domingo, 18 de março de 2018

Santa Rita Durão (Biografia), por Agnaldo Amado



Santa Rita Durão - Aspectos Biográficos

Artigo publicado na revista "Vamos Ler", em edição de 1941. Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2018)

---

No ano de 1737, na cidade de Mariana, veio ao mundo José de Santa Rita Durão. Os cursos primário e secundário ele os fez no Colégio da Companhia de Jesus, no Rio, onde também passou toda a sua infância. A exemplo do que se verificava com os filhos dos grandes senhores da época, Santa Rita Durão também foi mandado para Portugal, a fim de instruir-se na célebre Universidade de Coimbra, por onde diplomou-se em teologia. Muito cedo, sentiu o nosso herói uma grande vocação pelo claustro e a solidão era para ele o maior prazer de sua vida recatada. Resolve, por isso, ingressar na ordem dos eremitas de Santo Agostinho, não tardando a ter seu nome popularizado como um dos melhores oradores sacros. Uma circunstância veio, porém, perturbar a serenidade da vida que então levava. D. João Cosme, bispo de Leiria, dera à publicidade uma pastoral, louvando o ato do Marquês de Pombal expulsando os jesuítas. Santa Rita Durão que adorava os padres da Companhia de Jesus, não se sentiu disposto a guardar silêncio ante a campanha movida contra aqueles que o iniciaram na vida que francamente abraçara. E de público, ele censurou aqueles que atacavam os jesuítas, valendo-lhes esse seu gesto a inimizade do bispo de Leiria, que passou a mover-lhe tenaz perseguição. E tão grande tornou-se a perseguição, que Santa Rita resolveu deixar Portugal, seguindo viagem para a Espanha e depois Itália.

Por essa época rebenta a guerra entre os reinos de Portugal e Espanha motivada pelo famoso pacto de família. Durão achava-se, então, na Espanha. Suspeito de espião, é preso e encarcerado no castelo de Segóvia até o fim da guerra. Finda a luta, Santa Rita é posto em liberdade, seguindo então para Roma, onde encontrou-se com Basílio da Gama, em cuja companhia fixou residência. Depois de uma permanência de alguns anos na tradicional capital italiana, regressa Durão a Portugal, que experimentava grandes progressos nas artes, ciências, indústria, comércio e agricultura, promovidos pelo Marquês de Pombal. A cátedra de teologia da Universidade de Coimbra encontrava-se vaga. Aberto concurso para o seu preenchimento, consegue Santa Rita destacar-se dos demais candidatos, sendo então nomeado lente. Na abertura do seu curso recitou Santa Rita a célebre oração de sapiência, escrita em latim, a qual encerra notável noções de história e de literatura. Durão nunca abandonou, entretanto, a sua ordem, o meio de onde saíra e que lhe dera o nome que já então possuía. Apesar de professor do maior centro de cultura da época, continuou residindo no convento dos eremitas de Santo Agostinho, chegando mesmo a atingir o grau de prior. Foi ai, em meio do silêncio do claustro e da melancolia da solidão, que ele escreveu o seu célebre poema Caramuru, em cujos versos historia toda a existência de Diogo Álvares Correia. Quis o destino que o autor dessa grande obra não sobrevivesse por muito à publicação do poema que segundo ele próprio afirmara “só o amor da pátria” o incitou a escrever. Na cidade Lisboa termina Santa Rita Durão os seus dias, assistido até o derradeiro instante por seus companheiros de claustro, aqueles a quem ele nunca se cansou de amar. Ainda hoje, no hospício de Coleginho, pode-se contemplar o túmulo desse poeta, tratado com todo o carinho pelos seus irmãos de Santo Agostinho.

AGNALDO AMADO
"Vamos Ler!",  fevereiro de 1941.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...