domingo, 25 de novembro de 2018

A vela azul (Conto), de Iba Mendes



A vela azul
Embora confessasse publicamente sua descrença nas religiões e nos deuses, tinha por hábito acender uma vela toda sexta-feira.
Não o fazia, porém, por algum propósito místico ou religioso. Quando questionada sobre as razões de tão estranho hábito, respondia apenas que agia assim por se sentir bem. "Só por isso", concluía sem mais explicações.
Na sua “liturgia” usava sempre vela da mesma cor, que era acesa sempre no mesmo lugar, sobre uma pequena mesa de mogno, caprichosamente posta ao lado da cama em que dormia.
Essa prática remonta aos seus trinta anos, e não teve, na época, nenhuma motivação especial. Estava bem de saúde, ganhando um bom salário e apaixonada, ou como gostava de dizer às amigas, “loucamente apaixonada”.
Aconteceu naturalmente após um apagão na rede elétrica. Ficou tão deslumbrada e fascinada com o clarão dos cílios que nunca mais quis se desfazer dele. De lá para cá, podia faltar tudo em casa, menos velas azuis.
É preciso dizer que ela não se sentia nem um pouco constrangida pelas constantes interpelações das visitas. “Ora, por que o simples ato de acender uma vela precisa significar algo especial?” indagava com tranquilidade aos seus questionadores.
Não pensava da mesma forma sua indiscreta vizinha do lado, que sentia muito gosto em espiar o “ritual da vela” pelas frestas da veneziana. Foi dela que partiu o boato de que a “solteirona da casa azul” realizava rituais de magia negra, e que a prova de tal assertiva eram as velas que ela acendia à noite durante às sextas-feiras.
"E tem macho no meio!", alardeava sem qualquer pudor aos demais da vizinhança. "Mas eu vou descobrir quem é o filho do cão-tinhoso", acrescentava a gorda senhora, já com os seus nervos agitados.
E de fato descobriu. Foi numa sexta-feira santa. Fazia um calor intenso.
Como de costume, a curiosa vizinha correu até a veneziana. Pela frincha observava cada movimento da janela ao lado. Munida de um binóculo que havia comprado especialmente para esta finalidade, concentrou seu olhar no “ritual”. Logo percebeu que a solteirona estava acompanhada por alguém. Era um homem gordo e também careca. Este estava sentado e de costa. Impaciente e cada vez mais curiosa, a bisbilhoteira deu um giro para a esquerda e aguardou mais um pouco. “Agora pego a sem-vergonha!” pensou. Reposicionou então a lente, encostando-a fixamente ao rosto. Súbito afastou para trás espantada e toda trêmula. Estava ali o seu próprio marido com um isqueiro na mão a acender uma vela azul, que a esta altura já cintilava na mão da outra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...