domingo, 29 de setembro de 2019

Teófilo Braga (Resenha)


Teófilo Braga

Ante o lutador dos tempos modernos, tempos em que o condor da ciência libra-se pelo espaço infindo ao impulso das auras do trabalho; em que os pensamentos se concretizam a fim de ser bem alto proclamada a veracidade de uma Filosofia gigante: é justo que se deponham aos pés do Apóstolo do progresso os louros colhidos nos corações entusiasmados pelo calor das grandes ideias, de espíritos engrandecidos pelas nobres páginas da verdade científica, este raio luminoso que espanca a inescrutabilidade das concepções.

Nesta marcha triunfal do pensamento hodierno, nesta luta porfiada característica de toda transição social, observa-se que a infatigável persistência de um homem trabalhador, as brilhantes elaborações de um cérebro enorme, têm regenerado o velho Portugal, fácil em deixar-se seduzir pela voz insinuante do fanatismo. Esse homem, esse herói dos vastos arraiais literários é o Dr. Joaquim Teófilo Braga.

Desde criança, desde os róseos tempos da juventude transpareceu naquela fronte a estrela fascinadora do talento. Aos 22 anos já escrevia com tanta erudição, que um autor contemporâneo compara o seu elevado estilo ao de um "velho alemão".

O grande vulto, atualmente o maior filósofo da Península Ibérica, teve na fúlgida existência um fato de grande alcance: a transição de suas ideias filosóficas, a convicção inabalável com que abraçou-as, convicção filha de um estudo profundo e aturado.

Podemos dizer francamente: a universalidade quase que constitui um dos caracteres essenciais de seu gênio. Na plêiade iluminada dos filósofos atuais, nesta região de lutadores progressistas mais destemidos, o vulto de Teófilo Braga pode ocupar um elevadíssimo lugar. É mais do que um literato, é um verdadeiro pensador. O trabalho assíduo e desinteressado é o seu alimento. Com a linguagem suave e calma ditada pela razão esclarecida, esmaga sem piedade as torpes conveniências, quando se trata do bem-estar nacional e da dignidade científica. Cada uma de suas obras é um foco de luz. A Filosofia, a História, a Linguística, são as suas irmãs diletas e resta-lhe ainda tempo para cantar em puros e encantadores versos (como os da estrofe seguinte) as impressões que lhe ferem o cérebro.

A vida é breve instante!
Brinco ao vê-la afundar-se para o nada,
Como na praia solitária o infante
Ri, atirando ao mar concha quebrada.

"A apatia mental que caracteriza a sociedade portuguesa" esboroar-se-á ao choque de sãos princípios preconizados pela limitada falange lusitana, que presentemente trata de agitar questões de grande alcance político, social e filosófico; trata de arrancar do entorpecimento a literatura moribunda e trata finalmente de conduzir a consciência do povo à uma estrada real, à organização de um regime positivo. O iniciador de todo esse movimento, de toda essa imensa propaganda de ideias, que principiam a alvorecer no horizonte português, é o Dr. Teófilo Braga.

Apesar da energia potente desse homem, que a juventude positivista não deixará no olvido ; apesar dos enormes estudos paleontológicos por ele feitos no terreno da literatura pátria, alguns espíritos exíguos não hesitam em contestar o mérito do exímio escritor. Desprezam-se os fanáticos e diz-se com o imortal Littré: "um inovador nada tem a esperar, em tese geral, da sociedade no meio da qual trabalha e pela qual vive; ele sofre durante a vida e ainda depois de morto."

Teófilo Braga, cujo pensamento esclarecido acha-se bastante independente de modo a não se deixar levar pelas sofísticas explicações de princípios inadmissíveis, tem desgostado a certos positivistas dogmáticos e pedantocratas.

Quarenta e tantas obras tem escrito, inclusive milhares de folhetos sobre diversas e complicadas questões. A sua pena sublime nem mesmo desfalece ao peso da fadiga. É um verdadeiro homem moderno, não pode resistir aos atrativos da ciência.

A História Universal onde o eminente autor confessa modestamente, que o livro publicado "é o resultado de uma educação intelectual recomeçada depois de ter terminado os cursos de instrução oficial do seu país", é um fúlgido volume, uma sintetização de todos os fatos necessários para a compreensibilidade da Sociologia.

Os Traços Gerais de Filosofia Positiva, são importantes elaborações sobre a necessidade da comprovação dos princípios positivos diante dos progressos científicos modernos; sobre a lei dos três estados; a comprovação psicológica da mesma lei, enfim sobre todos os pontos luminosos da Filosofia de Auguste Comte.

O nenhum desenvolvimento mental do escritor destas linhas, não permite uma apreciação luzidia sobre a vida do Dr. Teófilo Braga.

Contudo as ideias que atuam sobre o espírito do humilde trabalhador, que sente refervescer no cérebro o entusiasmo ao encetar a apoteose de um grande homem, essas ideias santas ensinam-lhe a proferir com o Sábio Mestre E. Littrè : "as ideias são os atos pelos quais um filósofo influi sobre o mundo; e ver estas ideias no conflito pela existência individual é ver a biografia do filósofo.

Salve lutador! A Filosofia é o teu ídolo, a Ciência o altar onde derramas o incenso do trabalho e do amor pela Humanidade.

Salve! A homenagem que prestamos ao teu quadragésimo aniversário é a iniciação para a imoralidade do teu nome glorioso. Salve!

---
ALFREDO PINTO V. DE MELLO
Revista "24 de Fevereiro".
(Homenagem ao Preclaro Escritor Moderno Teófilo Braga — Pernambuco, 1883).
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes (2019)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...