domingo, 18 de março de 2018

Castro Alves: O poeta da liberdade (Ensaio), de Amarilho Palha



Castro Alves: O poeta da liberdade

Artigo publicado na revista "Ilustração Brasileira", em edição de 1947. Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2018)

---

Castro Alves encarnou o espírito de liberdade do século XIX. O Brasil apresentava à contemplação do mundo, dentro da moldura maravilhosa das suas montanhas e das suas florestas, o cenário hediondo das senzalas. A alma do poeta baiano sentiu a dor e a tortura de uma raça que trazia sobre a fronte a infinita renúncia das aspirações e das ânsias que revelam no homem a essência da divindade, e a sua submissão silenciosa ao látego e à ignomínia. O poeta compreendeu tudo isso. Mas, dentro do coração do negro cativo, ele sabia existir a semente da rebeldia para a vingança e o castigo, em busca da liberdade.

Os sofrimentos, as angústias, as lágrimas amontoadas, entre aparentes resignações e ódios ocultos, preparavam lentamente o caminho para o dia da redenção. O poeta foi atraído para a raça infeliz. Com ela chorou o mesmo pranto e fez da sua alma a alma irmã do negro. A sua mocidade, cheia de beleza e de vida, transformou-a numa força impetuosa. Desencadeou sobre a terra brasileira o tropel de uma luta que só cessaria com os clangores da vitória. O ideal de Castro Alves estava destinado a marcar uma das épocas mais intensamente ligadas ao problema da formação histórica da nossa pátria. Esse ideal tinha, além de tudo, o cunho de uma solidariedade humana que não conhecia limites dentro das fronteiras do pensamento universal. Era o ideal que vinha de Deus, porque se iluminava das auroras e não mergulhava nas sombras dos crepúsculos.

Os versos de Castro Alves foram, a bem dizer, o início da revolução abolicionista, da mais bela revolução que já se processou no Brasil, porque todos os seus combates se verificaram no terreno dos debates e das ideias e todas as suas conquistas, até o último dia, assinalaram êxitos memoráveis da tenacidade, da bravura, da persistência, da sinceridade, dos que nela se empenharam. Não houve ministérios, não houve parlamentos, nem força alguma que esmagasse o ideal abolicionista, porque o ideal, quando é nobre e humano, resiste às intempéries, aos ódios e às paixões. Acima da miséria social, acima dos egoísmos vulgares, acima da melancolia da passividade, o abolicionismo pairou como uma grande bandeira de reivindicações.

O poeta baiano não tirou os olhos daquela bandeira. Na rebeldia e nos arroubos dos seus versos e dos seus poemas, Castro Alves escreveu o prefácio de uma grande obra. O poeta fez de cada um dos seus versos uma arma formidável. Eles tinham, vestidos pela música e pelo ritmo, alguma coisa de proféticos. Tinham os gritos dos negros escravizados, as lágrimas das mães despojadas dos filhos, o desespero das mulheres arrancadas aos braços do companheiro amigo, das virgens sacrificadas à brutalidade erótica dos senhores. Mas, tinham, também, a voz terrível do futuro, anunciando a hora do ajuste de contas. Todo aquele cortejo de dores, toda aquela fisionomia agonizante da raça infeliz, passam pelos versos lampejantes de Castro Alves.

Castro Alves foi bem o poeta do Brasil. Nos seus versos além do sentimento generoso que o colocou na defesa dos negros, existe, também, o reflexo de todas as grandezas da pátria, a música bárbara das nossas florestas, o eco estrondoso das nossas cachoeiras, a imponência dos nossos rios cortando o ventre da terra, a glória dos nossos heróis e dos nossos mártires. Já o comparam a “uma árvore solitária e altíssima, sensível aos ventos de todas as direções, desde os do mar, ásperos e violentos, aos das montanhas e das selvas, carregados de cheiros agrestes." O Brasil não poderia ter poeta mais representativo da sua grandeza. Até nas extravagâncias das suas imagens e na incorreção de muitos dos seus poemas, ele é bem o retrato da terra em formação, desordenada nos seus contornos geográficos, maravilhosa nos seus cenários, inacabada nos seus anseios de justiça e de liberdade. Por isso, o poeta se projetou, resistindo à ação do tempo e à crítica demolidora dos iconoclastas. A sua fisionomia ficou gravada nos versos que escreveu, que são, em suma, a fisionomia da pátria em busca dos seus verdadeiros destinos. Versos imortais que palpitam de amor, de sofrimentos, de glórias, de queixumes, de esperanças e de fé.

Rui Barbosa, em célebre conferência que pronunciou sobre o poeta de Vozes d'África, disse: “Eis a obra de Castro Alves. A sua obra é a sua vida. A mão da morte apagou-a dentre nós; mas a glória restituiu-a ao horizonte, como a estrela da manhã, ao cativeiro. Doa como doer aos dissecadores de gênios, o nome dele há de ligar-se indelevelmente a uma das fases mais decisivas da história nacional e a sua poesia é bela, dessa beleza indefinível, ante a qual a alma não enumera, não esquadrinha: comove-se, quando não ajoelha. É bela perché é bela." Do mesmo Rui são estas palavras: “Mas a sua musa não é somente a da natureza e do amor, é também, e sobretudo, a do heroísmo, a do direito e a da glória."

José de Alencar escrevia: “Palpita na obra de Castro Alves poderoso sentimento de nacionalidade, essa alma da pátria que fez os grandes poetas." Joaquim Nabuco: “Castro Alves foi uma inspiração elevada e uma imaginação nobre; seu maior título de glória é o de ter posto seu talento ao serviço da causa emancipadora da liberdade da pátria.” José Veríssimo: “Há em Vozes d'África e ainda no Navio Negreiro, mais do que a ênfase ou a retórica, eloquência dos melhores quilates, profundo sentimento poético, emoção sincera, e, sobretudo, no primeiro, uma formosa idealização artística da situação do continente maldito e das reivindicações que o nosso ideal humano lhe atribuía." Manoel Bonfim: “Último dos românticos, ele resiste melhor do que os outros nossos líricos à moléstia — da agonia incerta — em que se consumiu a portentosa escola da renovação literária... Patente em Álvares de Azevedo, essa agonia incerta não pôde atingir Castro Alves. Com uma imaginação bem coerente e sensível, regenerada por ideal próprio em formas maleáveis e potentes, o seu lirismo se desenvolve numa associação perfeitamente equilibrada — transes afetivos, interesses humanos e desdobrar de imagens." Sílvio Romero: “Ele foi o porta voz, a expressão grandíloqua da consciência da pátria."

Castro Alves foi, sem dúvida, um bandeirante do amor, da justiça, da bondade, visando o bem coletivo da humanidade. Nada no poeta é falso ou artificial. As suas imagens, a sua paixão, o seu entusiasmo eram frutos das ideias e poucos são no Brasil os poetas que, como ele, souberam cantar e defender a mais bela de todas as vocações humanas: a vocação da liberdade.

Castro Alves, o lírico que escreveu Hebreia, O Laço de Fita, Os Três Amores e Dalila, poderia não subir aos altares do culto nacional. Mas o gênio que compôs Vozes d'África e O Navio Negreiro, esse haveria de ficar, como ficou, na altura a que se elevam os deuses.


AMARILHO PALHA
“Ilustração Brasileira”, março de 1947.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...