quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Gratidão de um filho, ingratidão de Outro (Conto), de Bento Serrano


Gratidão de um filho, ingratidão de Outro  (Hebel)

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)
---
Quem reparar um pouco, há de ver muitas vezes que o homem na velhice é tratado por seus filhos exatamente do mesmo modo, como ele havia tratado seus pais, quando eram velhos e já sem forças. E isto compreende-se bem. Os filhos aprendem com os pais; não veem nem ouvem mais ninguém, e por isso seguem o seu exemplo. Assim se verifica naturalmente o que tantas vezes se diz, e está escrito: “a bênção e a maldição dos pais vem cair sobre os filhos.”
Ouçamos agora duas histórias que se contam a propósito disto: a primeira é digna de imitação; a segunda merece ser muito meditada.
Uma vez um certo príncipe foi dar um passeio a cavalo, encontrou-se com um camponês diligente e alegre, que andava a trabalhar em um campo, e pôs-se a conversar com ele.
Dali a alguns dias soube o príncipe que o campo não era propriedade daquele homem, o qual não passava de um jornaleiro que pela módica quantia de três tostões por dia cuidava do seu amanho. O príncipe, que para os pesados encargos do governo precisava de enormíssimas somas, não podia compreender como três tostões diários eram meios bastantes para o nosso homem viver, e de mais a mais de rosto tão alegre. Este porém respondeu-lhe: “Nada me faltaria, se eu pudesse dispor de todo esse dinheiro: a terça parte chega-me bem; com um terço pago as minhas dívidas e a terça parte restante pertence às minhas economias.” O bom do príncipe ficou ainda mais admirado. Mas o camponês continuou: “O que tenho, reparto-o com meus pais, que são velhos e já não podem trabalhar, e com meus filhos, que andam por ora a aprender; àqueles pago-lhes o amor com que me trataram na minha infância, e destes espero que não me abandonarão também na minha cansada velhice.” Não é verdade que tudo isto foi muito bem dito, é ainda melhor pensado, e ainda muito melhor executado? O príncipe recompensou aquele homem de bem, olhou com desvelo pelos filhos, e a bênção que os pais lhe lançaram ao morrer, foi-lhe retribuída pelos filhos agradecidos com amor e amparo.
Havia porém outro homem que tratava tão mal seu pai, a quem a idade e as doenças tinham na verdade tornado impertinente, que o velhinho mostrou desejos de entrar em um hospital de pobres, que havia na mesma aldeia. Ali esperava ele, apesar do pouco afeto, pelo menos ver-se livre das repreensões que em casa lhe amarguravam os últimos dias da vida. O filho ingrato saltou de contente apenas soube dos desejos do pobre velho, e ainda antes de o sol se esconder por detrás das montanhas vizinhas, já eles estavam satisfeitos. Mas no hospital não encontrou ele tudo quanto desejava, e passado algum tempo pediu ao filho, como último favor, que lhe mandasse dois lençóis, para não ter de dormir toda a noite na palha estreme. Procurou este os piores que tinha, e chamando seu filho, criança de dez anos, ordenou-lhe que os levasse ao hospital.
Ficou porém admirado ao ver que o pequeno escondia a um canto um dos lençóis e só levava ao avô o outro; e apenas ele veio, perguntou-lhe porque tinha feito aquilo. O filho respondeu friamente que tinha guardado um dos lençóis para o dar ao pai, quando mais tarde o mandasse para o hospital.
Que lição tiramos daqui?
Honra teu pai e tua mãe, para que sejas feliz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário