quarta-feira, 24 de maio de 2017

Guerra Junqueiro (Aspecto Biográficos)


Guerra Junqueiro
Publicado originalmente na revista “América Brasileira”, em edição de novembro de 1923, de autoria de Leonardo Coimbra. Pesquisa, transcrição e atualização ortográfica de Iba Mendes (2017)

O Poeta evolucionou. A crise não foi até erguer A luz da sua Consciência, os postulados implicados na sua interpretação da Vida.
Continuará a ser otimista, mas o sou otimismo será agora temperado e dirigido pelo critério da evolução.
Esse critério da evolução dar-lhe apenas o por agora, um maior contato, uma maior convivência com toda a Natureza.
 A Natureza (a Ana Tereza de Camilo) deixa de ser onipotente em ato, para apena o ser em virtualidade a realizar por um "incessante" esforço.
E, assim, tudo aspira e se eleva, e, assim, uma grande humildade nos vai unir com todo o esforço espalhado, em metafísicos pontos de ser, pelo infinito.
O deísta fez-se panteísta — o que já foi alguma coisa
Deus passou duma abstração vazia para um esforço imanente; a Natureza desdobrou-se, à Espinosa, em natureza naturada e naturante.
É esse esforço criador, atração por um Ideal, que será a verdade, de que o pensamento cristão é o símbolo nos "Simples".
O Poeta dirá em nota final que continua cada vez mais irredutível com o "catolicismo", mas nós bem o vemos a aceitar o "cristianismo" como uma grande verdade simbólica: está, portanto mais próximo a despeito dos seus próprios juízos.
"Os Simples" eis uma obra eterna.
O Junqueiro de "Os Simples" é o mesmo Junqueiro de eternidade, aumentado das novas luzes da doença e da morte.
Imortal em relação aos homens, porque será um livro lido e amado por eles, enquanto no planeta existir vida humana.
Eterno; porque, pela sua bondade comunicativa, pela sondagem até ao íntimo de cada alma, até ao ponto onde começa o "outro mundo," ele atingiu a pura vida espiritual.
Quem veio esperar Junqueiro ao porto onde desembarcam as almas?
Por certo que a Virgem das "brancas ermedinhas" lhe mandou ao encontro os "Cavadores", a "Moleirinha", o "Ti Zé-Senhor" e em romaria de bênçãos grandes bandos de "Pobrezinhos"...
Sim; logo ao receber a notícia da sua Morte se me ofereceu a visão dum Junqueiro, de bordão e sacola, a dobrar, lá ao longe a última montanha de terra e vendo do "outro lado" o bando de pobrezinhos que o esperam, cantando.
Junqueiro atinge aqui, "pelo favor dos humildes", um naturalismo transcendente.
Ele pelo pensamento intelectual é ainda um homem da Renascença; mas, pela simpatia humana e cósmica, com que se une a todos os seres, recebe dos humildes, o amor duma Natureza, purificada pela redenção cristã.
Aquelas romarias d'almas que visitam as ermidas são mais presenças espirituais que meras abstrações: artísticas.
E até as estrelas vão pelo Céu abrindo ao som da rude flauta do Pastor.
A Natureza é outra vez edênica, de amigo acordo com o homem, porque este homem é uma pura alma cristã.
O "Ti Zé-Senhor" liberto das "ilusões do mundo" é, no além, um anjo branco, ainda outra vez pastor.
Não deixaríamos "Os Simples" se tivéssemos tempo e espaço; mas a eles voltaremos em artigo especial.
Conclusão: "Os Simples" é um livro eterno, não é melhor nem pior que os outros livros de eternidade.
É a palavra humana saindo dum coração, que "contatou" Deus.
Eis porque Junqueiro não é o maior Poeta, porque o critério de quantidade se não aplica ao espírito, mas é um Poeta, na alta e completa significação da palavra.
Um Poeta como Ésquilo, Dante, Shakespeare, Camões e todos que uma onda de amor divino subiu, por momentos, até à pura visão espiritual.
Os livros anteriores são como a escória saída da fusão espiritualista da sua alma.

A escória sobrenadou e, por isso, foi vista primeiro; mas o líquido ia refervendo na profundidade. E já nos livros anteriores pelos intervalos das escorias a limpidez do líquido se tinha revelado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário