sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Captain Smart (Conto), de Afonso Celso



Captain Smart

Pesquisa, transcrição e adaptação ortográfica: Iba Mendes (2018)

---

Depois da formosa mulher do dentista americano, era, sem dúvida, o capitão canadense o mais interessante personagem de bordo.

Meses antes, ao que se dizia, naufragara entre as Bermudas o navio que ele comandava.
Perdera-se completamente a carga e sucumbira quase toda a tripulação.

Cabia a Captain Smart não pequena responsabilidade na catástrofe, — afirmavam a meia voz passageiros bem informados. E o fitavam rancorosamente de esguelha, quando passava carrancudo e hirto, o eterno cachimbo plantado no matagal dos bigodes ruivos, que lhe interceptavam a boca e se emaranhavam na barba, derramada em catadupa sobre o peito.

O infeliz comandante regressava à pátria, despojado pelo mar dos haveres e da reputação.

Antipatizavam todos com ele, no paquete em que viajávamos. Ninguém lhe dirigia a palavra. Chegavam a considerar de mau agouro a sua presença. Se algum acidente desagradável ocorresse durante a derrota, atribui-lo-iam com certeza à sua nefasta influição.

Penosíssimas deviam ser-lhe as monótonas horas da travessia. Levantado antes do alvorecer; forçado à inação; arredado dos companheiros; sem tomar parte nos jogos e diversões com que estes procuravam matar o tempo; desdenhando livros e jornais — arrastava os intermináveis dias a fumar, enterrado numa cadeira de lona, os pés apoiados à amurada, encarando insistentemente as ondas, — ou a caminhar pelo convés, de proa a popa, as mãos cruzadas nas costas, carregado o aspecto, no acabrunhamento de quem, ao peso de revoltante injúria, cogita em vão no como se desforçar.

Mas Captain Smart às vezes transfigurava-se.

No alto mar, importa acontecimento de monta o encontrar-se outro navio.

Mal desponta vulto indeciso no remoto horizonte, corre toda a gente ao ângulo mais propicio para avistá-lo.

Sacam-se os binóculos. Cada qual fórmula as suas observações e conjeturas.

Surdem, de ordinário, vivas discussões.

— É uma vapor; um iate à vela; vai para a Europa; regressa da África; um vaso de guerra; brigue de pesca; alemão; inglês; — opina-se com convicção e profusos argumentos.

Vistas privilegiadas dão aqui pormenores. Contestam-nos acolá. E durante largo período concentrara-se olhares e atenções na sombra longínqua, que ora cresce e se acentua, apresentando os contornos da embarcação, ora se apaga e dissolve, miragem etérea, na linha confinante da água e do céu.

Retina marítima, habituado a perscrutar os meandros da imensidade líquida, Captain Smart parecia adivinhar o barco iminente, ainda invisível para os mais.

A fisionomia expandia-se-lhe então. Apontava, soltando sons guturais, para um trecho perfeitamente liso e límpido da aquática planície. E mais tarde, não raro após longa demora, emergia efetivamente dali, e se aproximava, um lenho errante qualquer.

Enquanto o navio lobrigado se conservava em distância, ou afogado na bruma, dele não despegava os olhos o comandante náufrago. Acompanhava-lhe com solicitude os movimentos; dir-se-ia que lhe estudava cuidadosamente a manobra, absorto, seriamente empenhado na orientação do seu rumo.

Denunciava-se feliz nesse momento. Nos seus olhos ríspidos perpassavam suavizações. Defrontando um dia comigo, que o observava curioso, quase esboçou um sorriso.

À proporção, porém, que o barco se achegava, ia-se-lhe demudando a feição. Sonho querido parecia evolar-se de sua alma, onde entornara claridade fugaz. Ficava mais taciturno do que dantes. Agressivo e proceloso o seu ar.

Então, se o barco emparelhava com o nosso, ou cruzava o caminho deste, de modo que entre os dois peregrinos das vagas se trocavam sinais, Captain Smart traía mostras de inexplicável agastamento, virava as costas ao primeiro, calcava nervosamente o chapéu sobre a fronte, cerrava as pálpebras e se envolvia em bastas fumaças do cachimbo, aspiradas e expelidas com frenesi.

Naquele coração agreste, estuava evidentemente uma dor misteriosa e cruel, dessas de que se padece e se morre, sem que jamais o próprio paciente as possa bem compreender e explicar.

Despeito? Inveja? Remorso? Esperança? Quem o lograria dizer?!

Evocaria, como um fantasma, a imagem da nave confiada ao seu governo, de que a sua perícia era a alma e a defesa contra as perfídias do pego, nave galharda, cujos membros, por negligência sua talvez, à semelhança de um cadáver espostejado por uma fera, vogavam agora esparsos e despedaçados, à mercê das correntes e dos ventos?

Recearia divisar no tombadilho entrevisto a figura de algum camarada seu, escapo, como ele, ao desastre, e que, reconhecendo-o, o aniquilasse com um gesto de maldição?

Animá-lo-ia, porventura, a ilusão, cedo dissipada, de que tudo não houvesse sido senão um pesadelo horrível e de que o ponto pressentido na fímbria do horizonte se transformasse na embarcação morta, milagrosamente ressuscitada?

Revoltar-se-ia contra a iniquidade inflexível do oceano, ao aspecto de suas novas vítimas possíveis?

Comprazia-se-me o imaginar nestas presunções. Do fundo de meu ser subia uma corrente de dó para com o rebarbativo comandante.

Quisera conhecer e mitigar a sua mágoa íntima, lenir com a caridade da compaixão as lágrimas de fogo que percebia brotarem-lhe na alma sem o refrigério de vingarem extravasar-se-lhe pelos olhos ressequidos.

Captain Smart teve, suponho, a intuição dos meus sentimentos comiseradores.

No dia em que desembarcou, compreendi que hesitava em me falar e agradecer. Não se despediu, entretanto, de mim, como de ninguém. Lançou-me apenas um rápido olhar de humilde reconhecimento, enquanto no seu torvo aspecto relampejava amistosa expressão.

Jamais trocamos palavra. Separam-nos desconhecidos, indiferentes, tomando veredas opostas, à lei de heterogêneos destinos. Nossas existências coincidiram um segundo, em intersecção fortuita, e passaram, no turbilhão infinito da vida. Com quantas tragédias não topamos assim, quotidianamente? Nada resultará para nós ou para elas desse atrito? Significarão secretas afinidades os espontâneos e súbitos movimentos de um espírito na direção de outro? Reminiscências de relações anteriores à nossa atual organização corpórea? Pactos para ulteriores existências?!

Nunca mais, provavelmente, verei Captain Smart, neste planeta. Esvaiu-se decerto a minha figura na sua memória, como ora mim se extinguiria a dele si não me viesse a fantasia, numa noite triste, de fixar no meu livro de notas alguns traços do sou perfil.

Mas faz-me bem a lembrança do seu agradecido olhar.

Acabo de sentir, na consciência, ao recordá-lo, uma espécie de consoladora satisfação, semelhante à de quem houvesse piedosamente acendido em bravio e perigoso rochedo, batido de vagalhões desesperados, a luzinha de um pequenino farol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...