quarta-feira, 19 de abril de 2017

Quando dois corações..., de Emanuel von Geibel

Quando dois corações...

De: Emanuel von Geibel

Quando dois corações que o casto amor
Unira se separam novamente,
É tão grande, tão bárbara essa dor,
Que no mundo não há outra equivalente.
Oh, como soa triste e desolado
Esse "adeus para sempre" inesperado,
Quando dois corações que o casto amor
Unira se separam novamente!... 

Ao acautelar-me pela vez primeira
De que também tal laço se rompia,
Foi para mim o mesmo que houvera
Desaparecido o sol em pleno dia.
Ouvi com tão patética emoção
Esse “adeus” que assolou meu coração,
Ao dar-me conta pela vez primeira
De que também tal laço se rompia. 

Meus dias de clamor languidesceram
E iniciaram meus dias desolados;
Os lábios que de beijos me cobriram
Se achavam mudos, tristes e velados...
Que tão só pronunciaram claramente
Um "adeus para sempre" indiferente.
Meus dias de clamor languidesceram
E iniciaram meus dias desolados... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário