quinta-feira, 25 de maio de 2017

José Américo de Almeida: como me tornei escritor brasileiro


José Américo de Almeida: como me tornei escritor brasileiro
Texto escrito por José Américo de Almeida e publicado em 1928. Pesquisa, transcrição e  atualização ortográfica de Iba Mendes (2017)

Lendo os escritores estrangeiros (E note-se que detesto o paradoxo, a ironia e todas as deformações de sentido). Lendo e pensando no Brasil. Lendo e comparando. Era ver a descrição de uma paisagem exótica, vinham-me à ideia as nossas paisagens. Achava logo a diferença. Para fixar traços diferenciais não há como pôr uma coisa defronte da outra.
E assim os costumes, as paixões, etc.
Quis adotar o mesmo método no cinema, mas o cinema tem pouca variedade. E a arte dos diretores. Só os quadros noturnos servem de pontos de diferenciação.
É um processo pouco original porque muita gente já tem dito que só faz por conhecer países estrangeiros para ficar amando cada vez mais o seu país. Mas dá certo, a menos que o sujeito não tenha senso objetivo nenhum nem discernimento. Ou seja daqueles que, cuidando estarem pensando no Brasil, estão pensando é na Grécia antiga ou no mundo da lua.
O método é, porém, de aplicação dificílima. Quem se acha embebido em obra-prima da estranja não tem nenhuma vontade de alternar a atenção, desse modo, porque perde o fio da leitura, perde o tempo e perde ainda mais se, por isso, se tornar nacionalista...
E para ser escritor brasileiro ainda me faltava escrever em brasileiro.
Ora, eu nasci num tempo em que ainda se falava português no Brasil.
Inventei, assim, outro sistema: ler os clássicos (porque não posso deixar de ler Bernardes, frei Luís de Sousa etc.) por cima, como quem está traduzindo, fazendo de conta que é castelhano, procurando apenas o sentido.
(Língua pega como visgo). Não sei se dará resultado. Mas o diabo é que, além das palavras, não acho nada nos clássicos...
Paraíba do Norte, 1928.

Nenhum comentário:

Postar um comentário