quinta-feira, 4 de outubro de 2018

José Bonifácio de Andrada e Silva (Aspectos Biográficos)



José Bonifácio de Andrada e Silva (Aspectos Biográficos)

Nasceu na hoje cidade de Santos, província de São Paulo, aos 13 de junho de 1763: foram seus pais o coronel Bonifácio José de Andrada e sua mulher D. Maria Bárbara da Silva.

Seus primeiros estudos foram dirigidos pelo virtuoso bispo de São Paulo, D. frei Manoel da Ressurreição.

Aos 16 anos apareceram os primeiros assomos de seu estro poético.

Em 1783, findo seus primeiros estudos, seguiu para Portugal, matriculando-se na universidade de Coimbra, onde obteve os graus de bacharel formado em direito civil e em ciências naturais.

Apenas formado, seguiu para Lisboa rodeado de merecido renome e prestígio, que reunido a amizade do duque de Lafões, deram-lhe entrada na academia real de ciências de Lisboa.

Em 1790 deixa Portugal para viajar a Europa conjuntamente com o distinto mineiro Manoel Ferreira da Câmara de Bitencourt e Sá, ambos escolhidos por aquela academia e ao governo proposto para aquela viagem científica.

Nessa viagem, que durou dez anos, percorreu a França, Alemanha, Bélgica, Holanda, Itália, Hungria, Boêmia, Suécia, Noruega, Dinamarca, Turquia, e através das lutas que agitavam a Europa, foram eles, em sua derrota, enchendo de admiração aos sábios com quem tratavam.

O lugar de inspetor das minas de Noruega lhe foi oferecido, e não aceitou.

Numerosos trabalhos científicos, selados com o cunho de seu muito saber, publicados em diversos idiomas, tornaram seu nome conhecido e granjearam-lhe brilhantes homenagens, e as corporações científicas das primeiras capitais da Europa, querendo honrar seu mérito, apressaram-se em admiti-lo em seu seio. Foi recebido sócio das sociedades: — de História Natural e Filosófica de Paris; da Academia Real de Ciências, de Estocolmo; da Lineano e mineralógico de Jena; da dos Investigadores da natureza, de Berlim; da Geológica de Londres; da de Física e História Natural de Génova; da Werneriana de Edimburgo; da Academia de Ciências de Copenhague e de Turim; da sociedade Marítima de Lisboa, e da Filosófica de Filadélfia, voltando a Portugal em 1800, coberto de glória e imenso prestígio.

Apenas chegado foi incumbido de criar na universidade de Coimbra a cadeira de metalurgia, da qual foi nomeado lente, comissão que desempenhou por largo tempo.

Foi ainda nomeado intendente geral das minas e metais do reino; superintendente do rio Mondego e das obras públicas de Coimbra, e desembargador da relação do Porto.

Muitos e importantes trabalhos administrativos lhe foram confiados, avultando o encanamento do rio Mondego, as sementeiras e plantações nos areais da costa.

Em 1800, pelo outono, acompanhado de seu irmão Martim Francisco e o general Napier, faz uma viagem minerográfica pela Estremadura até Coimbra, cujo resultado, escrito por seu irmão, apareceu em 1812.

A invasão francesa veio surpreendê-lo no meio de suas pacificas ocupações científicas.

Coberto com os louros da ciência, travou da espada, correu ao campo da batalha e à frente do corpo acadêmico, no posto de tenente-coronel, militou com gloria contra os franceses.

Livre o solo de Portugal da invasão estrangeira, foi pelo governo nomeado intendente geral de polícia da cidade do Porto, cargo dificílimo então, pela discórdia civil em que se dividia os ânimos, para a extinção da qual muito concorreu sua moderação e equidade.

Em 1812 foi eleito secretario perpetuo da Academia Real de Ciências de Lisboa, em cujo caráter produziu importantes trabalhos literários.

Em 1819, obtendo licença do governo da metrópole, retirou-se para o Brasil, conservando todos os seus empregos, indo habitar o sítio dos Outeirinhos em Santos, todo entregue às investigações da ciência.

Em março de 1820 fez com seu irmão Martim Francisco uma excursão montanística desde Santos até a Paraíba, cujos resultados foram publicados no Journal des mines de Paris.

Em atenção a seus relevantes serviços prestados a Portugal foi a 5 de abril de 1820 agraciado com o título de conselho, única honraria que teve este modesto cidadão do governo português e do de sua pátria.

Vice-presidente da junta provisória de São Paulo, quando foi aqui recebida a ordem para a retirada do príncipe regente, seus colegas deixando-lhe toda a responsabilidade da ação e dos acontecimentos, ele os reúne, e em nome dessa junta, dirige ao príncipe essa enérgica representação de 24 de dezembro de 1821, que ecoou no Brasil inteiro, sendo ele o próprio portador.

Desobedecendo ás ordens das cortes, trava-se a luta, e José Bonifácio, que provocara em grande parte este desenlace, torna-se o arbitro da situação, e por decreto de 16 de janeiro de 1822 é ele nomeado ministro do reino e estrangeiros, pelo príncipe regente.

Deferindo aos votos das provindas de Minas e Rio de Janeiro, convocou, por decreto de 16 de fevereiro de 1822, um conselho de procuradores de província, com o caráter de conselheiros de Estado e de representantes da província que os elegia.

O senado da câmara da corte, e o conselho de procuradores de província, pedirão a convocação de uma constituinte; o ministério conformou-se, e a 3 de junho foi ela convocada.

Estava definitivamente confirmada a independência e a 6 de agosto dirigia-se o povo livre ás nações amigas.

Desde então o nome de José Bonifácio ficou inscrito em todos os grandes atos da emancipação nacional, e seu nome simboliza uma história.

Deputado à constituinte e ministro, harmonizou sabiamente os direitos dos povos com as exigências da autoridade, e ele foi um dos vultos mais proeminentes dessa famosa constituinte.

Nela foi eleito para a comissão encarregada da fatura do projeto da constituição.

A 17 de julho de 1823 deixou o poder.

A 12 de novembro do mesmo ano, dissolvida a constituinte à força armada, foi ele preso e deportado para a França em companhia de seus irmãos.

Depois de gemer sete anos no exilio, exalando maviosos cantos em sua lira, volve à pátria em 1829.

A 22 de abril de 1831 toma assento na câmara como deputado pela Bahia, e sua posição diante do gênio da revolução que erguia o dolo, fez o governo supô-lo conivente com a restauração, que o arrancou violentamente do paço imperial, e o mandou conduzir preso à ilha de Paquetá, depois de o suspender das funções de tutor da família imperial, que lhe fora confiado pelo honroso decreto de 6 de abril de 1831.

Sua casa foi apedrejada e apupada, e seu nome coberto de impropérios pela populaça nos aziagos dias de dezembro de 1833; e o criador da nacionalidade brasileira foi arrastado ao banco dos réus, e aí respondeu à um processo, que o inculpava de traidor à pátria!

Honrosamente absolvido, retirou-se ao silencio de seu gabinete na mesma ilha. Rude fora a provação, e a 6 de abril de 1838 faleceu em São Domingos o conselheiro José Bonifácio de Andrada e Silva.

Seu corpo embalsamado foi, por disposição testamentaria, remetido à Santos, onde descansa na terra humilde de seu berço.

O decreto de 26 de abril de 1838 concedeu ás filhas de José Bonifácio uma pensão em remuneração dos relevantes serviços pelo mesmo prestados à causa da independência do Império.


---
Fonte:
Manuel Francisco Dias da Silva - Dicionário biográfico de brasileiros célebres, 1871.
Pesquisa e adequação ortográfica: Iba Mendes, 2018,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...