domingo, 28 de outubro de 2018

O jabuti e o jacaré (Conto infantil), de Monteiro Lobato


O jabuti e o jacaré

Louco de inveja da gaitinha do jabuti, o jacaré resolveu furtá-la. Para isso ficou à espera dele no bebedouro.

— Olá, amigo jacaré — disse o jabuti aparecendo. — Que faz- aí?

— Tomando sol.

O jabuti bebeu e pôs-se a tocar a gaitinha.

O jacaré então disse:

— Empreste-me um pouco isso; quero ver se sei tocar.

O jabuti deu-lhe a gaita. Ele, pluf, atirou-se ao rio e lá se foi com ela. O jabuti danou. Passados dias, engoliu uma porção de abelhas duma colmeia e foi para o bebedouro esperar o jacaré. Escondeu-se num monte de folhas secas, apenas com a boca de fora, bem lambuzada de mel. De vez em quando soltava uma abelha: zum!

O jacaré apareceu, e pensando que fosse uma colmeia enfiou o dedo na boca do jabuti. O jabuti, nhoc! ferrou o dedo dele.

— Ai, ai ai! — gritava o jacaré. — Largue meu dedo! E,o jabuti

— Só largarei se me entregar a gaitinha — e apertava o dedo do jacaré. Não aguentando mais, este gritou para o seu filho, lá longe:

Ó Gonçalo,
meu filho mais velho,
a gaita do cágado!
A gaita do cágado!
Tango-lê-rê...
A gaita do cágado!
Tango-lê-rê...

O rapaz, que era meio surdo, respondia: — O quê? Sua camisa, meu pai? Seu chapéu? E o jacaré, aflito:

Não, Gonçalo,
meu filho mais velho,
a gaita do cágado!
Tango-lê-rê...
A gaita do cágado!
Tango-lê-rê...

E o Gonçalo:

— O que; meu pai? Suas calças?

O jacaré tornava a repetir a cantilena — e assim uma porção de tempo até que o filho entendeu e veio com a gaitinha. Só então o jabuti largou o dedo do jacaré, que saiu ventando.

***
— Que graça! — exclamou Emília. — Jacaré com dedo e filho gente! Mas serve, a historinha. Gostei.

— Então vai gostar ainda mais da do jabuti e os sapinhos — disse tia Nastácia. E contou.



---
Notas:
Extraído da obra: Histórias de Tia Nastácia.
Transcrição e atualização ortográfica: Iba Mendes (2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...