domingo, 29 de setembro de 2019

Nas ondas com Virgílio Várzea (Resenha)



Nas ondas com Virgílio Várzea

Muito bom dia, Majestade!

Assim cumprimentei o sol, nesta manhã, que é de domingo. Hoje, quando os de vida simples, como eu, deixam os lençóis, às sete horas, põem logo o nariz na gelosia entreaberta, a espiar o tempo. Já ninguém se confia nele. Parece que o Sr. tempo se fez político.

Em domingo, então, é quase certo tê-lo carrancudo e cinzento, quando não o temos a nos pregar partidas, todo alegre de azul e de sol para, num momento, se transformar em vaza-barris. Ainda bem que hoje não lhe passou pela fantasia a perversidade de nos iludir e debicar. Surgiu claro, cantante e fresco como convém a um domingo... que se presa.

Não é que o chuveiro mais ou menos abundante me estrague a missa. Há não sei quantos anos que perdi este habito de homem crente e morigerado. Mas, como não sou ferozmente egoísta, penso nos outros, em particular numa certa vizinha a quem o bom Deus mimoseou com um palminho de cara perturbadora e umas finas ironias de melro aos meus cabelos brancos. E, senhores, a certa vizinha, de que lhes falo, em domingos de sol, vai à missa como vai por domingos de chuva, e compõe-se com tal jeito e arte que é um gosto vê-la por aí, tic-tac, como uma elegante d'Auteil, ou de Longchamps, a deslumbrar moços e velhos, entre os quais, está este seu criado Matias.

E como o sol brilhava, puxei para a janela a minha pobre, cômoda, respeitável poltrona, e saí, mentalmente, a passeio. Sabem por onde?... Pelo mar. É sério, pelo mar. Apanhei sobre a pilha de livros ultimamente recebidos, um que me atraiu. Era um novo livro de Virgílio Várzea, que tem por título Nas Ondas.

Viajei, por tanto. O título do livro bem o indica, mas, sobre o título, o fato de ser obra do Várzea prova que o passeio marítimo, que mentalmente dei, foi como se eu tivesse vivido longos anos em tombadilhos e por praias, porque Virgílio Várzea tem a magia de por os seus leitores no cenário, no ambiente, na trama das suas emocionantes narrativas; é um artista raro, que sabe se apoderar dos que o leem e sabe comovê-los.

Como todos os livros de Virgílio Várzea este é feito com o paciente cuidado de um analista da alma humana e de um descritivo naturalista, à maneira dos que pertenceram a uma geração em que a literatura era um culto. Virgílio está ainda na posse absoluta deste culto, onde é sacerdote máximo. Lê-lo, meus senhores, é um supremo gozo... e saibam que o gozo da leitura vai, hoje em dia, se tornando raridade, tão difícil é a gente aventurar-se ao que nos dão em artigo modernismo... Quem abre um livro, neste tempo, está sempre a contar com a lata de chouriços, de que falava o Sr. Ramalho Ortigão.

---
Revista “Fon-Fon”, de 23 de julho de 1910
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...