quinta-feira, 5 de julho de 2018

Temas Poéticos: VIDA - II


A Vida
(No álbum de Mlle. Elisabeth Henninger)

AFONSO CELSO JÚNIOR
"Prelúdios" (1876)

A vida não é mais que a folha seca,
Que o vento da fortuna impele além.
Ora aqui, ora ali, vagando à toa
Certeza onde ela para ninguém tem.

Agora meu viver é manso e ledo,
Mas se logo o será — eu o não sei:
Neste momento, tenho risos — festas
E amanhã ninguém sabe onde estarei!

Por isso numa folha deste álbum,
De flores tão gentis lindo jardim,
Meu nome eu deixo para que mais tarde
Ao lê-lo se recorde alguém de mim!

★★★

Vida

RONALD DE CARVALHO

Para um destino incerto caminhamos,
Tontos de luz, dentro de um sonho vão;
E finalmente, a gloria que alcançamos
Nem chega a ser uma desilusão!

Levanta-se da sombra, entre altos ramos,
Como um fumo a subir, lento, do chão,
A distancia que tanto procuramos,
E os nossos braços nunca atingirão.

Mas um dia, perdidos, hesitante,
A alma vencida e farta, as mãos tateantes,
De repente, paramos de lutar;

E ao nosso olhar, cansado de amargura,
As montanhas têm muito mais altura,
O céu mais astros, e mais água o mar.

★★★

À Vida

FLORBELA ESPANCA

É vão o amor, o ódio, ou o desdém;
Inútil o desejo e o sentimento...
Lançar um grande amor aos pés de alguém
O mesmo é que lançar flores ao vento!

Todos somos no mundo "Pedro Sem",
Uma alegria é feita dum tormento,
Um riso é sempre o eco dum lamento,
Sabe-se lá um beijo de onde vem!

A mais nobre ilusão morre... desfaz-se...
Uma saudade morta em nós renasce
Que no mesmo momento é já perdida...

Amar-te a vida inteira eu não podia,
A gente esquece sempre o bom de um dia.
Que queres, meu Amor, se é isto a vida!

★★★

Vida

CAMILO PESSANHA

Choveu! E logo da terra humosa
Irrompe o campo das liliáceas.
Foi bem fecunda, a estação pluviosa!
Que vigor no campo das liliáceas!

Calquem. Recal-quem, não o afogam.
Deixem. Não calquem. Que tudo invadam.
Não as extinguem. Porque as degradam?
Para que as calcam? Não as afogam.

Olhem o fogo que anda na serra.
É a queimada... Que lumaréu!
Podem calcá-lo, deitar-lhe terra,
Que não apagam o lumaréu.

Deixem! Não calquem! Deixem arder.
Se aqui o pisam, rebenta além.
—  E se arde tudo? —  Isso que tem?
Deitam-lhe fogo, é para arder...

★★★

A Vida
(Impressão do Moisés, de Menotti del Picchia)

AMADEU AMARAL

Eis a Vida: seguir umas quimeras vagas,
lançando a mão em sangue aos cardos e aos espinhos;
rolar no pó; gemer; deixar pelos caminhos
mil farrapos de carne e o sangue de mil chagas;

sorver o horrendo fel que anda em todos os vinhos,
o veneno que jaz em todas as teriagas;
persistir, todavia, entre as chufas e as pragas
dos que vão, a ulular, por trilhos convizinhos;

chegar, enfim, exausto, ao fastígio da idade,
ver desfeito o jardim de encanto que sonhamos,
cair desfalecido e — supremo revés —

olhando para trás, ver que a felicidade
ficou além, no vale, onde, espectros, passamos,
ficou além, na flor que calcamos aos pés...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...