sábado, 16 de dezembro de 2017

O irmão caçula (Conto), de Sílvio Romero


O irmão caçula
(Contos populares do Brasil – Pernambuco)

Pesquisa e atualização ortográfica: Iba Mendes (2017)

---

Havia um homem que tinha três filhos; João o mais velho, o outro Manoel e o caçula José. Todos eles se revoltaram contra o pai. Fugiram João e Manoel e ficou José. O pai o botou à procura dos irmãos. José ganhou o mundo e foi ter à casa de uma velha, que lhe disse: “Meu netinho, você o que anda fazendo por estas alturas?” — “Minha avó”, respondeu ele, “venho buscar meus irmãos que fugiram de casa de meu pai e ele quer que eu os descubra.” — “Pois dorme, meu netinho, que eu os farei te acompanhar.” No outro dia a velha, depois de lhe dar o que comer, lhe disse que ele fosse ao Reino das Três Pombas, onde encontraria os dois irmãos; porque havia ali uma grande festa para se tirar por sorte quem devia desencantar as três pombas, que estão dentro do mar. “Leva”, disse a velha, “esta vara e esta esponja com muito cuidado que ninguém veja; porque teus irmãos te hão de caluniar ao rei, dizendo que tu te gabaste de ir ao fundo do mar quebrar a pedra e desencantar as três princesas. O rei te há de chamar, e tu deves sustentar que sim. Vai então à praia do mar e atira nele a esponja; a esponja há de boiar e seguir, tu deves acompanhá-la; vai com a varinha e toca na pedra, que se partirá pelo meio; te há de aparecer uma serpente, toca com a varinha nela e ela há de adormecer; entra pela pedra adentro e tira de lá uma caixa; toca com a vara na caixa que há de se abrir, tira de dentro um ovo; este ovo tem três gemas; quando o quebrares dá a clara à serpente.” José foi e fez tudo quanto a velha lhe ensinou. Chegando ao reino viu lá a grande festa: por estar mal pronto os irmãos fingiram que o não conheciam, e trataram de intrigá-lo, dizendo ao rei que ele se atrevia a desencantar as princesas. O rei o mandou chamar e lhe perguntou. “Saberá, rei meu senhor, que eu não disse tal; mas se rei meu senhor assim o ordena, eu estou pronto.” Todos ficaram admirados e duvidavam. No outro dia apresentou-se ele para seguir, e o rei mandou pôr navios à sua disposição; ele disse que os não precisava, porque iria a nado. Todos acharam impossível ir nadando até à pedra. Mas o José largou no mar a esponja e seguiu com ela até a pedra. Bateu nela com a varinha e ela se abriu; apareceu a serpente; bateu também nela e ela adormeceu; bateu na caixa e ela se abriu; tirou o ovo e partiu; botou a clara na boca da serpente e as três gemas no chapéu e largou-se para trás. Chegando na praia bateu com a varinha nas três gemas, que se transformaram nas três moças mais bonitas do mundo. Chegando a palácio todos se admiraram da sua coragem. Ainda lhe levantaram os irmãos novo aleive, dizendo que o José tinha dito que era capaz de ir buscar no mar a própria serpente. Ele foi, fez o mesmo com a esponja e a varinha e trouxe a serpente. Como ainda quisessem mangar com ele, tocou com a vara em todos a começar pelo próprio rei, e os fez adormecer.

Mandou então agarrar os irmãos e levá-los a seu pai. O rei, quando voltou a si, mandou casar o José com a mais bonita das princesas; ele tocou com a vara em todos os presentes e os fez adormecer; mandou buscar o pai e os irmãos; casou estes com as outras duas princesas, e ficaram todos vivendo juntos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...