quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Aparências (Paródia ao poema “Mal Secreto”, de Raimundo Correia)


A PARÓDIA

Aparências
(Paródia ao poema “Mal Secreto”, de Raimundo Correia)

Se tudo que no estômago se abriga
E ele oculta com tanta discrição;
Se tudo que se bebe e se mastiga
Não ficasse em profunda escuridão;

Se aquilo com que a fome se mitiga
Sofresse à nossa vista a digestão,
Quanta ente que o rei traz na barriga
Correria da parca refeição!

Quanta gente que eruta coisas caras
O bucho pouco menos que vazio
Ocultar buscaria dos presentes!

Quanta gente, em camisa de onze varas,
Depois de magro almoço de assobio,
Vem para a rua palitando os dentes!

AUTOR ANÔNIMO
Revista “Careta”, 1943.


---
O ORIGINAL


Mal Secreto

Se a cólera que espuma, a dor que mora
N'alma, e destrói cada ilusão que nasce
Tudo o que punge, tudo o que devora
O coração, no rosto se estampasse;

Se se pudesse, o espírito que chora,
Ver através da máscara da face,
Quanta gente, talvez, que inveja agora
Nos causa, então piedade nos causasse!

Quanta gente que ri, talvez, consigo
Guarda um atroz, recôndito inimigo
Como invisível chaga cancerosa!

Quanta gente que ri, talvez existe,
Cuja ventura única consiste
Em parecer aos outros venturosa!
RAIMUNDO CORREIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sugestão, críticas e outras coisas...