenho a pedra nanacy para ser chefe, é a que está na serra do gancho da lua.

Dizem que o sol lhe dera um saquinho cheio de coisas encantadas que servem para feitiço. O sol lhe disse:

— Aqui está, meu filho, tudo quanto quiseres fazer aqui dentro acharás. Onde eu chegar, tu chegarás e todos te ouvirão.

Contam que as mulheres queriam ir à serra buscar a pedra de chefe. Os homens também o queriam. Os feiticeiros então falaram:

— As mulheres não podem pegar nessa pedra.

Começaram todos a brigar.

Izi tirou então do saquinho umas panelinhas, pôs nelas fogo e breu a ferver.

Quando começou a ferver, da fumaça, saíram morcegos. Depois saíram bacuraus, murucutus, jacurutus e outras aves noturnas.

Depois saíram outras aves, como andorinhas. Depois saíram gaviões e quando saía o Gavião real, Izi o agarrou e disse:

— Gavião, leva-me à serra do gancho da lua e me tornarás a trazer para eu te soltar. O Gavião o levou à serra.

Chegando em cima da serra, achou a lua ali assentada. A lua falou:

— Toma à tua pedra, recebe a tua nobreza, que com ela serás chefe do teu povo. Reúne a tua gente e faz jejuar, que eu vou te ensinar como hás de governar a tua gente. Aquele que te não obedecer, mata.

Agora vai-te embora. Izi foi-se embora.

Chegando, de volta, mandou embora o gavião.

Dizem que, quando chegou, chamou os anciões e os feiticeiros, contou-lhes tudo quanto a lua lhe dissera e pediu que não contassem e desapareceu deles.

As mulheres querendo saber o que Izi dissera, procuraram enganar os velhos.

Quando anoiteceu, as moças mais sedutoras foram ter à rede dos velhos e os agradaram para que contassem.

Os velhos cansados dormiram e quando acordaram não viram ninguém.

— Eu sonhei.

— Eu também.

— Eu também.

Começaram os velhos a conversar.

As mulheres tendo sabido tudo quanto Izi disse, foram-se fazer chefes.

Os homens também quiseram.

Dos velhos que contaram, um Izi queimou, lançou as cinzas ao vento e delas saíram lacraias, outros animais e plantas venenosas; outro virou em sapo, outro em cobra.

Izi reapareceu, mandou jejuar, açoitou os homens e as mulheres, correu atrás da que revelou o segredo, e, para que não o divulgasse mais, a matou depois de ter tido cópula com ela.

Depois disso fez a sua grande festa, reuniu quatro velhos, e proibiu as mulheres de vê-la e ouvi-la.

Deu ordens novas e disse-lhes:

— Todas as mulheres que quiserem saber os meus segredos morrerão; todos os homens que contarem morrerão; vocês podem contar aos rapazes, porém não às crianças.

Depois de falar chorou.

As mulheres mais curiosas querendo saber foram escutar.

Quando acabou de falar todas elas morreram e transformaram-se em pedras. Izi chorou por ir sua mãe também escutar e morrer.

Izi, depois disso, dançou para festejar a sua chefatura e a sua nova nobreza, indo depois para o céu, passeando no mato algumas vezes.

Os anos se passaram.

Estavam um dia os rapazes debaixo do Uaku quando chegou um pajé camarada de Izi, que disse:

— Rapazes, vocês jejuem, e se o não fizerem eu como vocês.

Contam que os rapazes não quiseram jejuar e que um dia lhes apareceu o pajé e pegou neles e engoliu todos.

Dizem então que os pais dos meninos se zangaram com o pajé, que mandaram fazer um grande caxiri para beber, e mandaram vir o pajé para beber com eles.

Contam que depois que chegou, eles beberam todo o dia, encheram-no bem de caxiri e o embebedaram a ponto de não saber se era dia. Contam que os velhos o vendo bêbado disseram:

— Vamos fazer fogo para o queimar para nos vingar.

À noite, das cinzas nasceu o Uatanhon (paxiúba), e pela manhã quando foram ver acharam as cinzas nascidas.

— Como das cinzas do pajé nasceu o Uatanhon?

Aquele Uatanhon cresceu e as folhas tocavam o céu, e pelo âmago do Uatanhon subiu a alma do pajé sob a forma de um Acutipuru.

Então, dizem que sabendo os velhos que tinha subido pelo Uatanhon a alma do pajé, o cortaram e caiu em baixo, dizendo eles:

— Agora já a alma dele não vem.
---
Fonte:
João Barbosa Rodrigues (1842-1909): "Poranduba amazonense" (1890)
Pesquisa: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...